Não durma durante o culto de louvor a Deus!

“E havia muitas luzes no cenáculo onde estavam juntos. E, estando um certo jovem, por nome Eutico, assentado numa janela, caiu do terceiro andar, tomado de um sono profundo que lhe sobreveio durante o extenso discurso de Paulo; e foi levantado morto. Paulo, porém, descendo, inclinou-se sobre ele e, abraçando-o, disse: Não vos perturbeis, que a sua alma nele está.” (Atos 20.8-10).

Paulo havia se juntado com seus discípulos e os crentes de Trôade, interessados em ouvi-lo e naquele dia celebravam a Santa Ceia do Senhor (“E no primeiro dia da semana, ajuntando-se os discípulos para partir o pão, Paulo, que havia de partir no dia seguinte, falava com eles; e prolongou a prática até à meia-noite.” (Atos 20.7), o culto demorou de verdade, e durante o sermão de Paulo, que foi excessivo, a fim de explanar as Escrituras e falar de Jesus Cristo, um jovem caiu do terceiro andar do local do culto e a correria foi grande.

Algumas coisas são prejudiciais à saúde espiritual, tais como: deixar de ir aos cultos, não participar ativamente da Escola Bíblica Dominical, tão edificante e essencial para quem quer crescer no conhecimento e na fé cristã; deixar de se envolver nas variadas atividades que a igreja promove e executa ao longo do ano; deixar de orar com frequência em casa e também nos grupos de oração da congregação onde você congrega; deixar de pregar e exercer o amor cristão; não ter interesse pelas coisas de Deus, nem reverência quando está participando de um culto de louvor e adoração ao Senhor, em fim, são muitas coisas que são vitais para se manter espiritualmente bem e fazer a vontade de Deus.

Estamos iniciando o ano e cada crente em Jesus Cristo precisa fazer um propósito com Deus de modo a se manter avivado e cheio de fé e disposição o ano todo. Quando participamos ativamente dos cultos, absorvendo todas as palavras que o Senhor fala a você, quer seja exortação ou mesmo admoestação, então, dificilmente você dormirá durante o mesmo. Mantenha-se alerta e desfrute da boa e agradável Palavra de Deus que é pregada e ensinada durante os cultos. Amém!

Tome o remédio na dose correta!

“O coração alegre é como o bom remédio, mas o espírito abatido seca até os ossos.” (Provérbios 17.22).

É muito prazeroso quando a alegria chega ao coração e ali permanece continuamente, dando adeus a toda e qualquer tristeza da alma. Ser alegre é um privilégio de todo cristão, bastando tão somente ter comunhão com o Espírito de Deus, o Espírito Consolador e que nos dá alegria. O salmista diz: “Tornaste o meu pranto em folguedo, desataste o meu pano de saco, e me cingiste de alegria.” (Salmos 30.11). É assim que Jesus Cristo faz com aqueles que o aceitam e fazem a Sua vontade.

Semana passada, fui tentar tomar a vacina contra a febre amarela e o agente de saúde me informou que eu já estava imune e que não precisaria mais tomar a vacina, mesmo tendo o registro de que a havia tomado a cerca de dez anos atrás.

O que eu quero dizer com isso? É que algumas pessoas estão morrendo porque tomaram a vacina, e não necessitariam tomá-la, porém, devido o medo e a tensão causada pelo surto de mortes e muitos irem viajar para áreas tidas e havidas como de risco, estão se precavendo e com isso a correria está sendo grande nos postos de vacinação.

É preciso que a medicação tenha o acompanhamento médico. Há inúmeras pessoas que se automedicam e às vezes excedem na dosagem e acabam passando mal e outras chegam a falecer. O remédio na dosagem certa traz benefício, mas ao contrário, pode ser um grande problema para a saúde.

Na vida cristã acontece o mesmo. As pessoas ao lerem e meditarem na Bíblia ou tiram dela coisas de menos ou coisas demais. A Bíblia não precisa de remendos, nem de interpretações além daquilo que está revelado e comprovado pelas regras da hermenêutica. Há muitas pessoas que não conseguem se enquadrar na medida certa que a Bíblia exige, e outros há que só se utilizam dela para tirar somente o que agrada ao seu coração, por isso, não usam nem ela em sua totalidade, mas se alimentam daquilo que está contido nas “caixinhas de promessas”.

