Qual é o seu estado diante de Deus?

“O que anda na retidão teme ao SENHOR, mas o que se desvia de Seus caminhos o despreza.” (Provérbios 14.2).

A Bíblia é clara ao falar dos dois únicos caminhos por onde o homem deve andar: o caminho cuja porta é larga e o outro da porta estreita. Não existe um terceiro caminho, muito menos um atalho para se chegar ao céu ou ao inferno. O homem tem que fazer a sua escolha pessoal.

Aqueles que escolhem o caminho estreito, ou seja, da porta estreita, são na verdade os que andam na retidão, na verdade, na vereda da justiça e optaram pela salvação em Cristo Jesus. Esses tais, temem ao SENHOR e procuram fazer a Sua vontade. “O temor do SENHOR é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo a prudência.” (Provérbios 9.10).

Jesus Cristo, certa vez, disse aos seus discípulos: “Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela.” (Mateus 7.13). Qual o seu estado hoje, diante de Deus? Você está andando pelo caminho largo ou o estreito? Saiba que Jesus só é a PORTA do caminho estreito.  Ele mesmo disse: “Eu Sou a PORTA, se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará e sairá, e achará pastagens.” (João 10.9).

O caminho largo só leva o homem à perdição e consequentemente ao inferno. Não é o caminho da vida eterna com Deus. Se você estiver no caminho de porta larga, então, você está correndo risco de vida. A solução é correr hoje mesmo para Jesus, pois Ele é a porta do caminho que leva a salvação.

Como é maravilhoso caminhar por uma estrada aplainada, onde o risco com acidentes é praticamente zero. Como é salutar andar na presença de Deus e fazer a Sua vontade. Nesse caminho você anda em santificação, sempre temendo a pessoa do Espírito Santo.

A Bíblia diz: “… mas o que se desvia de Seus caminhos o despreza.” – não despreze a pessoa de Cristo, pois Ele morreu por mim e por você. Sai desse caminho que leva à perdição e volte hoje mesmo para Jesus Cristo, pois, Ele te ama e quer te restaurar.

Pare, pense e reflita em tudo que está se passando com você. Não vale a pena ficar afastado(a) de Jesus Cristo. Volte hoje mesmo para o caminho da salvação, onde Cristo está te esperando como SENHOR e Salvador. Ele é o único que pode te conceder a vitória para a sua vida. Aleluia!

Por que estais olhando para o céu?

“Os quais lhes disseram: Varões galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir.” (Atos 1.11).

Essa expressão “olhando para o céu”, geralmente se usa para quem está ocioso e não tem nada de importante para fazer. Não foi o caso daqueles galileus que contemplavam admirados a subida inédita de Jesus Cristo, o Filho de Deus, para o céu de glória, como sendo a imagem mais linda para eles naqueles dias tão tumultuados em Jerusalém.

Realmente, é de se admirar a quantidade de pessoas, hoje em dia, “olhando para o céu”, ou seja, pouco emocionadas com o dia de amanhã, e o mais preocupante, é que existem famílias, esposas e filhos em extrema necessidade. Parece-me que perderam o ânimo de batalhar pela vida; não se esforçam para melhorar a situação atual, tudo indica que fizeram naufrágio de suas forças interiores, de sua fé e de tão importante esperança.

Essas pessoas levam a vida sem muita emoção e por que não dizer, motivação. Elas vão prosseguindo “olhando para o céu”, como se alguma coisa caísse lá de cima. Deus se alega quando o crente em Jesus não se acomoda em sua jornada diária, mas de forma arrojada e intrépida busca o melhor para si e a sua prole. É gratificante quando se percebe o esforço e a dedicação de pessoas simples e humildes, desprovidas de bens materiais, cujo coração está firmado em Deus e tudo faz para levar o pão de cada dia para seu lar, com trabalho e honra, sem ter que usar de enganos, mentiras e inverdades.

O Senhor Deus muito se agrada quando a pessoa não se acomoda e nem espera por favores de outros, muito menos fica na dependência de promessas infundadas de terceiros. O cristão deve mostrar o seu valor, o seu caráter, o seu brilho interior e a sua capacidade. Lute por você mesmo. Valorize a pessoa que você é, levante a sua cabeça e confie mais em Deus, o qual tem tudo para te ajudar nessa empreitada de fé. Confie mais em Cristo e “olhe menos para o céu”, deixando a ociosidade de lado.

A fé e a incredulidade num mesmo coração?

“Disseram então os apóstolos ao Senhor: Acrescenta-nos a fé.” (Lucas 17.5).

Andando com Jesus, participando da vida ativa de Cristo, comendo e orando com Ele, bem como desfrutando da alimentação verbal, dos ensinamentos e, também dos milagres operados por Jesus, estavam os seus discípulos e apóstolos e estes últimos pedem ao Senhor que acrescente a eles a fé. Como pode uma coisa dessas?

A fé e a incredulidade não podem ocupar o mesmo lugar, ou seja, o mesmo espaço no coração do crente. Ou ele tem fé ou ele é incrédulo. Mesmo que ele tenha pouca fé, como um grão de mostarda, todavia ela poderá crescer.

Todo cristão tem um alvo, um objetivo espiritual que é o de morar no céu e para isso ele deve permanecer firme na fé para que possa obter a salvação em Cristo Jesus: “Alcançando o fim da vossa fé, a salvação das vossas almas.” (1 Pedro 1.9).

É a prova da fé que gera no homem um estado de tranquilidade, ou seja, a paciência. Quantos se desesperam na vida e acabam fazendo alguma coisa precipitada, porquanto, lhe falta a fé, ou melhor, a paciência: “Sabendo que a prova da vossa fé opera a paciência.” (Tiago 1.3).

O justo meu amado irmão e amigo deve viver pela fé em Cristo (Rm 1.17). Quer se tornar um bendito como foi o crente Abraão, então procure viver de fé em fé: “De sorte que os que são da fé são benditos com o crente Abraão.” (Gl 3.9).

Se você acha que não tem fé suficiente para vencer as batalhas espirituais desta vida, então, é hora de pedi-la ao Senhor, que lhe dará tranquilamente. Peça, porém com fé não duvidando.

