E todos chegaram à terra a salvo

“E os demais, uns em tábuas e outros em coisas do navio. E assim aconteceu que todos chegaram à terra, a salvo” (Atos 27.44).

 O grande propósito de Deus é que você não morra na praia, mas que consiga chegar a salvo em terra, ou melhor, que alcance o céu, a morada dos salvos em Cristo e viva para todo o sempre ao lado de Deus.

O versículo acima se refere a um naufrágio. No navio havia cerca de 276 vidas e o apóstolo Paulo era um dos tripulantes e viajava como preso.

Depois que o navio ficou destruído ao chocar-se com as pedras da ilha chamada Malta, a tripulação procurou nada até a praia.

A perda da embarcação aconteceu num dia de muita chuva e frio, porém ninguém pereceu nas águas geladas, pois Paulo havia profetizado que todos se salvariam: “Portanto, exorto-vos a que comais alguma coisa, pois é para a vossa saúde; porque nem um cabelo cairá da cabeça de qualquer de vós” (Atos 27.34).

Chovia e fazia bastante frio. Com roupas molhadas, só uma grande fogueira e foi isso que aconteceu: “E os bárbaros usaram conosco de não pouca humanidade, porque, acendendo uma grande fogueira, nos recolheram a todos por causa da chuva que caía e por causa do frio” (Atos 28.2).

Os marinheiros e toda tripulação procurou se agarrar aos destroços do navio a fim de se salvarem e conseguiram, pois chegaram à terra a salvos.

A cena aponta para a nossa vida espiritual. Como já disse, Deus tem o propósito de salvar a todos nós. O pecado é esse grande navio que naufragou, deixando a todos nós sem condições de sobrevivência, a deriva, porém, onde abundou o pecado, superabundou a graça de Deus. O Senhor estendeu as suas mãos e nos ofereceu a tábua da salvação, seu único Filho Jesus Cristo, que morreu na cruz para que fôssemos alcançados pela misericórdia de Deus.

Deus tem oferecido o céu para todos que crêem em Cristo. Só não se salva quem não quer. Nesse naufrágio, não precisa saber nadar, basta tão somente crer em Cristo!

O pouco que você apresentar a Deus se tornará em milagre

“E Eliseu lhe disse: Que te hei de fazer? Dize-me que é o que tens em casa. E ela disse: Tua serva não tem nada em casa, senão uma botija de azeite.” (2 Reis 4.2).

“…tua serva não tem nada em casa…”. Geralmente, a primeira resposta quando a pessoa encontra-se atribulada e em grande aperto no coração é sem dúvida uma resposta cheia de negativismo e pessimismo: “…tua serva não tem nada em casa…”.

Graças a Deus que a frase não terminou ali, mas ela ainda teve condições de acrescentar: “…senão uma botija de azeite.”. Mas, o que é uma botija de azeite para ser vendido e pagar uma dívida tão grande, deixada pelo seu marido que morrera?

Deus não olha para o impossível, para o pouco ou para o tamanho do problema. Ele é o Deus do impossível. Ele tudo pode e tudo faz, basta que tenhamos o mínimo, o pouco e o coração desejoso para ser por Ele abençoado.

Todo que a mulher tinha era um pouco de azeite. E quando ela apresentou a botija ao profeta, este a apresentou ao Senhor Jeová que imediatamente se propôs a atender ao pedido do homem de Deus.

Para que acontecesse o milagre ainda faltava uma coisa: os vasos para pôr o resultado da operação divina. Tão logo os vasos iam chegando, o azeite ia surgindo na botija e imediatamente eram derramados nos vasos e o nome de Deus era glorificado.

Os vasos vazios não foram colocados um ao lado do outro, todos de uma só vez e como um toque de mágica eles foram cheios. Tudo aconteceu com decência e ordem. Vaso vazio, botija cheia de azeite e a mulher derramavam o azeite dentro do vaso e quando ele se enchia, então, ela colocava-o à parte, até que não ouve mais vasos vazios e imediatamente o azeite parou de subir dentro da botija.

Que lição edificante. O azeite não surgiu nos vasos vazios, mas a botija é que era cheia e dali enchia-se os vasos. Hoje, nós somos como essa botija, no principio com pouco azeite, poucas bênçãos. No principio da fé somos pouco usados pelo Espírito Santo, mas depois de adquirir experiência, buscar a santificação, o conhecimento e ser cheio do poder de Deus, então, o nível do azeite (Espírito Santo) começa a subir até atingir a estatura de varão perfeito.

Se você batalha, luta dia a dia com pouco azeite, então, você está correndo sérios perigos. Apresente-se a Deus com o pouco que você tem, de valores e bens espirituais adquiridos mediante a fé, e se coloque diante do Senhor para ser abençoado. Se você é do tipo que perdeu tudo, abandonou a fé, desprezou a igreja, a Palavra e os dons do Espírito Santo recebidos anteriormente, então, volte logo para Deus.

Selecionando as Sementes 2

“…porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.” (Gálatas 6.7b).

O resultado de quem semeia envolvendo Deus é magnífico: “E engrandeceu-se o varão e ia-se engrandecendo, até que se tornou mui grande” (Gn 26.13).

Quando a bênção acontece em nossas vidas, cremos que é consequência da boa semeadura. Algumas coisas se evidenciam para que desistamos de nossa caminhada cristã, de se plantar a boa semente, mas Deus é que nos ajuda a prosseguir para o alvo e nos anima a não desistir de fazer o bem. Se você tem certeza de que está semeando boa semente, e está sofrendo com os ataques de Satanás; lutas, uma atrás da outra, então preste bem atenção nos fatores internos e externos a sua vida, porquanto, a luta é espiritual e é preciso redobrar a vigilância e detectar esses fatores com oração.

Não se prenda ao seu passado, e nem aos erros cometidos anteriormente, e nem nas experiências amargas da vida, mas saibas que todas essas coisas servem pra delas tirarmos lições de vida e prosseguir para o alvo que é Cristo Jesus.