É preciso que cada cristão tome da fonte sagrada na dose certa. Não queira interpretá-la nem para mais e nem para menos. Saiba que há muitas coisas que não foram reveladas ao homem e por isso, temos que nos contentar, não inventando nada e nem dizendo que “Deus me revelou”. Tome o remédio na dose correta e terás saúde. Tome da fonte sagrada na dose certa e terás saúde espiritual para ti e para os seus familiares e quem de você se aproximar buscando saber mais de Deus. O coração alegre é como um bom remédio, diz as Escrituras.

“Vamos assistir ao Culto hoje!”

“Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos E seja achado nele, não tendo a minha justiça que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus pela fé.” (Filipenses 3.9).

Essa expressão “vamos assistir ao culto hoje!” é muito comum de ser ouvida entre os membros de inúmeras famílias cristãs, principalmente, os mais jovens. Na verdade, há muitos crentes em Jesus Cristo que vão ao culto evangélico para somente assisti-lo, e não para participar ativamente do mesmo.

Ir ao templo, ou ir “à igreja”, como se fala comumente, não quer dizer que a pessoa vá e participe ativamente do trabalho ali realizado. Há alguns que não conseguem permanecer as duas horas dedicadas ao louvor e pregação no interior do templo; se permanecem, alguns não conseguem ficar calados em estado de reverência, mas conversam o culto inteiro e, outros, há que se distraem com alguma coisa que, geralmente, atrapalha o vizinho do lado de cultuar ao Senhor em espirito e em verdade.

Outro dia, sentei-me com meu neto e fomos montar o quebra-cabeça. Confesso que, depois de colocarmos unidas seis peças, não havia identificado ao certo qual era a gravura. Semelhantemente, acontece com aqueles que não conseguem fielmente participar de forma total de um culto de louvor e adoração ao Senhor. Quando participam dos primeiros momentos, saem, para algum lugar externo ao templo, justamente no momento do louvor e só retornam quando o mensageiro já iniciou o seu sermão.

Outros, com o espirito mais jovem, conseguem participar de forma eficaz do louvor, mas na hora do alimento espiritual através da mensagem bíblica, acabam desaparecendo nesse período e só retornando ao interior do templo no momento da bênção apostólica. Esses tais assistem de maneira interrupta ao culto e não de forma ininterrupta dando sua contribuição, ouvindo plenamente a mensagem e interagindo de maneira humilde e cordata de todas as etapas liturgia proposta para o culto.

Outros são realmente impecáveis, não saem por nada do templo, além de chegarem alguns minutos antes de começar o culto, são deveras participativos, só negligenciam na hora do ofertório, pois, dificilmente trazem alguma oferta para abençoar a obra de Deus e com isso, acham-se deveras participativos do culto de louvor a Deus. Na hora do ofertório estes, não tem participação no culto, é como um corte que se dá numa cena de um filme. Nesse instante, em que não participo do ofertório, eu estou assistindo ao culto e não participando ativamente dele, logo, ao final do mesmo, a visão que fica diante de Deus é que participei do culto, não por inteiro, mas teve parte dele que somente assisti, pois tive que ver as pessoas adorando ao Senhor com seus dízimos e ofertas e eu, não.

É bom que não somente se assista aos cultos, mas participe ativamente do mesmo. Vamos lutar por isso!

A síndrome da caixinha de promessas

“Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça.” (2 Timóteo 3.16).

Jesus é o primeiro a dar o exemplo de que é preciso guardar bem TODA a Escritura, e não somente parte dela. Quando eu lanço mão da caixinha de promessas, geralmente, eu não encontro ali os versículos admoestativos, corretivos, punitivos, que expressam algum juízo de Deus para a minha vida e de minha família, mas somente, versículos exortativos (que produzem alegria) que só alegram a alma e não proporcionam nenhum tipo de ajuste moral ou mesmo espiritual, os quais muitas vezes são necessários à pessoa que lança mão da famigerada caixinha.

Eu não sou a favor da pessoa comprar este tipo de utensílio, porque muitos que a adquirem acabam transformando-a em amuleto. Para quem não sabe, amuleto é um objeto que alguém guarda consigo e que acabam atribuindo virtudes sobrenaturais de defesa contra doenças, feitiços, desgraças e algum tipo de malefícios.