Não tenha uma fé dúbia. A Bíblia diz: “Um só Senhor, uma só fé, um só batismo.” (Efésios 4.5). Aproveite para guardar o mistério da fé numa consciência pura e então você irá vê milagres acontecerem, por fé, em sua vida. Amém!

Não permita que a fé e a dúvida, ou incredulidade se digladiem no interior do seu coração.

Você é um sonhador ou um crente que tem muitas visões?

“Então disse José a Faraó: O sonho de Faraó é um só. O que Deus há de fazer, notificou-o a Faraó. Esta é a palavra que tenho dito a Faraó: o que Deus há de fazer mostrou-o a Faraó” (Gn 41.25,28).

Um sonho sem a interpretação correta não tem validade. Quando um sonho é de Deus ele se cumpre na íntegra.

A história de José é uma das mais comoventes e edificantes histórias da Bíblia. José foi um homem de muita paciência. Passou mais de dois anos preso no Egito, longe de seus familiares, amigos e pais e não reclamou, mas esperou o momento do agir de Deus em sua vida.

José foi um homem humilde. Ele não se vangloriou diante de Faraó quando Deus lhe deu a interpretação do sonho do monarca, limitou-se apenas a dizer: “…isto não está em mim, Deus dará resposta de paz a Faraó” (Gn 41.16).

Sua confiança em Deus era algo extraordinário. Ele disse a Faraó que Deus daria a resposta e Deus realmente Deus e Faraó de tão feliz o colocou como Governador de todo o Egito. Aleluia!

Faraó não tinha como expressar sua alegria e acabou dizendo a todos os presentes: “Depois disse Faraó a José: pois que Deus te fez saber tudo isto, ninguém há tão entendido e sábio como tu” (Gn 41.39).

Uma coisa que o cristão não deve brincar é com sonhos e visões. É preciso entender que há inúmeros sonhos que são frutos das circunstâncias. Isaías alerta: “Será também como o faminto que sonha que está a comer, mas, acordando, sente a sua alma vazia; ou como o sequioso que sonha que está a beber, mas, acordando, eis que ainda desfalecido se acha, e a sua alma com sede; assim será toda a multidão das nações que pelejarem contra o monte de Sião.” (Isaías 29.8). Ora se o homem está com fome e dorme com fome, certamente irá sonhar comendo ou desejoso de comer alguma coisa.

Sonhos há que são ocasionados pelas preocupações do cotidiano: “Porque da muita ocupação veem os sonhos, e a voz do tolo da multidão das palavras.” (Ec 5.3).

É claro que existem sonhos que são aparições divinas, mas também há sonhos que são vãos, mentirosos, alguns com mensagens, outros não e isso tudo precisa que haja o discernimento da parte de Deus. Há sonhos com revelações, sonhos do Espírito, sonhos proféticos e sonhos escatológicos como foi o sonho de Nabucodonosor.

Se você é alguém preocupado com sonhos e visões, então a maneira de decifrar um sonho é o seu cumprimento. Se houver cumprimento, então se diz que o sonho é verdadeiro.

Nem sempre a quantidade de sonhos são tidos e havidos como bons: “Porque, como na multidão dos sonhos há vaidades, assim também nas muitas palavras; mas tu teme a Deus.” (Ec 5.7). Pura vaidade!

Todas as visões precisam ser provadas. “Examinai tudo, retende o bem”. No tempo dos apóstolos havia muitas visões, mas entre elas também havia imitações, inverdades e muita invenções de homens, como o simples propósito de vanglória própria e tornar as pessoas presas e através das visões impor suas ideias. Não creia a qualquer visão. Não conte seus sonhos a qualquer pessoa.

Fortaleça a sua fé

 

“Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá pela fé.” (Romanos 1.17).

Somente em Jesus Cristo o homem é capaz de descobrir a verdadeira salvação e a justiça de Deus Pai, porquanto, foi Ele quem morreu na cruz para salvar e oferecer a vida Eterna a todo que nEle crer.

O que o Senhor está querendo de ti é que fortaleças a tua fé. Assim como você se encontra, vivendo no limite de suas forças, e com pouquíssimo azeite em sua lamparina, em algum momento você vai ficar de vez no escuro.

Lembre-se que você é luz e como luz paira sobre ti a responsabilidade de iluminar os que estão em trevas. Fortaleça a sua fé e permita ao Espírito Santo te renovar neste dia. Você precisa muito de uma fé revigorada, e o Senhor precisa de você, como servo e como vaso para uso em Sua obra, porém, se sua fé não for fortalecida, nada feito.

Com oração, leitura e meditação nas Escrituras Sagradas, sua fé será restaurada e você irá viver pela fé. A fé é de vital importância para a sua vida, pois, “Sem fé é impossível agradar a Deus”.

O crente em Jesus Cristo com a fé renovada se torna um gigante.

O temor faz parte do kit de sobrevivência do cristão

“E Farei com eles uma aliança eterna de não me desviar de fazer-lhes o bem; e porei o meu TEMOR nos seus corações, para nunca se apartarem de mim” (Jeremias 32.40).

O temor é de suma importância para o viver cristão neste mundo tenebroso. O temor do Senhor é o princípio da sabedoria. Não se consegue ter temor ao Senhor sem desenvolver a base para que este temor atue na vida do cristão eficazmente.

A base de que eu falo precisa fazer parte desse kit de sobrevivência que são a fidelidade e a humildade. O crente fiel e humilde goza da aprovação de Deus e da confiança dos homens na face da terra, e verdadeiramente, se tornará mais fácil para ele viver no temor do Senhor.

A Bíblia diz que, “Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes” (1 Pe 5.5). A fidelidade é na verdade uma das características do caráter de Deus. Ele é fiel. O próprio Filho, Jesus Cristo, tem o seu nome chamado de “Fiel” (Ap 19.11).

Quando o homem é alcançado pela salvação, ele se torna participante da natureza de Deus, e consequentemente, a fidelidade passará a fazer parte de sua nova vida: “pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo” (2 Pe 1.4).

O temor faz parte do kit de sobrevivência do cristão no mundo. O temor é de vital importância para ele viver bem neste mundo. O temor é geralmente traduzido por respeito e reverência a santidade de Deus.

O temor é quem preserva o homem dos laços da morte: “O temor do Senhor Deus é fonte de vida para evitar os laços da morte” (Pv 14.27).