Se você é espiritual, então faça de tudo para não cair no erro, pois Deus não é homem que erre e se deixe escarnecer, todavia tudo que você fizer faça de boa vontade, com o coração, com amor, a fim de colher coisas boas e agradáveis. Se você semear coisas ruins, ceifará coisas horríveis. Porém, se semear boa semente, irá colher coisas agradáveis e edificantes para a sua alma.

Devemos sempre semear no espírito e não na Carne. “Porque o que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no espírito no espírito ceifará a vida eterna” (Gl 6.8).

O que somos hoje é devido ao que fizemos no passado. Nós como crentes em Jesus Cristo, somos os únicos que almejamos ser transformados, todavia, precisamos aceitar a responsabilidade por nossas AÇÕES, pois Deus irá exigir isso de nós um dia: Tanto no “Tribunal de Cristo” (2 Co 5.10) ou no dia do julgamento do “Grande trono branco” (Apocalipse 20.11-15) – Somos nós que devemos decidir.

Na vida só temos duas opções: ou semearmos no espírito e obtermos a vida eterna com Cristo ou semearmos na carne e obtermos a vida eterna sem Cristo, mas na perdição para sempre.

A boa semente deve ser semeada: “Portanto, enquanto temos oportunidade, tempo, façamos o bem a todos, especialmente aos domésticos da fé” (Gl 6.10). Lembre-se: Aquele que semeia com fartura, também colherá fartamente.

O que nós seremos amanhã será devido às decisões que tomamos a cada momento de nossas vidas aqui na terra, no dia a dia. Você hoje tem a oportunidade de escolher um dos dois caminhos, o largo, que leva a perdição eterna, ou o estreito, que o conduzirá às mansões celestiais com Cristo, ou seja, a vida eterna.

“E, todos quantos andarem conforme esta regra (a lei da semeadura), haverá paz e misericórdia sobre eles e sobre o Israel de Deus.” (Gálatas 6.16). Lembre-se vamos semear a boa semente, porque fazendo assim a vitória está garantida no porvir.

Selecionando as Sementes 1

“…porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.” (Gálatas 6.7b).

Glorifico ao Senhor pelo 6º ano em que a ADNB no Riacho Fundo 1, tem se dedicado à evangelização e salvação de vidas, bem como a edificação e enriquecimento espiritual daqueles que ali se congregam e participam ativamente do Corpo de Cristo.

No período de 23 a 25 deste mês a Congregação está em festa. Ela escolheu o tema: Selecionando Sementes, com base no versículo em lide. Ele é bem sugestivo, rico em verdades e ensinamentos bíblicos, pois está presente tanto no Antigo como no Novo Testamentos e está de acordo com a visão evangelística da igreja para este ano, o IDE/2018.

Quem seguir o que está escrito em Gálatas, certamente, estará com seu passaporte em dia para a eternidade, não somente assinado, mas também com o visto em dia para entrar na cidade celestial, onde Cristo é o Rei Eterno. Aleluia!

Existem dois tipos de sementes à luz da Bíblia: a semente do justo e a semente do perverso. A Bíblia diz: “E herdá-la-á a semente de seus servos, e os que amam o seu nome habitarão nela” (Salmos 69.36) – Semente do Justo; “Mas chegai-vos aqui, vós filhos da agoureira, semente de adultério e de prostituição” (Isaías 57.3). Semente do perverso…

A lei da semeadura é imutável, ou seja, o que você planta irá colher com certeza. Paulo ensinou, exortou e admoestou os irmãos na Galácia a fazerem o bem, ou melhor, semear o que é bom a fim de colher coisas boas, edificantes e agradáveis ao Senhor. O apóstolo mostra a importância do princípio da semeadura e da colheita.

Na caminha cristã acontece de maneira semelhante ao que Paulo ensinou: se fizermos coisas boas, então iremos ser agraciados com bênçãos; Se cultivarmos a maldade, então iremos ser alcançados por ela em algum momento.

A boa semente deve ser plantada pela Igreja de Cristo. Quantas sementes deixamos de lançar no solo fértil da Seara, isto porque não amamos a Cristo como deveríamos amar. É preciso que cada crente tenha a coragem de semear o amor, a paz, a bondade, ou seja, praticar com fidelidade o fruto do Espírito: “Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.” (Gálatas 5.22).

Isaque, filho de Abraão semeou a boa semente e colheu bons frutos e o que Deus fez com ele? O abençoou grandemente: “E semeou Isaque naquela mesma terra e colheu, naquele mesmo ano, cem medidas, porque o Senhor o abençoava” (Gn 26.12). (Continua)

Lute pelo seu sacerdócio, não permita Deus te despir as vestes!

“E falou o Senhor a Moisés e a Arão no monte Hor, nos termos da terra de Edom, dizendo: Arão recolhido será ao seu povo, porque não entrará na terra que tenho dado aos filhos de Israel, porquanto rebeldes fostes a minha palavra, nas águas de Meribá. Toma a Arão e a Eleazar, seu filho, e faze-os subir ao monte Hor. E despe a Arão as suas vestes e veste-as a Eleazar, seu filho, porque Arão será recolhido e morrerá ali” (Números 20.23-25).

Que cena triste para Moisés, Arão e Eleazar, filho do sumo sacerdote Arão. Deus não havia esquecido o episódio em Meribá, quando Israel murmurou e Moisés irritado não falou a rocha, mas a feriu duas vezes o que deixou Deus muito triste, pois nem Arão e nem Moisés creram no Senhor: “Então, Moisés levantou a sua mão e feriu a rocha duas vezes com a sua vara, e saíram muitas águas; e bebeu a congregação e os seus animais” (Nm 20 11).

Deus não somente puniu a Arão, mas a Moisés também, porquanto, nem um dos dois o Senhor deixou que entrassem na terra prometida, Canaã.