Outro dia, cheguei em um lar de uma família evangélica, e após a oração foi me apresentada uma caixinha para que eu pudesse tirar um versículo e assim, todos que ali estavam deveriam fazer o mesmo. Então, tive que lhes ensinar sobre a verdadeira caixa de promessas, ou melhor, sobre TODA a Bíblia. As promessas e orientações para a vida estão nas Sagradas Escrituras: “E, começando por Moisés, e por todos os profetas, explicava-lhes o que dele se achava em todas as Escrituras.” (Lucas 24.27). É em TODA a Bíblia e não somente em alguns versículos pré-escolhidos.

Quando temos o conhecimento de TODA a Escritura somos mais do que abençoados. Timóteo foi instruído por sua avó e sua mãe sobre TODA a Escritura e foi alguém útil ao Evangelho de Jesus Cristo: “E que desde a tua meninice sabe as sagradas Escrituras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus.” (2 Timóteo 3.15). Quando eu me apego a caixinha de promessa, eu não sou admoestado por Deus e não tomo conhecimento daquilo que Ele realmente quer para a minha vida, pois na citada caixinha só há versículo que agradam a pessoa e não o corrige.

Compre uma Bíblia este ano e leia TODA ela. Evite se apegar ao conteúdo das caixinhas de promessas, pois, tal prática poderá virá uma rotina, um vício, uma dependência e isto, é pecado.

Não deixe a sua congregação, sua igreja

“Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros…” (Hebreus 10.25).

A Bíblia é muito clara quando admoesta aos filhos de Deus quanto ao não deixar o local onde congregam, pois é de fundamental importância a identidade da pessoa com o local onde congrega, não só pela doutrina que recebe, mas também pela maneira como exerce a sua identidade de cristão no mundo.

Quando a Bíblia diz, no verso em lide, para não deixarmos a nossa congregação, esta pressupondo que cada crente em Jesus Cristo deve ter o compromisso com a igreja onde congrega, seja Sede, ou seja, a Congregação. O próprio versículo mostra que tal compromisso resulta em benefício para a pessoa que se congrega. A chave está na expressão “admoestando-nos uns aos outros”. A igreja local propícia as oportunidades para que cada crente seja ajudado e possa ajudar aos demais irmãos;

A igreja, qualquer que seja a denominação, principalmente o pastor dela, com frequência está admoestando seus membros a não deixarem a congregação, mas lutar por ela, pelo seu crescimento, pela sua edificação, zelar por tudo o que a ela pertencer e que adote princípios, os quais irão melhorar e muito a sua saúde espiritual, vejamos alguns deles:

– Ler a Bíblia completa quantas vezes lhes sejam possíveis ao longo da vida, lendo-a todos os dias, tirando para si o alimento necessário à vida espiritual;

– Dedicar, pelo menos, vinte minutos de tempo de cada dia à oração;

– Participar de pelo menos, uma reunião de oração da igreja local a cada semana;

– Participar de pelo menos, uma reunião semanal de estudo bíblico (culto de ensino) da igreja local);

– Participar assiduamente da Escola Bíblica Dominical (EBD) e se possível se matricular no Seminário Teológico caso exista na igreja ou não;

– Participar de pelo menos, um grupo de crescimento espiritual, quer seja Conjunto; Coral, Orquestra, etc.;

– Tomar conta de uma pessoa da igreja, para orar por ela, interceder por sua família e também eleger o pastor e a sua família para por eles orarem, jejuarem e assisti-los, porquanto, eles precisam do amor e carinho da igreja;

– Contribuir, fielmente, para a vida financeira da igreja local, a fim de que nada falte administrativamente falando e também, o pastor poder ajudar à obra missionária.

Adotando esses princípios acima, certamente, seremos muito mais úteis e eficientes instrumentos de Deus como indivíduos e como igreja do Senhor Jesus Cristo.

Se tu estás em Deus, Ele também estará em você!

“Que diremos, pois, a essas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? (Romanos 8.31).

Quando se lê na Bíblia os Evangelhos e também o livro de Atos dos Apóstolos, percebe-se nitidamente que aqueles que seguiam a Jesus Cristo, e com Ele aprenderam as Escrituras, principalmente, os seus Discípulos, tinham fé e nela andavam confiantemente, sem se preocupar muito com o que o inimigo pudesse investir contra eles.