Tema a Deus e viva bem. Não deixe o temor fora do seu kit de sobrevivência.

Manchas indesejáveis na vida

“Tu és toda formosa, amiga minha, e em ti não há mancha” (Cantares 4.7)

Vez por outra os jornais divulgam algum derramamento de óleo ou petróleo em alguma parte do mundo.

Na Baia de Guanabara com frequência algum navio mercante deixa escapar óleo, o qual se espalha por várias praias do litoral carioca e acaba ameaçando a fauna e a flora, além de poluir grandemente a Baia. A mancha, qualquer que seja, é sempre mal vista, causa prejuízos tremendos e geralmente não é removível com facilidade. Quando esses vazamentos acontecem as aves e os peixes são os mais prejudicados, bem como os seres vivos que dependem dos manguezais.

A nossa vida também pode ser alvo de manchas indesejáveis. A palavra descrita em Cantares refere-se à igreja de Cristo, a noiva imaculada do Cordeiro. A igreja não pode se contaminar, nem tão pouco manchar suas vestes brancas (Ap 3.5), visto que estamos à espera do noivo Jesus Cristo. Ele nos exorta a vigiar e guardar os vestidos para que não andemos nu e não se vejam as nossas vergonhas (Ap 16.15).

O maior responsável pelas manchas da alma humana é sem dúvida o pecado; ele diminui a nossa força de vontade ao ponto de não o podermos mais fazer o que sabemos e o que devemos fazer, ao ponto de sermos totalmente dominados por ele. Todo aquele que comete pecado é servo do pecado (João 8.34). Paulo referindo-se a ele diz: “… o que quero isso eu não faço, mas o que aborreço isso faço… e com efeito o querer está em mim, mas não consigo realizar o bem” (Rm 7.14,15,18).

Queridos em Cristo, o Sangue de Cristo é o único antídoto contra as manchas da alma. O Senhor Deus diz: “… ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam, vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã” (Isaías 1.18).

Para que a mancha seja contida e você tenha vitórias incontáveis procure observar o contido na passagem de Josué 23.6-16, ou seja, procure guardar o que está escrito nas Escrituras; os que guardam a Palavra recebem a promessa de que o Senhor os livrará da hora da tentação, procure de maneira sábia fazer o que está escrito; e se esforce para se aproximar do Senhor, pois só assim encontraremos forças para fazer o que Deus estabeleceu em sua Palavra.

Por fim faz-se necessário amar de verdade ao Senhor Jesus. Temos que amar para obedecer, amar para seguir e amar para esperar: “Se alguém não ama ao Senhor Jesus, seja anátema; maranata” (1 Co 16.21). Cristo é o único que nos satisfaz, logo, precisamos amá-lo e reverenciá-lo. Ele voltará brevemente e levará para si um povo escolhido, sem mancha, irrepreensível e que o ame de verdade.

Entre Muitos…!

“E aconteceu que, apertando-o a multidão para ouvir a Palavra de Deus, estava ele junto ao lago de Genesaré.” (Lucas 5.1).

Aos 62 anos de idade, estou neste instante entre muitos turistas, de muitas partes do mundo. Uns curiosos, outros ansiosos, quase todos apaixonados por diversões, alguns perplexos, motivados, alegres, enfim, uma correria só, para selecionar o melhor lugar nas filas, deste parque por nome Magic Kingdom, na famigerada Disney World. Estou aqui sentado e escrevendo este texto.

Nunca tinha visto algo igual, e nem parecido. Gente de variadas nações se misturam. Cada grupo, “um feudo”, trazendo consigo as marcas culturais e aproveitando para desfrutar da alegria que contagia a todos indistintamente. A diversão e o entretenimento me parece que são as principais atividades nesta mundo colorido, que ao meu vê se constitui no sonho de muitos turistas aqui, não importando a idade.

Aqui é um lugar para a pessoa esquecer, por algumas horas da vida estressada que leva. Talvez, alguns não tenha tempo nem para se lembrar de Deus. O ambiente é bastante agitado, principalmente hoje, que é feriado em Orlando,FL. Tudo é encantador, bem protegido e seguro, o que facilita o relaxamento por parte de alguns.

Os celulares são o instrumento mais usado por aqui, pois, todos aproveitam para registrar o momento da diversão. Não há algazarra, nem contendas, todos caminham, comem, bebem e se divertem sem nenhum tipo de desavença. Muitas são as meninas vestidas de Cinderela, o que deixa o ambiente ainda mais bonito. A expressão de alegria é visível no rosto de cada menino, e menina. Eles parecem não se cansarem. Será que alguém se lembra de Jesus Cristo neste lugar? Não tenho a resposta!

Eu, particularmente, estou sentindo o poder do Espírito Santo, pois, diferentemente de muitos que passam por aqui acelerados, correndo ou andando com seus filhos, estou ligado no céu, pensando em Deus e aproveitando para orar por todos aqui, a fim de que Deus possa se compadecer e salvá-los. O meu pedido ao Senhor é que ele não venha buscar a igreja num dia como este. Misericórdia!

Entre muitos! – aqui estou eu. Acabei de cumprir minha missão, a de interceder por todos quantos estão se divertindo aqui. O dia está nublado, mas sem chuva alguma. O sol fica brincando de aparecer e desaparecer e somente o vento faz questão de refrescar o ambiente. As imagens formadas em minha mente vão custar a desaparecer, creio eu. O que faria Jesus neste lugar? Será que Ele iria mandar parar tudo e chamar a atenção de pais e filhos para lhe ouvirem? Talvez muitas crianças iriam chorar e alguns jovens perguntariam logo que seria ele? Será que Jesus aproveitaria o momento para fazer muitos milagres? Não tenho a resposta, mas tenho a certeza que algo extraordinário iria acontecer ali; que vida iriam lhe aceitar como Senhor e Salvador e muitos, talvez encerrasse o passei por completo.

As pessoas estão tão focadas nos brinquedos que nem percebem que o tempo de espera de alguns deles é de 2 horas e 20 minutos. Um tempo muito superior ao que usamos por ocasião de nossos cultos de louvor a Deus, e mesmo assim, muitos não conseguem ficar nem uma hora, se quer, para cultuar o nome que é sobre todo nome, o nome de Jesus Cristo. Não vejo ninguém se queixar de alguma dor ou incomodo físico, todos aparentam estar felizes e satisfeitos com as atrações do parque.