Arão, certamente, sofreu a maior humilhação de toda a sua vida, visto que, além de ser despido de suas vestes sacerdotais, ele teve que ver seu filho ser vestido de sacerdote por Moisés, além de receber a sentença de morte ali mesmo. Foi um dia muito triste para Arão, para Moisés e para Eleazar.

Meu conselho para ti me irmão e amigo, é para você não deixar de lutar pelo seu sacerdócio, pelo seu ministério recebido do Senhor. Faça de tudo para não permita Deus te despir as vestes, pois quando isso acontece é porque Deus não tem mais interesse na pessoa que Ele tanto confiou e entregou responsabilidades. Tenha muito cuidado quanto a esse assunto, ele é muito sério, não brinque com Deus!

Limpa o prato e vire-o para baixo!

“E estenderei sobre Jerusalém o cordel de Samaria e o prumo da casa de Acabe; e limparei a Jerusalém, como quem limpa o prato, o limpa e o vira para baixo.” (2 Reis 21.13).

Vez por outra alguém reclama que a louça não está totalmente limpa, mas algum prato ou talher ficou engordurado e então, é hora de limpá-lo novamente.

O versículo em lide é de uma riqueza extraordinária: “…limpar o prato e virá-lo para baixo”. Que sabedoria exuberante, fantástica. A nossa vida é bem parecida com esse momento doméstico. Quando pedimos perdão e sentimos os nossos pecados serem apagados, perdoados por Deus, então, deve-se fazer um esforço para não pecar mais, ou seja, tal como um prato devemos ser virados para baixo, ou seja, ser mais humilde, deixar de lado a arrogância e aceitar a ajuda do Espírito Santo. Se o prato ficar virado para cima, e ainda mais molhado, é bem provável que acumule algum tipo de poeira, tão prejudicial à limpeza.

Deus através da simplicidade de Sua Palavra lhe adverte que é preciso você ser virado, ou melhor, começar uma nova vida, um novo capítulo em seu viver cristão. Se você já foi limpo ou passou novamente por uma limpeza e quer prosseguir uma vida de santificação, então você precisa ser virado, dando as costas para o mundo, para as coisas materiais e as concupiscências da carne. O Espírito Santo quer lhe usar de maneira extraordinária, porém, é preciso que você tome a posição de vaso consagrado, útil para uso de Cristo. Se você, por si só não consegue ser emborcado e consequentemente dar as costas para o mundo vil e pecador, então, é hora de buscar ajuda imediatamente. Há homens idôneos, diz a Bíblia, que poderão te ajudar. Não deixe de agir enquanto Deus está te proporcionando reconciliação e restauração. O prumo está em suas mãos e não deixe que Ele coloque o cordel de Samaria sobre a tua vida. Limpa o prato e vire-o para baixo!

Tal como o bufo

“Mas o pelicano e a coruja a possuirão, e o bufo e o corvo habitarão nela; e ele estenderá sobre ela o cordel de confusão e nível de vaidade.” (Isaías 34.11).

Deus no capítulo trinta e quatro de Isaías encontra-se deveras aborrecido e pronto para lançar juízo sobre todas as nações, principalmente sobre Edom. O irmão de Jacó Esaú, por ter uma cor avermelhada, recebeu o nome de Edom.

Os edomitas se recusaram a deixar Israel passar por seu território quando eles pretendiam ir para a terra prometida, Canaã. Este povo, foi subjugado por Davi. No Novo Testamento, a cidade de Edom era conhecida como Iduméia (Mc 3.8). Nos tempos primitivos a cidade era chamada de monte de Seir, e era habitada pelos horeus (Gn 14.6 e Dt 2.12).

Tal como o bufo. O que a Bíblia chama de Bufo? O Bufo nada mais é do que uma coruja grande, é o famoso corujão. As corujas são aves solitárias, discretas e tímidas, as quais foram eleitas pela cultura grega como sendo símbolo da sabedoria e que agem durante a noite. Jesus disse certa vez aos seus discípulos: “… não há doze horas no dia? Se alguém andar de déia, não tropeça, porque vê a luz deste mundo. Mas, se andar de noite, tropeça, porque nele não há luz” (João 11.9,10).

Paulo disse aos tessalonicenses: “Porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas.” (1 Ts 5.5). Que edificante orientação. Verdadeiramente, os crentes em Jesus Cristo não são da noite, como o Bufo, o corujão o é, porém, somos do dia, e quando estamos de dia é mais difícil tropeçar, porque a luz, que é Cristo nos conduz pelas veredas da salvação.

Caso o amado irmão em Cristo e amigo esteja tal como o Bufo, somente vivendo na noite, em plena treva, então é hora de despertar e voltar a ter vida e viver de dia, onde o sol da justiça brilhará sobre a tua cabeça.

Vasos cheios separados dos vasos vazios

“Então entra, e fecha a porta sobre ti, e sobre teus filhos, e deita o azeite em todas aquelas vasilhas, e põe à parte a que estiver cheia.” (2 Reis 4.4).

Eliseu quando recebeu de Elias a função de profeta em Israel, começou seu ministério tendo que enfrentar inúmeros desafios, e um deles, diz respeito ao que está preconizado no capítulo 4 de segundo aos Reis, quando uma mulher, filha dos filhos dos profetas lhe procurou e lhe apresentou um problema aparentemente insolúvel, visto que ela precisava de dinheiro para sanar a dívida deixada pelo marido morto, mas o profeta não tinha a quantia desejada, então, ele lhe pergunta: “… Que te hei de fazer? Dize-me que é o que tens em casa. E ela disse: Tua serva não tem nada em casa, senão uma botija de azeite.” (2 Reis 4.2).

A solução do problema não foi ter vasos vazios em abundância, mas ter um pouco de azeite. Depois que a mulher lhe apresentou o pouco de azeite, então, ele diz: “Então disse ele: Vai e peça emprestado, a todos os teus vizinhos, vasos vazios, não poucas. Então entra, e fecha a porta sobre ti, e sobre teus filhos, e deita o azeite em todos aqueles vasos, e põe à parte os que estiverem cheios.” (2 Reis 4.3,4).