Os Discípulos de Jesus e, mais especificamente, seus apóstolos, não tinham tanto medo da morte como os que se dizem cristãos no mundo moderno. A Bíblia é bem clara: “…Se Deus é por nós, quem será contra nós? – Quem assim falou foi o apóstolo Paulo, que sofreu grandemente as intempéries desta vida, desde assaltos a naufrágios, em navios de madeira que se despedaçou em pedras não restando nada da embarcação e no entanto, ele sobreviveu.

Ora, se Deus é realmente por nós, então, não temos nada o que temer nesta vida. Para que esta palavra se cumpra em nós, faz-se necessário andarmos com Deus, viver o Evangelho de Cristo e ter comunhão com o Espírito Santo. Não basta somente dizer que é um cristão, mas tem que viver como cristão, andar como crente fiel e obediente ao Senhor, ter uma vida de santidade e amar as pessoas conforme os mandamentos bíblicos.

Assim procedendo, o Senhor, certamente, estará garantindo a tua vitória. Se tu estás em Deus, Ele também estará em você! Creia nisso!

Este ano de 2018 é o ano das provas!

“Então disse o Senhor a Moisés: Eis que vos farei chover pão dos céus, e o povo sairá, e colherá diariamente a porção para cada dia, para que eu o prove se anda em minha lei ou não.” (Êxodo 16.4).

Neste ano de 2018, creio que muitos concursos irão se abrir em vários Órgãos do Governo, a fim de completar as inúmeras vagas que estão faltando no Serviço Público. Trata-se de uma maneira de provar as pessoas se elas têm ou não capacidade para enfrentar as futuras funções e cargos à disposição da comunidade.

Sempre que posso, incentivo as pessoas a se prepararem melhor para enfrentarem as baterias de provas, cujos conteúdos são motivos de editais espalhados por todo o Brasil. É muito bom quando alguém estuda, se prepara bem e no fim é aprovado com êxito e mérito num concurso público.

Da mesma maneira ocorre na vida espiritual. Enquanto Satanás tenta as pessoas, Deus as prova para saber se elas estão ou não dispostas a pagarem um preço no porvir. Se essas pessoas que se dizem crentes em Jesus Cristo, são ou não, cumpridoras fiéis da Palavra de Deus.

O Senhor disse a Moisés que iria provar o povo para saber se ele andava ou não na lei que Ele havia dado a seu servo Moisés no Sinai. Hoje, acontece de igual maneira, pois o Senhor Deus continua a provar os seus filhos e filhas através das muitas provações desta vida. Uns são que nem a semente que caiu entre os espinheiros, que chegam até mesmo a crescerem, mas vêm as lutas e as provações deste mundo e eles acabam por negligenciarem a oportunidade dada por Deus e voltam ao mundo novamente: “E a que caiu entre espinhos, esses são os que ouviram e, indo por diante, são sufocados com os cuidados e riquezas e deleites da vida, e não dão fruto com perfeição; E a que caiu em boa terra, esses são os que, ouvindo a palavra, a conservam num coração honesto e bom, e dão fruto com perseverança.” (Lucas 8.14,15).

Graças a Deus que alguma semente caiu em boa terra e esta é aquela que passa pela prova, pela luta, mesmo com dificuldades, mas glorificando ao Senhor Jesus Cristo e se torna vitoriosa.

Este ano é um ano de provas. Saiba que, como crentes em Jesus, iremos passar por elas, porém, somos mais do que vencedores em Cristo, para isto só devemos exercer a nossa fé em Deus.

Não se esqueça de interceder por seus filhos neste ano de 2018!

“Levanta-te, clama de noite no princípio das vigias; derrama o teu coração como águas diante da presença do Senhor; levanta a ele as tuas mãos, pela vida de teus filhinhos, que desfalecem de fome à entrada de todas as ruas.” (Lamentações 2.19).

Os pais cristãos, jamais deverão negligenciar quanto a intercessão constante por seus filhos, mesmo que eles estejam crescidos, casados ou dando algum tipo de trabalho. É bom que cada pai e cada mãe se preocupem neste ano de intensificar ainda mais suas orações pelos seus filhos, pois o inimigo do homem, Satanás, está cada vez mais armando ciladas para destruir os filhos dos crentes e assim enfraquecer a família, criação de Deus.