Várias são as pessoas que transitam com uma tiara do Micrey. Ele aqui, parece contagiar o público local que não poupa o seu dinheiro, mas compra os inúmeros souvenires que trazem a imagem dos personagens da Disney. É algo impressionante, contagiante, fascinante, motivador, porém, tudo é coisa passageira, que não veremos na eternidade com Cristo.

O Micrey parece atrair a muitos. Meus Jesus é muito mais que este personagem da Disney. O Micrey atrai muitas pessoas de diversas nações, porém, ele não é vivo, não salva, e nem proporciona a alegria perfeita, somente, Jesus Cristo, autor e consumador da fé.

Jesus Cristo, de fato, com sua morte na cru atraiu e atrai até hoje, a muitos. Eu sou uma testemunha viva de que fui atraído por seu amor. Ele me resgatou do mundo, do pecado e me deu vida em abundância. Trouxe paz ao meu coração e hoje, eu estou feliz. Não sinto a mesma alegria, aqui neste parque, de quando eu aceite a Cristo. A alegria naquele dia de minha conversão foi algo inexplicável, não há coisa igual e nem comparável. Tudo isso aqui é divertido, mas passageiro.

Pobre Micrey! Apenas se transformou numa lenda, nada mais do que isso. Jesus, pelo contrário, é uma realidade, está vivo e em breve virá buscar a Sua igreja conforme ele prometeu: “Não vos deixarei órfãos; voltarei para vós.” (João 14.18). Jesus Cristo é o caminho, a verdade e a vida. Ele está à direita de Deus Pai, como mediador da nova aliança. Ele é o nosso Advogado.

Entre muitos, aqui estou, registrando essa palavra, a qual será lida por muitos que ainda não foram ao Magic Kingdom, na Disney World. Se algum dia você for a Orlando,FL, e você é um cristão que ama a Jesus Cristo, então, não deixe de visitar Holy Land Experience, o museu da Bíblia. Aleluia!

Deus deseja pelejar por ti!

“E não houve dia semelhante a este, nem antes nem depois dele, ouvindo o Senhor assim a voz de um homem; porque o Senhor pelejava por Israel.” (Josué 10.14).

A passagem em lide fala da peleja que Israel teve com os amorreus ou amoritas, um povo descendente de Canaã. Os amorreus são mencionados nas Escrituras cerca de 87 vezes e eles foram marcados pela crueldade e os seus terríveis pecados.

Ai está um grande milagre. Josué, o líder hebreu para vencer a batalha precisou orar ao Senhor para ele deter o sol e a luz: “Então Josué falou ao Senhor, no dia em que o Senhor deu os amorreus nas mãos dos filhos de Israel, e disse na presença dos israelitas: Sol, detém-te em Gibeom, e tu, lua, no vale de Ajalom. E o sol se deteve, e a lua parou, até que o povo se vingou de seus inimigos. Isto não está escrito no livro de Jasher? O sol, pois, se deteve no meio do céu, e não se apressou a pôr-se, quase um dia inteiro.” (Josué 10.12,13).

Deus quando quer abençoar o crente em Jesus Cristo, Ele faz sempre o melhor e, até mesmo, milagres extraordinários, como esse que aconteceu nos dias de Josué, quando o sol se deteve e a luz parou após a oração de Josué.

Deus está frequentemente disposto a batalhar pelos seus filhos, porém, a insensatez, o desânimo, a falta de fé e a esperança de alguns crentes, acabam complicando os planos do Senhor. Deus deseja realizar uma grande obra em tua vida meu amigo e irmão em Cristo, pois, é preciso esvaziar o teu eu. O Senhor não se agrada do soberbo e nem do arrogante, mas ama aos humildes e por este faz sempre algum milagre.

Dê uma chance ao Espírito Santo. Deus está, e não é de hoje, querendo pelejar pela tua causa, o teu problema e se você quiser, e se entregar a Ele, Ele tudo fará. Não permaneça na crise, mas permita o Senhor de ajudar a sair dela. Aleluia!

A verdadeira economia espiritual

“Honra o Senhor com a tua fazenda, e com as primícias de toda a tua renda” (Provérbios 3.9).

A economia espiritual é quando sabemos administrar bem os bens recebidos do Senhor Jesus Cristo, ou melhor, como verdadeiros mordomos dos bens adquiridos fazendo com que eles possam ser utilizados com sabedoria e também serem úteis em seus propósitos e objetivos, de modo a abençoar vidas.

Outro dia liguei o rádio e uma senhora falou em línguas quase 15 minutos, sem interpretação e sem objetivo nenhum. Gastou o seu tempo, quem ouviu não entendeu nada, em fim, um dom que lhe foi dado e que não está sendo bem aproveitado em prol da edificação espiritual de outros. Não é sábio o que assim procede. É jogar fora a oportunidade de saber usar bem o dom dado por Deus, e com isso a pessoa não economiza na área espiritual e, por conseguinte, ainda serve de escárnio por parte de muitos evangélicos.

A mordomia cristã significa colocarmos os nossos bens recebidos do Espírito Santo, no altar de Cristo e, consequentemente, saber como alegrar ao Senhor no uso de cada dom recebido.

Quando coloco minha oferta, meu dízimo e todas as primícias no altar do Rei da Glória, certamente, minha vida será coroada de ricas e gloriosas bênçãos.

Quando entrego ao Senhor o que não me pertence, e é bom lembrar que Deus não exige os 90% dos meus bens, mas somente 10%, deixando-me administrar o restante, então é motivo de alegria. Muitos parecem viver somente com 10%, os noventa desaparecem e a pessoa só vive em dificuldades. Parece que seus bolsos andam sempre furados. Quando o cristão aprende que dez é de Deus, os noventa restantes multiplicam-se. Faça prova de Deus!

A verdadeira economia espiritual está baseada na utilização correta, do uso correto de todos os dons constantes na Palavra de Deus, bem como, da entrega voluntária das ofertas, ofertas alçadas e do dízimo que não nos pertence. Não deixe de honra ao Senhor com tua fazenda, teus bens, tuas ofertas. Deus te abençoe!