Meu conselho é para você ficar à parte, não se misturar com possíveis vasos, que tem nome de que vive e está morto, ou melhor, vazios. Vasos que não somam e nem multiplicam, só dividem ou diminuem a capacidade espiritual de quem com ele se envolve. São vasos rejeitados pelo Senhor, e que não servem para serem utilizados na Obra de Cristo pelo Espírito Santo. Dos tais, eu te digo, se afaste.

O milagre só aconteceu porque tinha azeite. Mesmo em pequena quantidade, mas havia azeite. O azeite é símbolo do Espírito Santo, logo, faz-se necessário você ser cheio do Espírito Santo. A obra de Deus carece de vasos cheios de amor, de ternura, de disposição para o trabalho evangelístico, cheio de perdão, de paz, de felicidade, de humildade, de sinceridade, de fidelidade e que seja companheiro e amigo. Vasos vazios não reúnem essas qualidades e ainda impedem a nossa bênção diante do Senhor Jesus.

Não se envolva com negócios que possam embaraçar a tua vida material e espiritual. Quem se envolve com vasos vazios acaba em maus lençóis. O profeta disse: “…ponha os vasos cheios à parte…”. E agora? Qual a sua posição? Você vai continuar a seguir, a ouvir, a acompanhar e ter amizade com o vaso vazio? Vazio da graça, do poder de Deus, da unção, de amor, de perdão, de espiritualidade e vazio de Deus. Deus te separou para ser cheio e Ele exige que você esteja hoje transbordante.

Deus não inventa, mas trabalha com o que você tem nas mãos

“E Eliseu lhe disse: Que te hei de fazer? Dize-me que é o que tens em casa. E ela disse: Tua serva não tem nada em casa, senão uma botija de azeite.” (2 Reis 4.2).

É de fundamental importância o cristão não se encontrar diante de Deus com suas mãos vazias, mas ter sempre algo que possa apresentar ao Senhor quando Ele pedir para você apresentar algo para Ele.

Certa vez o pastor de ovelhas Moisés, sogro de Jetro subiu ao monte Horebe e lá contemplou uma cena nunca vista antes. Eli viu um arbusto pegando fogo e o fogo não consumia aquela sarça e ele entendeu que se tratava de algo divino e quando ouviu a voz do Senhor não teve mais dúvidas de que se tratava do Deus de Abraão, o Criador dos céus e da terra.

Quando Deus te chamar tenha sempre algo nas mãos, não se apresente a Ele com suas mãos vazias. Moisés estava no Horebe e Deus disse-lhe: “E o Senhor disse-lhe: Que é isso na tua mão? E ele disse: Uma vara. E ele disse: Lança-a na terra. Ele a lançou na terra, e tornou-se em cobra; e Moisés fugia dela.” (Êxodo 4.2,3). O milagre começa em nossas vidas quando Deus nos chama e temos algo em nossas mãos.

Quando Elias chamou a viúva de Sarepta, ela tinha em suas mãos apenas dois gravetos e um pouco de farinha na panela e um pouquinho de azeite na botija e a partir dali começou o milagre acontecer naquela casa. Diz a Bíblia: “E ela foi e fez conforme a palavra de Elias; e assim comeu ela, e ele, e a sua casa muitos dias.
Da panela a farinha não se acabou, e da botija o azeite não faltou; conforme a palavra do Senhor, que ele falara pelo ministério de Elias.” (1 Rs 17.15,16).

Deus não inventa, mas trabalha com o que você tem nas mãos, lembre-se disso!

Intervenção Necessária!

“Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno.” (Judas 1.7).

O presidente da República pode assinar decreto como medida necessária para promover intervenção federal em qualquer Estado da Federação, porém, mesmo a medida entrando em vigor a partir da publicação em Diário Oficial, o Congresso Nacional precisará votá-la nas duas casas, Senado e Câmara dos Deputados que, após rigoroso exame o Congresso Nacional poderá derrubar o citado decreto presidencial.

O maior interventor de todos os tempos tem nome: O Senhor dos Exército, Rei dos reis e Senhor dos senhores. Não há na face da terra um interventor mais capaz e justo que Deus. Ele mesmo fez a intervenção nas Cidades de Sodoma e Gomorra e, também, nas cidades circunvizinhas, de modo destruiu a todas elas e não pediu licença a ninguém, sabe por que? Porque Deus é o criador de todas as coisas e é quem tem o domínio sobre a vida do homem e todas as coisas que há no céu e na terra.

Quando Deus interviu em Sodoma e Gomorra e demais cidades vizinhas, elas viviam um padrão de sociedade corrupta, pecaminosa, onde as práticas sexuais eram pervertidas, à semelhança do que o apóstolo Paulo escreveu aos Romanos: “Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis. Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si; Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém. Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro. E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm; Estando cheios de toda a iniquidade, fornicação, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade; Sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães; Néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia; Os quais, conhecendo o juízo de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem.” (Romanos 1.21-32).

Que Deus abençoe a intervenção federal no Rio de Janeiro, ilumine o general do Exército Walter Souza Braga Neto, e que haja justiça, e não mortes, chega de violência. É preciso que o amor seja evidenciado na cidade maravilhosa, lugar tão lindo, tão cheio de atração turística, tão querida pelo mundo inteiro e por mim também. Nós que amamos o Rio de Janeiro, vamos interceder por ele, junto a Interventor Mor, Jesus Cristo para que Ele SALVE o povo carioca. Amém!

A igreja precisa está de pé 2

“E era trazido um homem que desde o ventre de sua mãe era coxo, o qual todos os dias punham à porta do templo, chamada Formosa, para pedir esmola aos que entravam.

Esse milagre ocorrido nos dias de Pedro e João, discípulos de Cristo, em Jerusalém, serviu para abrir os olhos de muitas pessoas com relação à salvação em Jesus, porquanto, muitos judeus e povos de outras nações presenciaram o alvoroço feito na cidade quando o esmoleiro, paralítico e que trabalhava pedindo esmola à porta do Templo foi curado.