O patriarca Jó, intercedia com sacrifícios a Deus por seus filhos. Ele sabia muito bem que tantos os homens como as mulheres eram festeiros, gostavam de se reunir para festejarem alguma coisa e como Jó não os acompanhava, por serem eles já grandes, então, ao tomar conhecimento dos banquetes ele intensificava ainda mais seus sacrifícios com orações ao Deus criador dos céus e da terra.

É bom cobrir os seus filhos de um cobertor espiritual. Orando e jejuando por eles a fim de que o Senhor se compadeça e tenha misericórdia de cada um deles e os abençoe. Meu conselho para você papai, e mamãe, neste ano é que, intercedam com amor e constância por sua família. Seus filhos são heranças do Senhor e bênçãos dEle para vocês. Abençoe os meninos e as meninas!

Jacó abençoava seus filhos. Ele abençoou a José dizendo: “E abençoou a José, e disse: O Deus, em cuja presença andaram os meus pais Abraão e Isaque, o Deus que me sustentou, desde que eu nasci até este dia; O anjo que me livrou de todo o mal, abençoe estes rapazes, e seja chamado neles o meu nome, e o nome de meus pais Abraão e Isaque, e multipliquem-se como peixes, em multidão, no meio da terra.” (Gênesis 48.15,16). Faça isto você também!

Chegou à hora!

“Disse-lhe Jesus: Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora.” (João 2.4).

Quando se lê o livro de Eclesiastes o grande sábio Salomão diz: “Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu. Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou; Tempo de matar, e tempo de curar; tempo de derrubar, e tempo de edificar; Tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de prantear, e tempo de dançar; Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar; Tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de lançar fora; Tempo de rasgar, e tempo de coser; tempo de estar calado, e tempo de falar;” (Eclesiastes 3.1-7). Realmente, há tempo para tudo debaixo do sol.

Ora, se há tempo para tudo, então o que devemos fazer agora? O apóstolo Paulo nos dá a real resposta, pois ele mesmo orientou a Timóteo, seu filho na fé: “Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina.” (2 Timóteo 4.2). Esse é o nosso momento, o qual o mesmo apóstolo nos diz que se trata de uma OBRIGAÇÃO de cada um que um dia aceitou a Cristo e nEle permanece firme na fé: “Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho!” (1 Coríntios 9.16).

Não temos mais para onde corrermos. Chegou à hora! Hora de evangelizar, de pregar o Evangelho, a tempo e fora de tempo. Aleluia!

“Quem espera sempre alcança”

“Espera no Senhor, anima-te, e ele fortalecerá o teu coração; espera, pois, no Senhor.” (Salmos 27.14).

Sempre ouvi alguém dizer: “Quem espera sempre alcança”, porém, num mundo globalizado como o nosso, onde a competição é uma estratégia de guerra e as pessoas lutam com unhas e dentes por um espaço no mercado, ser acomodado, ficar esperando a banda passar, talvez possa diminuir as chances de a pessoa alcançar seus objetivos com mais rapidez.

Quando salmista diz: “esperei com paciência no Senhor”, certamente, ele sabe que o Senhor irá lhe atender, cedo ou mais tarde, porquanto, sua confiança, sua fé e esperança em Deus é sempre crescente e ele não fará como muitos: cruzar os braços e deixar o tempo passar, mas irá fazer como recomenda o salmista no salmo em lide: se animar, fortalecer o coração e isto se faz com oração, leitura e meditação na Palavra de Deus, assiduidade aos cultos e dedicação à obra do Senhor.

Fazendo assim, o homem e a mulher de Deus encontrará paz para sua alma e crescerá em esperança e fé. Jerimias dizia: “Bom é ter esperança, e aguardar em silêncio a salvação do Senhor.” (Lamentações 3.26). Nem sempre o que esperamos de Deus vem no momento em que achamos que deve vir, ou seja, no meu tempo, mas tudo acontece no tempo do Senhor. Muitos, por não receberem logo a bênção e por não terem paciência para aguardar a vitória ou a resposta de Deus acabam murmurando: “Todavia aguardando eu o bem, então me veio o mal, esperando eu a luz, veio a escuridão.” (Jó 30.26). Enquanto Jó murmurou a bênção não chegou a ele, mas quando ele descansou em Deus tudo se voltou favoravelmente a ele e o Senhor confirmou a sua bênção.

É bom  dizer como o salmista dizia: “Mas eu esperarei continuamente, e te louvarei cada vez mais.” (Salmos 71.14). Esperar a vitória louvando ao Senhor Deus Todo Poderoso.