Sem ela, pode desistir…

“Então Samuel tomou o chifre do azeite, e ungiu-o no meio de seus irmãos; e desde aquele dia em diante o Espírito do Senhor se apoderou de Davi; então Samuel se levantou, e voltou a Ramá.” (1 Samuel 16.13).

Jessé e o próprio Samuel, sendo este, Juiz e profeta em Israel, se impressionaram da maneira de Deus agir. O Senhor não viu como Samuel viu, o qual olhou para a aparência do filho de Jessé, mas o Senhor trabalhou para o interior do coração ado homem, e lhe aprouve mandar ungir a Davi, o caçula, que era um rapaz diferente dos demais, porquanto, agradava a Deus. Mesmo sendo o menor na casa de Jessé, porém, foi ele a quem Deus escolheu para substituir o rei Saul, que saiu dos planos do Altíssimo.

Alguns crentes em Jesus Cristo não valorizam a unção e se acostumam com o saber, com o conhecimento bíblico, teológico e filosófico, e aplicam em seus ministérios e não mais buscam ao Senhor como deveriam buscar, ou seja, levam os seus ministérios de qualquer maneira.

A unção é de suma importância na vida do cristão. Quando a presença do Espírito Santo está sobre o obreiro tudo fica diferente e o azeite celestial faz com que o ambiente as pessoas recebam a porção satisfatória do Santo Espírito de Deus para sua vida diária.

O cristão com conhecimento apenas, sem a unção do Pai celestial, não consegue fazer a obra com a eficácia que ela merece. O ministério da Palavra, não se resume em, somente manusear a Bíblia, ou citá-la com propriedade, todavia, é importante que haja unção na vida do obreiro ou obreira.

A unção é que faz a diferença. Como buscar a unção de Deus para a minha vida? Meditando nas Sagradas Escrituras, com humildade e fé. Aceitando a orientação do Espírito Santo; orando, buscando ao Senhor e obedecendo a Sua Palavra e fazendo um esforço para fazer a Sua vontade. Seja mais obediente ao Espírito Santo e a unção será visível por todos.

Sem ter a unção fluindo em sua vida, os grandes projetos espirituais não se realizam e o obreiro acabará abandonando a vida ministerial ou eclesiástica. Pense nisso e seja mais amigo e mais obediente ao que o Espírito fala ao seu coração. Amém!

Vivendo do resto…

“Então veio ela, e o fez saber ao homem de Deus; e disse ele: Vai, vende o azeite, e paga a tua dívida; e tu e teus filhos vivei do resto.” (2 Reis 4.7).

Este relato Bíblico, no segundo livro dos Reis, nos dias do profeta Eliseu, tem despertado a muitos pregadores a extrair lições e pregações, as mais diversas possíveis para repassá-las aos seus ouvintes. Cada uma mais interessante, edificante e contagiante, de modo a motivar e a despertar o crente frio e abatido em sua vida espiritual.

Eliseu solucionou o problema da mulher. Ela precisava de dinheiro para pagar as dívidas deixadas por seu marido que havia morrido. Ela não tinha um tostão, mas sobrava em seu coração fé. Ela não sabia aquém recorrer para conseguir o dinheiro, mas sabia perfeitamente que a solução para qualquer tipo de problema estava em Deus, através do seu representante na terra o profeta Eliseu. A mulher procurou a fonte certa.

É bom quando você está em crise e ao pedir ajuda bate na porta certa. Buscar em Deus a solução para qualquer dificuldade que você esteja atravessando ainda é a melhor coisa a se fazer. A mulher tinha fé, tinha esperança de que algo de novo iria acontecer. E aconteceu, pois, o profeta, sem perda de tempo lhe deu logo a solução. E geralmente a saída da crise está em nossa casa, em nosso poder, porquanto, Deus usa o que você tem, ele não pede nada emprestado a ninguém, para solucionar a pendência de outro.

A mulher tinha azeite em casa, mas disse de imediato ao profeta que não tinha nada em casa. O milagre acontece quando cremos pela fé. O milagre se realiza quando Deus age em nosso favor. O mais importante que o milagre é saber se dirigir àquele que pode nos tirar do meio da crise e erradicar o problema. Eliseu precisava mostrar para a mulher que Deus tudo pode, e que para ele fazer chover dinheiro seria a coisa mais fácil, porém, Deus não trabalha assim. O Senhor usou o que havia de real e concreto e multiplicou o azeite de modo que ela ao vender, ainda sobrou dinheiro suficiente para ela viver com seus filhos. Isto é, ela passou a viver do resto do azeite.

Se você tem condições de viver do resto do milagre, então entrega a tua vida ao Senhor, confia nEle e no mais ele tudo fará.

Usando bem as armas da restauração

“Não aceites acusação contra o presbítero, senão com duas ou três testemunhas.” (1 Timóteo 5.19).

Não são muitas as maneiras de se resolver os imbróglios que surgem no seio da igreja do Senhor Jesus Cristo, porém, existem alguns passos que o líder não poderá deixar de observar se quiser manter o rebanho sadio e firme na fé.

A Igreja de Jesus Cristo é formada por pessoas diversas, diferentes umas das outras, com pensamentos afinados com a Bíblia e outras com uma filosofia totalmente diferente e contrária ao que se acha preconizado na Palavra de Deus, todavia, é mediante o ensinamento da sã doutrina que todos irão atingir a estatura de varão perfeito.

Ela, é formada também de pessoas simples que passam por um processo de restauração da alma e nessa busca incessante de um viver mais próximo do Espírito Santo, as pessoas vão se amalgamando em torno do ensinamento ministrado pelo líder e pastor da comunidade.

Toda igreja para andar bem e observar de maneira satisfatória a imparcialidade deve observar em seu Estatuto a fim de não haver nenhum prejuízo moral ou espiritual de seus membros, bem como seguir o que as Escrituras ordenam: Não se deve acusar ninguém sem provas e além do mais deve se ter duas ou três testemunhas; não se deve disciplinar sem primeiro apurar bem os fatos, todavia, faz-se necessário seguir a orientação de Paulo a Timóteo: “Aos que pecarem, repreende-os na presença de todos, para que também os outros tenham temor.” (1 Tm 5.20).