Assim como ele, encontram-se outros que são paralíticos, não de suas pernas, mas de coração, porquanto, são pessoas que se dizem cristãs, porém, não amam, não ajudam o semelhante, não contribuem para o crescimento do Reino de Deus, não fazem um esforço para ganhar pelo menos uma alma para Jesus, não vivem o evangelho pleno, marcado pelos milagres, pela graça divina e pelo poder de Cristo. São meramente religiosos, que vão ao templo e dele voltam para casa, nada mais. Se não tiver o social em evidência, a igreja não serve para ele e sua família.

Estão mortos na igreja. Estão perdidos na igreja. Estão como aquele paralítico: fora do Templo. Ouvem a mensagem, saúdam as pessoas que entram e saem dele, mas não conseguem andar, ou seja, pregar, ensinar, evangelizar, entregar um único folheto a alguém perdido e necessitado durante a semana, não conseguem se quer ter firmeza em seus pés (fé), mas andam negando o nome de Cristo a todo instante, não tendo assim vida espiritual, mas se enveredam com frequência por caminhos tortuosos, os quais entristecem ao Espírito Santo de Deus.

Se estes tais, que tanto Deus precisa deles, estão com esse imenso problema: a paralisia espiritual, então, o que fazer para engrandecer o Reino de Cristo? Como iremos alcançar o IDE, o mundo sem Deus? como iremos invadir a grande Seara com pouquíssimos obreiros dispostos? Paulo escrevendo aos romanos disse: “Porquanto não há diferença entre judeu e grego; porque um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam. Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas. Mas nem todos têm obedecido ao evangelho; pois Isaías diz: Senhor, quem creu na nossa pregação?
De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus. Mas digo: Porventura não ouviram? Sim, por certo, pois Por toda a terra saiu a voz deles, E as suas palavras até aos confins do mundo.” (Romanos 10.12-18).

A igreja precisa está de pé. Somos templo do Espírito Santo! Eu e você somos a Igreja do Cordeiro. Pense nisto!

Evitando o estrelismo

“Não era ele a luz, mas para que testificasse da luz.” (João 1.8).

É muito comum nas igrejas evangélicas de hoje, o fenômeno chamado estrelismo. Ele está sempre presente na vida de quem “se acha”, porém, geralmente não tem vida espiritual ativa, constante e voltada para a edificação própria e dos outros.

João Batista, foi o chamado arauto do deserto, aquele que recebeu a missão de preparar o caminho do Senhor Jesus. Ele era bastante reservado e pregava o arrependimento. Foi ele quem batizou Jesus Cristo no rio Jordão e disse a celebre frase neo-testamentária: “É necessário que ele cresça e que eu diminua.” (João 3.30). A qual tem se tornado ao longo dos séculos como uma atitude de quem é humilde e não gosta do estrelismo, de trazer a glória e o louvor para si mesmo.

O próprio Jesus Cristo deu um testemunho sobre João Batista dizendo: “E eu vos digo que, entre os nascidos de mulheres, não há maior profeta do que João o Batista; mas o menor no reino de Deus é maior do que ele.” (Lucas 7.28).

O maior nascido de mulher. O maior profeta, porém, no reino de Deus ele era o menor, alguém que sabia perfeitamente se colocar no seu lugar. João não era “o cara”, para ele mesmo, mas um servo que não era capaz de desatar as correias das alparcas de Jesus Cristo: “Respondeu João a todos, dizendo: Eu, na verdade, batizo-vos com água, mas eis que vem aquele que é mais poderoso do que eu, do qual não sou digno de desatar a correia das alparcas; esse vos batizará com o Espírito Santo e com fogo.” (Lucas 3.16).

O estrelismo só causa dissenção, contendas e deixa as pessoas tristes e fracas na fé. É bom que cada cristão siga o exemplo de João Batista e permita que os outros cresçam e que Cristo apareça neles e evitem fazer com que Cristo não seja visto e evidenciado como o Salvador, mas ofuscado pelo “estrelismo” egoísta daqueles que se acham o tal. Lute para não ser estrela, evite todo e qualquer tipo de estrelismo!

Não desanime mãos à obra!

“Fortalecei as mãos fracas, e firmai os joelhos trementes” (Isaías 35.3).

A Bíblia diz que “há amigos mais chegados que um irmão”. Isso é uma pura verdade, porém, há dois grandes amigos do homem na face da terra, os quais não são capazes de o abandonarem jamais, mas podem lhe ajudar nos momentos mais difíceis de sua vida.

Quantas vezes você está passando pelo “vale”, atravessando grandes dificuldades, não somente na área financeira, mas, também, na sentimental e por que não na espiritual? Quantas vezes lhe faltam o ânimo para agir, buscar auxílio do céu, conversar com alguém que lhe dê a mão, porém, a timidez e a vergonha lhe impedem.

Muitas vezes você não sabe o que fazer, e não descobre o caminho, a saída para o sucesso, a vitória, e o pior, não lança mão de seus dois melhores amigos na face da terra.

Amigos que jamais lhe abandonará, em nenhum momento, porque, já no ventre de sua mãe eles faziam parte de sua vida. Talvez você me diga: Pastor Orcélio, me fala logo quem são esses meus amigos? Acalme-se, pois, vou te responder: O joelho direito e o joelho esquerdo. Eles juntos, somados com a sua disposição e força de vontade para vencer, serão decisivos para virar a mesa, e fazer de você um vitorioso em Jesus Cristo.

Use os seus joelhos para ganhar as batalhas espirituais. Não desanime jamais, mãos à obra, siga avante e seja um vitorioso, uma vitoriosa em Cristo!

Segure tudo o que for conquistado na cruz do Calvário.

“Guarda o bom depósito, mediante o Espírito Santo que habita em nós” (1 Timóteo 1.14).