Não pare de remar!

“Os que descem ao mar em navios, mercando nas grandes águas. Esses vêem as obras do Senhor, e as suas maravilhas no profundo. Pois ele manda, e se levanta o vento tempestuoso que eleva as suas ondas.” (Salmos 107.23-25).

A palavra deste dia tem um objetivo muito especial, a de homenagear todos aqueles que singram os mares em pequenas, medias e grandes embarcações, os verdadeiros marinheiros, conhecidos como “lobos dos mares”, pois não se abalam e não se entregam a qualquer vendaval e aos balanços anormais provocados pelas fortes ondas e a você, meu amigo e meu irmão em Cristo que tem procurado fazer a obra de Deus e tem visto dia após dia as maravilhas do Senhor.

Todos quantos navegam em alguma embarcação a remo precisam experimentar, ou melhor, ter experiência com os remos, principal instrumento para a navegação deste tipo. A Bíblia diz: “E todos os que pegam no remo, os marinheiros, e todos os pilotos do mar descerão de seus navios, e pararão em terra.” (Ez 27.29).

Quando vejo uma embarcação deslizando sobre as límpidas águas e todos abordo remando com disposição, percebo que alguns requisitos são necessários: o preparo físico, a coordenação motora, a força de vontade para remar e enfrentar as águas e a disposição para atingir o objetivo desejado.

Como bons crentes em Jesus Cristo e, também, marinheiros do Senhor Jesus Cristo, deverão  pegar firme nos remos e unidos remar até conseguir todos os seus objetivos para esse ano de 2018 e, por conseguinte, a vida Eterna. O maior desses alvos é alcançar o porto seguro, o céu.

Meu incentivo para você neste ano que se inicia é que não pare no meio do caminho, não esmoreça em sua caminhada, seja firme e constante sabendo que o Senhor Jesus estará sempre ao seu lado: “Eis que estou convosco todos os dias até a consumação dos séculos!”. Não pare de remar, continue remando, remando…, mesmo que as ondas lhe sejam contrárias e as tempestades estejam impedindo de você se manter navegando. Não pare! Continue em frente, Deus é o Deus dos céus, da terra e dos mares, confie nele e brevemente você dirá, com certeza: “Estou navegando num mar de Almirante”, “Os ventos estão tranquilos e o mar encontra-se calmo e sereno”. 2018 está sendo uma bênção para mim e minha família.

Deus tenha misericórdia de nós e nos abençoe neste maravilhoso ano de bênção.

“Gente grande do pé pequeno!”

“Houve ainda também outra peleja em Gate, onde estava um homem de alta estatura, que tinha em cada mão seis dedos, e em cada pé outros seis, vinte e quatro ao todo, e também este nascera do gigante.” (2 Samuel 21.20).

Na minha juventude conheci um vizinho que tinha um filho que em cada mão tinha seis dedos e em cada pé tinha seis dedos, logo, vinte e quatro dedos ao todo. Todas as crianças mexiam com ele, era uma diversão quando ele aparecia na rua para brincar. Coisa de criança! O gigante de Gate, conforme o texto em lide, também tinha vinte e quatro dedos ao todo.

Geralmente, se conhece que o bebê vai ser grande ou não pelos pés. Se tiver pés pequenos, então, se diz que vai ser pessoa pequena, mas se o pé for grande, então se fala que vai ser bastante alto, assim criam nossos pais que nos passaram estas crendices.

Os pés foram dados conforme o tamanho da pessoa. Não se vê por ai alguém de alta estatura com os pés pequeninos, se isso acontecer, coitado dessa criatura, irá cair por toda a sua vida e a todo instante que estiver caminhando. Na vida espiritual acontece de forma semelhante. Muitos crentes se acham grandes, porém, vivem caindo. Quer deixar de cair? Se envolva com Deus, com a sua Obra e com a Sua Palavra: “Quão formosos são, sobre os montes, os pés do que anuncia as boas novas, que faz ouvir a paz, do que anuncia o bem, que faz ouvir a salvação, do que diz a Sião: O teu Deus reina!” (Isaías 52.7). Esse ano é o ano da evangelização para a nossa igreja e eu conto com você para juntos anunciarmos as Boas Novas do Evangelho da Salvação.