Hoje, quase não se age assim, pois é conveniente preservar a pessoa e não a constranger diante dos outros, todavia, isso não quer dizer que esteja se usando de parcialidade. O importante é o líder ser imparcial, pois é bíblico: “Conjuro-te diante de Deus, e do Senhor Jesus Cristo, e dos anjos eleitos, que sem prevenção guardes estas coisas, nada fazendo por parcialidade.” (1 Tm 5.21).

Não se deve jogar fora alguém por quem o Senhor Jesus Cristo morreu e por ele se coloca diante do Pai como advogado e intercessor amoroso. Saiba usar bem as armas da restauração!

Colocando um sorriso no coração de Deus (continuação)

Disse-lhe, porém, o Senhor: Vai, porque este é para mim um vaso escolhido, para levar o meu nome diante dos gentios, e dos reis e dos filhos de Israel.” (Atos 9.15).

Maria, mãe de Jesus alegrou grandemente a seu filho, o Salvador Eterno. Em seu lindo cântico ela disse: “…A minha alma engrandece ao Senhor,
E o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador; Porque atentou na baixeza de sua serva; Pois eis que desde agora todas as gerações me chamarão bem-aventurada,
Porque me fez grandes coisas o Poderoso; E santo é seu nome. E a sua misericórdia é de geração, em geração, sobre os que o temem. Com o seu braço agiu valorosamente; Dissipou os soberbos no pensamento de seus corações. Depôs dos tronos os poderosos, E elevou os humildes. Encheu de bens os famintos, E despediu vazios os ricos. Auxiliou a Israel seu servo, recordando-se da sua misericórdia.” (Lucas 1.46-54.).

Rute não somente agradou a Noemi sua sogra quando decidiu acompanhá-la até Belém, na Judéia, como também agradou a Deus, pois nela foi cumprido o que vaticinou os profetas acerca do nascimento de Jesus Cristo. O mesmo não aconteceu com Ofra a moabita, sua cunhada e nora de Noemi, que aceitou a orientação desta e voltou para o seio de sua família e, certamente, entristeceu ao Senhor, pois passou a viver no meio da idolatria e seguir os deuses de Moabe.

De igual forma Simão Pedro que em vez de seguir os demais discípulos a fim de dar um apoio e um conforto maior a Jesus, dizendo-lhe que estava sofrendo com Ele e que o ama, optou em segui-lo de longe e assim acabou negando a Cristo três vezes.

E você, tem se esforçado para agradar a Deus? Ou ainda está naquela de esperar para que ele te abençoe e lhe conceda alguma dádiva ou bênção que tanto esperas? Faça o caminho inverso, em vez de esperar por Deus para receber dEle alguma coisa, alegre-o primeiro, corra para Ele faça ele sorrir, tome decisões que lhe façam se alegrar com você. Guarde a fé, dê bom testemunho e não deixe de falar dos Seus feitos.

Colocando um sorriso no coração de Deus

Disse-lhe, porém, o Senhor: Vai, porque este é para mim um vaso escolhido, para levar o meu nome diante dos gentios, e dos reis e dos filhos de Israel.” (Atos 9.15).

É bom demais quando o Senhor Deus se alegra com os seus filhos. Assim como o filho alegra seu pai ou a sua mãe com alguma atitude louvável ou alguma coisa boa, porque não alegrar aquele que criou o homem e todas as coisas deste mundo?

O cristão já está acostumado a receber mais e pouco dar. É prazeroso receber, mas muito mais o dar. A Bíblia diz: “Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é necessário auxiliar os enfermos, e recordar as palavras do Senhor Jesus, que disse: Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber.” (Atos 20.25).

Deus se alegrou muito com Abraão quando Ele lhe obedeceu no monte Moriá, e por pouco não sacrificou o seu filho Isaque em obediência ao Senhor Deus. A fé do patriarca foi provada e hoje se acha o relato no capítulo onze da epístola aos Hebreus, encabeçando os heróis da fé. Abraão simplesmente alegrou a Deus. E você tem feito alguma coisa para agradar ao Senhor seu Salvador?

Joquebede, esposa de Anrão, mãe de Moisés, descumpriu o decreto de Faraó, pondo em risco a sua vida e a de sua família, para proteger ao seu filho que havia nascido. Ela escondeu o menino até o quanto pode, e depois teve que soltá-lo dentro de um cesto no rio e assim o menino se salvou e tornou-se o grande líder dos hebreus, tirando-os do Egito e os conduzindo pelo deserto. Joquebede alegrou ao Senhor Deus obedecendo-o em tudo. Quantos não conseguem preservar a vida espiritual, pelo simples fato de não querer obedecer os mandamentos do Senhor e nem temerem o seu nome, com isso entristecem ao Senhor.

Paulo alegrou muito ao Senhor Deus, pois quando o Senhor lhe deu uma visão no meio da noite: “E Paulo teve, de noite, uma visão em que se apresentava um varão da Macedônia e lhe rogava, dizendo: passa Macedônia e ajuda-nos! E logo depois desta visão, procuramos partir para a macedônia…” (Atos 16.9-40). Um relato de alguém que alegrou a Deus e provocou uma grande festa no céu, pois vidas foram salvas e alcançadas pelo Evangelho de Cristo.

É melhor alegrar a Deus do que a nós mesmos. Você tem alegrado a Deus? coloque um sorriso no coração de Deus, Ele merece se alegrar com seus atos, suas obras e seus pensamentos. Aleluia!

Coisas externas, podem prejudicar o relacionamento conjugal

“Que entesourem para si mesmos um bom fundamento para o futuro, para que possam se apoderar da vida eterna.” (1 Timóteo 6.19).

Deus deseja que cada casal, cada família e cada filho não viva no limite, nem de mesquinharia espiritual, mas de abundâncias em todo contexto da vida, a começar pela material e desaguando na espiritual.

Deus quer que cada casal solidifique o seu relacionamento, ou seja, procure estabelecer um bom fundamento para o futuro, para que possa se apoderar da vida eterna. É isso mesmo que o Senhor tem reservado a todos os que o amam.

Satanás com o seu propósito de “…roubar, matar e destruir” (João 10.10) tem arrastado a muitos casais para o labirinto do divórcio. As separações são em série, e os filhos são os mais prejudicados quando se extingue um relacionamento que era sólido e fundamentado na Palavra de Deus.