Quantas coisas você tem conquistado pela fé e quantas você tem deixado de adquirir? Quantos sonhos não foram ainda realizados? E outros já não estão em sua tela do radar, porquanto, o desânimo e o desinteresse pelas coisas de Deus não lhe permitem mais correr em busca deles? Saiba que isso não é bom e, também, não é o fim de tudo, creia no Deus que tudo pode e tudo faz: Jesus Cristo.

Paulo ao aconselhar Timóteo, ele disse: “Guarde bem o bom depósito”. Timóteo deveria preservar e redobrar a vigilância para não deixar o inimigo efetuar seus assaltos, roubando-lhe as dádivas adquiridas desde o dia da conversão.

Timóteo conhecia bem essas dádivas: a fé, a paz, o amor, a justificação, a regeneração, a santificação, bem como as doutrinas e dons espirituais, recebidos diretamente de Cristo e de Paulo. Timóteo agora recebia a determinação para ensiná-los a homens fiéis e idôneo, capazes de se tornarem líderes diante do rebanho de Cristo (2 Tm 2.2).

Com o novo nascimento, se inicia uma nova fase do viver cristão, tudo passa a ser novidade, a começar pela alimentação à base da Palavra de Deus: as “coisas velhas ficam para trás e tudo se faz novo”. Os atos, as boas maneiras são então, evidenciados, ele adquire a mente de Cristo e é chamado de cristão. Os valores morais são então aperfeiçoados até alcançar a “estatura de varão perfeito”. O homem interior é aprimorado de modo que o Espírito Santo faz nele morada. O coração começa a armazenar riquezas espirituais de verdade: paz, amor, gozo inefável, dons do Espírito, etc.

E mais, a sua responsabilidade aumenta à proporção que ele vai angariando experiências e experimentando seus talentos na obra de Deus. Ele com a bagagem adquirida aos pés de Cristo tende a se tornar um zeloso despenseiro das dádivas recebidas e com naturalidade procurará ensinar a outros o caminho da verdade, “a tempo e a fora de tempo”, de modo que Jesus passa a lhe conceder poder e autoridade para testemunhar de tudo quando ouviu e viu acerca dEle.

Conservar as riquezas oriundas do Senhor é um exercício constante, pois o inimigo lutará para pôr as suas mãos nelas, mas, se o cristão orar, jejuar, vigiar, ler e meditar na Bíblia, ser assíduo aos cultos, se envolver com sabedoria na obra evangelística e lutar com todas as armas espirituais para ser um vitorioso na fé, então cumprir-se-á a seguinte palavra em sua vida: “… e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém” (Mt 28.18-20).

Guarda o que tens para que ninguém tome a tua coroa. Guarde sim o bom depósito recebido, retenha-o firme, com segurança, pois nele há as bênçãos conquistadas, as quais Cristo ganhou-as na cruz do calvário. Amém!.

Uma mobília simples, porém, eficaz

“Façamos-lhe, pois, um pequeno quarto junto ao muro, e ali lhe ponhamos uma cama, uma mesa, uma cadeira e um candeeiro; e há de ser que, vindo ele a nós, para ali se recolherá” (2 Reis 4.10).

Sunamita não é um nome próprio, mais de alguém que morava na cidade de Suném. Assim como Bartimeu (no aramaico: filho de Timeu) um cego mendigo a quem Jesus restaurou a vista.

Quando temos confiança no Senhor, não conseguimos pronunciar palavras de desânimo, nem temos desilusões e muito menos ver as coisas a olho nu, pela razão, mas sim pela fé. Pela fé, ainda que tudo esteja dando errado. O patriarca Jó disse: “Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra” (Jó 19.25).

A mulher tinha a plena convicção que no homem de Deus estava a solução dos seus problemas. Mobílie a sua vida com uma mobília simples, porém eficaz, de modo a oferecer ao Espírito Santo um ambiente saudável a fim de que ele possa lhe usar de maneira poderosa na obra de Deus.

Quatro peças são fundamentais para você mobiliar a sua casa espiritual: cama, mesa, cadeira e candeeiro. Cada peça dessa mobília tem um significado espiritual, e se você souber usá-las, poderá dizer, nos momentos difíceis da vida como disse a mulher de Suném: “…vai tudo bem!”.

A cama é para o descanso, e nisso não se pode relaxar. O profeta Isaías disse: “Ele entrará em paz, descansarão nas suas camas os que houveram andado na sua retidão”. Quem anda com negócios escusos não pode ter sossego, tranquilidade, mas deita em sua cama e têm pesadelos, a cama não lhe traz descanso.

A mesa fala de comunhão, de refeição, etc. O salmista disse: “Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos….”. Não lute com o inimigo se não tiver bem alimentado da Palavra de Deus. Jesus o venceu quando foi tentado no deserto usando a Palavra.

A cadeira é outro utensílio importante e fala de trabalho, de autoridade e poder. Onde está a tua cadeira? Não permita que Satanás lhe tire a sua cadeira, a sua oportunidade de trabalhar, e exercer o seu poder.

E por fim o candeeiro fala de luz, de brilho, de santidade e pureza. O azeite colocado no mesmo tinha que ser um azeite puro. Cuide melhor de sua vida espiritual. Você é a luz do mundo. Brilhe e o inimigo ficará incandescente.

Há quanto tempo Deus não te visita?

“Visitou, pois, o Senhor a Ana, que concebeu, e deu à luz três filhos e duas filhas; e o jovem Samuel crescia diante do Senhor.” (1 Samuel 2.21).

O salmista no Salmos 80 faz um apelo para que o Senhor Deus de Israel visite o seu povo, pois eles estão sendo oprimidos pelos povos estranhos e circunvizinhos, de modo que não conseguem respirar o puro ar. O salmista compara os eleitos de Deus a uma vide que está devastada pelos povos gentios, e que com frequência é queimada pelo fogo. O salmista clama para que o Senhor, que é o dono da vinha, lance mão do filho do homem (Jesus Cristo) que está a sua destra.