Os pés são próprios para dar estabilidade, firmeza e segurança a pessoa. Aquele que não tem essas qualidades em sua vida, enfrentará dificuldades para caminhar, talvez, seja preciso aprofundar suas raízes para dentro do ribeiro que é Cristo, porque na hora do vendaval estará firme e estável.

Quem assim não procede, não é sábio e ficará sujeito a quedas no mundo espiritual, bastando somente uma pequena provação, luta ou tentação de pequena magnitude para abandonar as suas funções na igreja, sentir-se fastioso, sem querer mais se alimentar da Palavra de Deus, fazer greve de oração, Jejum, tornar-se intemperante, e por fim negligenciar de vez para com a vida devocional e de consagração até se afastar de vez do caminho de Cristo, o da salvação.

Veja o que diz as Escrituras: “Porque será como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro, e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e no ano de sequidão não se afadiga, nem deixa de dar fruto.” (Jr 17.8).

Quanto mais profundas forem as raízes de uma árvore, maior estabilidade, e firmeza ela terá para combater os fortes vendavais a que for submetida. “Gente grande do pé pequeno!”, é uma característica daquele que se acha o “tal”. Acha-se forte, robusto na fé e na graça de Cristo, porém, suas raízes não são profundas, não tem maturidade cristã e vez por outra estão caindo no chão, tal como uma flor de jardim.

Tem um hino que diz: “Existe um jardineiro que chora a flor caída no chão…”. Como muitos têm provocado o choro constante do Espírito Santo, porquanto, não se esforçam para terem uma vida melhor e mais abençoada. Estes tais são homens que se julgam grande, porém, dos pés pequenos, pois estão sempre caindo! Que este ano de 2018 seja bom para você e o seu pé cresça na medida da fé e a firmeza no Evangelho seja a sua marca e a Evangelização, que é nossa obrigação (1 Co 9.16), seja bem explorada por você. Amém!

Faça tudo decentemente e pela fé!

“Mas faça-se tudo decentemente e com ordem” (1 Coríntios 14.40)

Todo cristão tem a oportunidade de trabalhar ao lado do Espírito Santo de modo que a Obra de Cristo, o Reino de Deus, tenha pleno crescimento e as pessoas alcançadas pelo Evangelho do Senhor Jesus tenha lugar predileto no coração todos aqueles que creem em Seu nome.

Este ano, a nossa igreja, Assembléia de Deus, Novo Milênio, está empenhada em buscar na evangelização a forma de trabalho ideal nos passada pela Igreja Primitiva, que foi admoestada por Paulo quando disse: “…É nossa obrigação pregar o Evangelho e ai de nós se não pregarmos” (1 Co 9.16).

Paulo, também é claro ao dizer: “…faça-se tudo decentemente e com ordem”; “…faça-se tudo para edificação” (1 Co 14.26). É de fato, grande privilégio para o crente em Jesus Cristo poder trabalhar para a expansão do Reino dos céus, porém, paira em quase todas as igrejas espalhadas por esse Brasil a fora, grande desânimo, má vontade para a pessoa se apresentar e fazer algo para a edificação do povo, da salvação de vidas e, também, quanto a edificação dos salvos em Cristo.

Os que se apresentam, geralmente, não conseguem dar continuidade aos seus trabalhos, por muito pouco se entristecem e acabam desaparecendo ou permanecendo na igreja, como meros expectadores, sentados e somente observando os cultos sem deles participarem ativamente. Outros há que poderiam fazer grande e maravilhosa obra para Cristo, pois são talentosos, profissionais de áreas específicas, bons crentes, todavia, não conseguem tempo para o Senhor, não entregam fielmente seus dízimos na casa do tesouro, não ofertam e nem contribuem para a manutenção do templo. Estes tais, não são dedicados à obra do Cordeiro. “A Seara é grande e poucos são os ceifeiros”.

É bom e gostoso fazer a obra, para a qual fomos chamados, de maneira voluntária, com disposição, garra, intrepidez, vigor físico e espiritual, sem olhar para trás e nem para os lados, de modo que o avanço seja natural e tendo a ajuda incondicional do Espírito Santo. É comovente ver alguém trabalhar para Deus, em Sua obra de forma descente, à luz das Escrituras, com ordem, tendo como propósito maior a edificação de vidas e também de sua família em particular.