Não são poucas as coisas externas que surgem no seio da família para prejudicar o relacionamento conjugal. As finanças tem sido talvez, o carro chefe de inúmeros conflitos que culminam na separação dos cônjuges.

Ultimamente tenho aconselhado algumas pessoas e quase todas têm alguma dificuldade com seus filhos. Eu sempre digo que o livre arbítrio Deus deixou para todos. Quando o menino ou a menina, sob a responsabilidade dos pais, vivendo num lar cristão toma um rumo contrário ao que foi ensinado, totalmente o oposto do que está preconizado na Palavra de Deus e se desvia do evangelho, certamente, irão ser cobrados por Deus, infelizmente, os pais sofrem com isso, porém, acalme o seu coração e somente procure orar e amar, não deixando também de mostrar sempre o caminho da salvação.

Não são poucos os fatores externos que influenciam no relacionamento do casal. Hoje, as inovações e as variadas modernidades tecnológicas, tem sido as campeãs para roubarem a comunicação, os bons momentos do casal, de modo, que se tornando uma rotina, o amor irá esfriar, o relacionamento fará naufrágio, os momentos prazerosos tendem a desaparecer, até que irá culminar na separação, e mais uma vez eu digo, os filhos serão os mais prejudicados.

Meu conselho é: Não permita que as coisas externas prejudiquem o relacionamento conjugal de vocês.

O cristão e a coruja!

“Porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas.” (1 Tessalonicenses 5.5).

O apóstolo Paulo é enfático ao se referir à igreja de Cristo, ou seja, aos filhos da luz como sendo do dia e não da noite. A coruja é uma ave que domina a noite. Seus olhos enxergam muito bem na escuridão e sua capacidade de vê no escuro é grande.

O cristão não pertence à noite, mas ao dia. Ele como filho filho da luz tem por obrigação andar na luz. Deve também examinar a si mesmo, porquanto, ele não é mais das trevas, mas da luz, e essa transformação ocorreu quando ele aceitou a Cristo como seu Senhor e Salvador, vindo a ser chamado por Cristo como “luz do mundo”.

A coruja simboliza a reflexão, a sabedoria e nesses quesitos se assemelha ao salvo em Cristo, que é uma pessoa sábia, porquanto tem cuidado de sua vida em todos os contextos, principalmente, o espiritual. Paulo disse: Porque noutro tempo éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor, andai como filhos da luz.” (Efésios 5.8). A coruja é uma ave noturna e nós somos filhos da luz.

A coruja consegue vê o que outras aves e animais da floresta não conseguem. Já o crente em Jesus Cristo, utilizando-se dos dons espirituais deixados por Cristo, tem o privilégio de vê o que outros indivíduos crentes não veem: “Ora, há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade de operações, mas o Senhor é o mesmo.” (1 Coríntios 12.56). São nove os dons espirituais que o Senhor tem reservado para os filhos da luz, bastando tão somente crer, tendo fé para buscar o melhor deles.

A coruja é uma ave silenciosa. Ela fica horas sem emitir um som. O cristão, por sua vez, não pode ficar muito tempo sem silêncio, ele precisa se comunicar, e divulgar as maravilhas do Senhor. O Evangelho é para ser pregado e para isso precisa-se falar, testemunhar e realizar com amor a obra confiada a igreja. Jesus disse aos seus discípulos: “E, respondendo ele, disse-lhes: digo-vos que, se estes de calarem as próprias pedras clamarão.” (Lucas 19.40).

A coruja é uma ave esperta, ambiciosa e goza de uma privilegiada audição. O cristão, não precisa ser esperto também. Jesus disse aos seus apóstolos: “Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos, portanto, sede prudentes como as serpentes e inofensivos como as pombas.” (Mateus 10.16). O crente precisa ser esperto sim, isso no bom sentido da palavra, ou melhor, ser prudente. Não deixando ser enganado por qualquer vento de doutrina. O cristão precisa ouvir mais e falar menos.

Num mundo globalizado em que vivemos faz-se necessário refletir bastante em tudo que nos rodeia; escolhendo para o nosso modus vivendi tudo aquilo que edifica e agrada ao Espírito Santo. Precisamos viver na luz e abandonar tudo o que se relaciona com as trevas. Somos da luz e a coruja da noite.

De onde vem a sua calma?

“Vinde a mim, todos vós que estais cansados e oprimidos, e Eu vos aliviarei.” (Mateus 11.28).

Para muitos, a paz de espírito é oriunda de alguma religião, prática de Yoga, ou meditação em algum livro exotérico e práticas ocultistas. É maravilhoso quando dizemos que a nossa calma é devido a nossa comunhão com Deus e o Seu Espírito Santo.

Outros acham que a calma na vida do homem pode ser fruto de seu envolvimento com a natureza, ou quando pratica alguma atividade como a pesca, a caça, pilota algum barco, ou alguma coisa que lhe proporcione ternura para seu coração, tal como o navegar em algum veleiro ou navio de turismo e num mar tranquilo.

A palavra de Jesus é bem clara: “…Vinde a mim, todos vós que estais cansados…”. As pessoas cansadas, cujas almas estão fatigadas da vida, que perderam a esperança, a paz e a felicidade por algum motivo trágico, esses precisam de alívio, de tranquilidade, e é nesse sentido que Cristo se apresenta para proporcionar o verdadeiro refrigério, capaz de promover gozo na alma.

De onde vem a calma em sua vida? A minha, particularmente, só aconteceu quando um dia aceitei a Cristo como Salvador. Então, Ele entrou em meu coração e me deu de Sua graça, purificou a minha vida e me justificou diante de Deus, perdoando assim todos os meus pecados.

Jesus é o principe da paz: “porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o principado está sobre os seus ombros e o seu nome será Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.” (Isaías 9.6).

Não foram poucas as pessoas que se aproximaram de Jesus, com suas vidas totalmente destruídas, mergulhadas no mar da tribulação, extremamente endemoninhadas, e ao serem libertas por Cristo, ouve paz, calmaria para as suas vidas. Foi o caso do endemoninhado de Gadara em Lucas 8.

Todos nós precisamos de tranquilidade, e muita calma para o homem interior. A paz de espírito só acontece quando o Espírito Santo entra em nossas vidas e nos consola grandemente. Quer ter paz para a sua alma, então, viva na graça de Cristo, não deixe de crer nEle e em sua Palavra e, procure fazer a Sua vontade.