Veja a beleza e profundidade de parte deste Salmo: “O javali da selva a devasta, e as feras do campo a devoram. Oh! Deus dos Exércitos, volta-te, nós te rogamos, atende dos céus, e vê, e visita esta vide; E a videira que a tua destra plantou, e o sarmento que fortificaste para ti. Está queimada pelo fogo, está cortada; pereceu pela repreensão da tua face. Seja a tua mão sobre o homem da tua destra, sobre o filho do homem, que fortificaste para ti.” (Salmos 80.13-17).

É muito maravilhoso quando o homem recebe a visita de seu Deus e com Ele trava o diálogo e recebe dEle orientações que produzem vida e vida em abundância.

Ana, uma mulher que não conseguia conceber, ter filhos, um dia orou com pureza da alma e convicção e fé, de modo que o Senhor atentou para sua petição e lhe concedeu não somente ao seu primogênito Samuel, mas teve outros filhos: “Visitou, pois, o Senhor a Ana, que concebeu, e deu à luz três filhos e duas filhas; e o jovem Samuel crescia diante do Senhor.”

É muito glorioso quando o homem recebe a visita de seu Deus. E você, tem recebido a visita do Espírito Santo? Moisés dizia que, quando Deus deixa de falar com o homem, este morre. E você está vivo ou morto espiritualmente falando? Deus tem falado com você? e você tem falado com Deus? Como está a sua vida espiritual?

O sacerdote Zacarias, em seu lindo cântico profético e de louvor a Deus disse: “Bendito o Senhor, Deus de Israel, porque visitou e remiu o seu povo! E nos levantou uma salvação poderosa na casa de Davi, seu servo.” (Lucas 1.68,69). Deus visitou a Zacarias e você, tem recebido a visita de Deus?

A igreja precisa está de pé 1

“E era trazido um homem que desde o ventre de sua mãe era coxo, o qual todos os dias punham à porta do templo, chamada Formosa, para pedir esmola aos que entravam.

Talvez para aquele paralítico, o seu real problema não seria o de salvação, porquanto, ele estava sempre ali à porta chamada Formosa, e ouvia as pessoas comentarem sobre o que rolava lá dentro do templo. Seu maior problema é que ele não podia entrar, pois precisava de esmolas para o seu sustento todos os dias e o melhor lugar para um esmoleiro era onde ele havia se consagrado, à porta do Templo.

Está fora do templo era necessário para ele, porém, não era o que sua alma, seu coração pedia, pois ouvir Deus, sentir Deus, e se relacionar com pessoas fervorosas de espírito, seria muito melhor, mas as circunstâncias o impediam de ser totalmente feliz.

O problema do paralítico, não era de salvação, pelo menos é o que acho, pois, se ele não amasse a Deus e não conhecesse ao Senhor, quando ele foi curado com a autoridade de Pedro e o poder de Cristo, ele teria ido imediatamente para sua casa, no entanto, ele entrou no Templo, pulou, glorificou ao Senhor e louvou a Deus, de modo, que muitas vidas, após o sermão de Pedro se converteram ao Evangelho do Senhor Jesus Cristo.

O problema do paralítico é que ele estava à porta do Templo, prostrado, sendo carregado, todos os dias, pelos seus amigos e parentes, e, além do mais, sem poder andar e entrar no santuário para louvar e engrandecer o nome de seu Deus.

Quando o milagre chegou em sua vida, pelo menos algumas coisas aconteceram que o fizeram despertar e motivar a outras pessoas que frequentavam aquele recinto religioso: Ele entrou no templo; ele andou, ele saltou, ele louvou a Deus e se apegou aos discípulos Pedro e João, como quem não queria se afastar deles, mas se colocar para fazer algo para Deus ou mesmo segui-los como discípulo.

Vejamos o relato do evangelista Lucas em Atos: “E, tomando-o pela mão direita, o levantou, e logo os seus pés e artelhos se firmaram. E, saltando ele, pôs-se em pé, e andou, e entrou com eles no templo, andando, e saltando, e louvando a Deus. E todo o povo o viu andar e louvar a Deus; E conheciam-no, pois era ele o que se assentava a pedir esmola à porta Formosa do templo; e ficaram cheios de pasmo e assombro, pelo que lhe acontecera. E, apegando-se o coxo, que fora curado, a Pedro e João, todo o povo correu atônito para junto deles, ao alpendre chamado de Salomão.” (Atos 3.7-11).

Quantos cristãos estão fora dos templos? Longe de Deus e até mesmo de tudo o que se relaciona com a obra de Deus? Estão mortos na igreja. Estão perdidos dentro das igrejas em que congregam. Não se acharam ainda e, como a nau sem leme, navegam de um lado para outro, não têm identidade e não são líderes e nem servem para ser liderados, pois mergulharam na famigerada fraqueza espiritual.

Estes tais, não ouvem mais a voz do Espírito Santo. Não creem mais em visões, nem em revelações, nem tão pouco em profecia. Os dons espirituais não existem para eles, logo, a Bíblia não é mais o seu manual de fé e de conduta. É muito triste este quadro espiritual, mas é a realidade desses dias que antecedem a volta de Jesus Cristo para buscar a Sua igreja.

Se estes tais, que tanto Deus gostaria de usá-los, não encontram ânimo, disposição e motivação para fazerem o Reino de Cristo crescer, se multiplicar com a salvação de vidas, então, que iremos fazer? Eu e você, cruzaremos os braços como eles? Ou enfrentaremos os desafios como enfrentaram Esdras e Neemias em seu tempo?

Sim, os dias são maus, o tempo é difícil, mas o Senhor Jesus não mudou e não mudará jamais, vamos prosseguir avante e lutarmos como bravos guerreiros. Jonatas e seu pajem de armas venceram uma guarnição de filisteus sozinhos, e isso se deu porque eles tiveram coragem e foram ao encontro do inimigo. E, eu e você, que faremos? Vamos está de pé e deixar o Espírito Santo nos usar! Aleluia!

Gerando filhos para Deus

“E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda criatura.” (Marcos 16.15).