Não terceirize a sua vida, mas viva-a com alegria!

“Porque, sendo livre para com todos, fiz-me servo de todos, para ganhar ainda mais.” (1 Coríntios 9.19).

É preciso que cada cristão encontre uma maneira saudável e estimuladora para viver a vida, de modo que o Espírito Santo, também, tenha participação ativa nela.

Tenho aconselhado a muitos crentes em Jesus Cristo a não abandonarem a fé cristã quando a situação estiver difícil em vários contextos de sua vida. Muitas dessas pessoas chegam ao meu gabinete pastoral preocupadas com o sustento da família, de como se manter firmes na igreja, bem como adquirir algum bem material.

Percebo que grande parte dos crentes de hoje, têm uma preocupação exacerbada com o corpo físico, desde a alimentação até a higidez do mesmo. Não são poucas as academias de ginásticas que foram abertas nessa última década. Tem até igrejas que, na área do templo há lugar para a pratica de variados esportes. São tantas atividades que prendem o homem, que alguns se esquecem até mesmo dos seus compromissos para com a alma, e então, terceirizam a vida, pois, não conseguem mais se reunir em família, nem comparecer com mais frequência à igreja, a comunicação entre os membros da família se traduz em monólogos; o celular por sua vez é o grande vilão que rouba essa oportunidade deixando cada um em “seu mundo”. Se não há comunicação, a comunhão será zero. Tudo isso contribui para terceirizarmos a nossa vida.

Dias difíceis, correria geral. Todos em busca de objetivos puramente materiais. Necessários? Talvez. O certo é que os tidos e havidos como espirituais vão ficando para o final da fila, porquanto, o objetivo maior são aqueles que promovem satisfação para o corpo e não para a alma. Quando isso acontece é porque estamos longe de alcançarmos os alvos espirituais e, por conseguinte, fazermos a vontade de Deus. Buscamos mais as coisas que são terrenas do que as que são celestiais. Jesus certa vez alertou aos seus discípulos: “Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus.” (Colossenses 3.1).

As preocupações terrenas, para muitos cristãos, são intocáveis, inegociáveis, vitais em suas vidas. Na minha visão elas são necessárias, porém, não poderão jamais roubar o tempo de Deus em sua vida. Elas quando são intensas e frequentes, acabam roubando os momentos que você teria com Deus, com sua família, com parentes e amigos e de cuidar de si mesmo, alimentando a alma. O que adianta ganhar o mundo todo e perder a sua alma?

Meu objetivo aqui não é o de podar o seu lazer, o seu entretenimento ou mesmo o seu cuidado específico com seu corpo, mas lhe orientando a você ter mais cuidado com as coisas que irão lhe proporcionar a vida eterna com Deus. As suas atividades não giram em torno, somente, das coisas relacionadas ao seu corpo, mas as que estão ligadas a sua alma, ao seu espirito que irão te aproximar da pessoa do Espírito Santo, para que sua fé seja firme e a salvação garantida no céu.

Hoje em dia, se fala muito em qualidade de vida e quase todos os programas e projetos só visam o corpo físico. Será que estamos dando o real valor ao nosso corpo? Ou esse corpo não precisa de que se cuide também da alma e do espírito que nele existe? Não podemos jamais terceirizarmos a nossa vida. Quando cuidamos e examinamos a si mesmo, é preciso atentar para o corpo, a alma e o espírito. Quer viver a vida sem terceirizá-la? Então cuide bem dessas três partes distintas, as quais daremos conta um dia a Deus.

A beleza está nos detalhes!

“E sucedeu que, depois de muitos dias, a palavra do SENHOR veio a Elias, no terceiro ano, dizendo: Vai, apresenta-te a Acabe; porque darei chuva sobre a terra.” (1 Reis 18.1).

Li esta frase em lide, numa revista no bolsão da poltrona de um avião e fiquei pensando em várias passagens bíblicas e imaginando como efetuamos a leitura diária e não atentamos para os detalhes de cada passagem que lemos. Às vezes abrimos as Escrituras pelo simples fato de ler ou para cumprir o plano de leitura anual, ou mesmo tirar dela alguma mensagem para edificação espiritual ou esboçá-la a fim de abençoar outras pessoas, mas não percebemos a riqueza de detalhes que ela oferece.

No capítulo 17 e versículo 1 diz: “Então, Elias, o tisbita, disse a Acabe: vive o SENHOR Deus de Israel, em cuja presença estou, que nestes anos não haverá orvalho nem chuva, se não segundo a minha palavra.” (1 Reis 17.1). Elias, foi muito ousado em colocar sobre si tão grande responsabilidade. Quando chegamos no capítulo seguinte, Deus desperta seu profeta para comunicar ao rei Acabe que Ele, o SENHOR, iria mandar chuva sobre a terra de Israel.

Elias cumpriu a ordem do SENHOR e disse a Acabe: “… sobe, come e bebe, porque há ruído de abundante chuva.” (1 Reis 18.41). Não havia nuvem nenhuma, mas o homem de Deus já ouvia o barulho da chuva caindo sobre a terra seca.

Mais adiante, no versículo 44, Elias manda seu moço ao encontro de Acabe e dizer-lhe: “…aparelha teu carro e desce para que a chuva não te impeça.” (1 Reis 18.44). A nuvem era apenas do tamanho da mão de um homem, porém, o profeta disse que Deus mandaria uma grande chuva.

“A beleza está nos detalhes”. A pasagem é realmente uma fonte de inúmeros detalhes, os quais servem de lições espirituais para a vida daquele que crer e está atento à leitura. A nuvem do tamanho da mão de um homem, vista pelo moço do profeta, as rachaduras no altar do sacrifício, os reparos feitos neles, os quatro cântaros cheios de água para serem jogadas no rego em volta do novo altar, o fogo descendo do céu e consumindo o holocausto, etc, são detalhes que proporcionam edificação e gozo para a alma.

Deus respondeu as orações de seu profeta, e ainda hoje, responde as nossas, também, pois o milagre só acontece em nossas vidas quando fazemos a vontade do Senhor. A partir de agora, leia a Bíblia com a máxima atenção nos detalhes, pois eles são repletos de lições que edificarão o nosso homem interior. Aleluia!