A verdadeira igreja de Cristo, que vive seus últimos momentos aqui na terra, antes do Arrebatamento, não pode está presa, ou mesmo em entretenimento dentro dos templos, onde quase não há trabalho evangelístico para ser realizado. Fora dos templos é onde a coisa está feia, como dizem os jovens, onde “o bicho está pegando”, onde Satanás está absolutamente solto e fazendo vítimas a cada minuto.

A igreja do Senhor Jesus precisa se mobilizar e avançar Seara adentro, em busca de arrebatar alguém do fogo do inferno. O apóstolo Judas diz: “E salvai alguns com temor, arrebatando-os do fogo, odiando até a túnica manchada da carne.” (Judas 1.23).

Olhando pelos olhos da fé, vemos um povo, uma nação com mais da metade de sua população envolvida numa festa que não louva e nem agrada a Deus, o carnaval. Festa onde as pessoas pensam que estão se divertindo, mas enganam a si mesmo, pois estão é entristecendo ao Senhor Deus.

É preciso que cada crente gere filhos para Deus. Deus não necessita de grávidas no céu. Precisamos dar à luz, gerar filhos espirituais aqui na terra, porquanto, o mundo está perdido, pervertido, envolvido na corrupção e no pecado, e é preciso que eu e você tenhamos compaixão dessas vidas perdidas e sem salvação.

Jesus ficou cerca de três dias dentro do Templo em Jerusalém, e durante aqueles dias ele pregou e ensinou a Palavra a todos quantos estavam ao seu alcance, principalmente, os doutores da Lei de Moisés, dentre eles fariseus e saduceus. E você, o que tem feito para Deus onde você se congrega?

Nos dias de hoje, há crentes que não conseguem se achar dentro dos templos evangélicos, estão cada vez mais perdidos e sem rumo em suas vidas: não sabem se cantam, se participam de algum grupo ou departamento, se fazem algum curso de teologia, se têm alguma chamada, ou até mesmo vocação divina, em fim, estão perdidos no meio da igreja. É uma pena, pois só vamos descobrir o real sentido do Evangelho de Cristo quando começarmos a ganhar vidas para o Reino de Deus; quando entrarmos em ação e explorarmos a grande Seara e pregarmos conforme manda as Escrituras Sagradas. É enfrentando o Diabo que iremos ganhar experiências de vida cristã. E, certamente, iremos gerar filhos espirituais para o Reino de Cristo.

Seus problemas, Deus os conhece muito bem!

“E Deus, que conhece os corações, lhes deu testemunho, dando-lhes o Espírito Santo, assim como também a nós.” (Atos 15.8).

O coração do homem é como uma terra desconhecida que ele próprio não o conhece, mas, somente o Senhor Deus. Este, é quem sonda a profundeza da alma e por isso sabe muito bem quais são as intenções do espírito: “E aquele que examina os corações sabe qual é a intenção do Espírito; e é ele que segundo Deus intercede pelos santos.” (Romanos 8.27).

É maravilhoso o Deus a quem sirvo, pois Ele tem o poder e a autoridade de sondar o meu homem interior e, tendo algo imperfeito e lhe contrariando, Ele logo sinaliza através da pessoa do Seu Espírito Santo, que tem a capacidade de “convencer o homem do pecado, da justiça e do juízo”, evitando assim que Seus filhos caiam nas garras de Satanás, o inimigo número um da Igreja de Cristo.

Sendo Deus conhecedor dos seus e dos meus problemas, então, é aconselhável que se mantenha um diálogo sincero e fidedigno com Ele, a fim de obtermos dEle o perdão, porém, faz-se necessário confessar todos eles ao Senhor. A Bíblia diz: “Se confessarmos os nossos pecados, ele É fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.” (1 João 1.9).

Deus conhece os corações, então, não adianta fugir, encare Deus e confesse suas iniquidades a fim de que Ele lhe conceda o perdão e você seja feliz nesta vida e alcance a salvação na vida vindoura.

A própria Bíblia diz: Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto.” (Salmos 32.1). Amém!

Se uma fonte de água já é algo bom, imaginem doze!

“Então vieram a Elim, e havia ali doze fontes de água e setenta palmeiras; e ali se acamparam junto das águas.” (Êxodo 15.27).

Em Elim, o povo conduzido por Moisés acampou pela segunda vez desde que saíram do poder e jugo egípcio.

O povo judeu havia tido a primeira experiência, a falta de água doce, mas Deus mandou Moisés cortar uma árvore, e lançar nas águas, e quando o líder hebreu cumpriu a ordem de Deus, as águas tornaram-se em fonte de águas doces: “E ele clamou ao Senhor, e o Senhor mostrou-lhe uma árvore, que lançou nas águas, e as águas se tornaram doces. Ali lhes deu estatutos e uma ordenança, e ali os provou.” (Êxodo 15.25). Não se sabe que árvore foi essa, mas somente que houve um milagre.

O povo de Israel precisou de doze fontes e 70 palmeiras para se refrescarem do grande calor do deserto. A Igreja de Cristo só precisa de uma única fonte para está à sombra do Onipotente, e essa fonte é o Seu Filho Unigênito, Senhor Jesus: “Mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna.” (João 4.14). O próprio Cristo foi quem falou à mulher samaritana que a única fonte capaz de produzir a salvação, a alegria eterna da alma, seria Ele mesmo.

A mulher quando tomou da água da vida, saiu correndo pelas ruas de Samaria dizendo a todas as pessoas que encontrava pela frente que havia encontrado o profeta prometido nas Escrituras, o Messias, cuja fonte salta para a vida eterna.

Para o povo de Deus, doze fontes foram necessárias, porquanto, havia doze tribos sedentas, mas para a Igreja de Cristo, somente uma única fonte é necessária, e essa fonte é o Senhor Jesus. É Ele que salva, que cura, liberta e dá ao homem condições de vida Eterna. Fique com esta fonte, eu bebi dela e estou feliz até hoje! E você?