Os crentes em Corínto eram inquietos, se adaptavam aos costumes gregos com facilidade, inclusive a idolatria; não havia ordem nos cultos e quando se reuniam faziam conforme os seus conhecimentos e não segundo a orientação apostólica ou paulina, de modo que não havia ordem durante os trabalhos; os crentes viviam numa balbúrdia nas reuniões: “E digo isto, e testifico no Senhor, para que não andeis mais como andam também os outros gentios, na vaidade da sua mente. Entenebrecidos no entendimento, separados da vida de Deus pela ignorância que há neles, pela dureza do seu coração; Os quais, havendo perdido todo o sentimento, se entregaram à dissolução, para com avidez cometerem toda a impureza.” (Ef 4.17-19).

Quer fazer alguma coisa para Deus? Saiba que deverá fazer com todo amor e zelo, com decência e ordem. Todo cristão deve viver dentro da ordem divina e praticá-la para o bem social da própria comunidade evangélica onde se congrega. Estamos iniciando o ano de 2018 e Deus conta com sua participação. Seu envolvimento no trabalho evangelístico será de grande valia para o crescimento do Reino de Deus. O Espírito Santo ficará muito satisfeito se você permitir que Ele te renove e de faça útil para ganhares muitas almas para Cristo.

Não devemos ser como os irmãos em Corínto que eram desordenados em tudo. Uma coisa boa eles tinham: a obediência quando eram ensinados e doutrinados, de modo que Deus concedeu a eles todos os dons espirituais. Não esqueça: Deus conta com você neste ano de 2018

Lamparina suja!

“E disse-lhes: Vem porventura a candeia (lamparina) para se meter debaixo do alqueire, ou debaixo da cama? não vem antes para se colocar no velador?” (Mateus 4.21).

A vida do cristão é comparada a muitas coisas: a um vaso, a um templo, e este do Espírito Santo, ao sal, a luz e, também, a uma lamparina acesa. Não adianta ser lamparina bem apresentada, bonita e decorativa, mas instrumento que possa produzir luz ao ambiente que não tem muita luminosidade ou esteja completamente escuro.

Ouvindo outro dia alguém pregando a Palavra, o jovem mensageiro dizia que no seu tempo de criança, seus pais saiam para a igreja e deixavam a lamparina em cima da mesa e apagada é claro. Quando chegavam da igreja, geralmente no escuro, então seu pai e, às vezes sua mãe, saiam apalpando até achar o fósforo e depois acendiam a lamparina que era colocada num lugar estratégico. Quase sempre eles se sujavam quando colocavam a mão no pavio, pois ele solta uma borra.

É comum a lamparina ficar suja mesmo. O pavio, dependendo do combustível a ser queimado, geralmente querosene, solta realmente uma fuligem escura e, certamente poderá sujar a mão de quem acende a lamparina.

A vida cristã é comparada a uma lamparina acesa. Não aquela que é colocada debaixo de uma cama, mas aquela que é posta num velador, bem no alto para que todos a possam ver e desfrutar de sua luz. Será que sua vida está sendo útil para iluminar a vida de seus colegas de trabalho? Da escola? Ou Universidade? Ou mesmo alguém na igreja onde você congrega?

A lamparina ou candeia do corpo, segundo a Bíblia, diz que são os olhos. Se eles forem bons, iluminarão não somente o seu caminho, mas a vereda de todos quantos estiverem ao seu lado. Se teu corpo estiver em trevas, sem luz, então, ele está sem a presença de Cristo, a verdadeira luz do mundo.

Se seu corpo está em trevas, é porque os teus olhos que deveriam iluminar o seu corpo não está exercendo esse papel, ou seja, eles não são bons e sim maus: “A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz.” (Mt 6.22).

A lamparina deve está sempre limpa e, principalmente, acesa no velador. Que o ano de 2018 seja cheio de verdadeiras realizações, paz, saúde e intensas alegrias. Que você seja de fato uma lamparina cheia de azeite e produza muita luz capaz de iluminar as vidas daqueles que não as têm.

O poder da aliança em nossas vidas

“E porei a minha aliança entre mim e ti, e te multiplicarei grandissimamente.” (Gênesis 17.2).

Deus certa vez falou a Abrão dizendo-lhe: “… Eu Sou o Deus Todo-poderoso; anda na minha presença e sê perfeito” (Gn 17.1). Abrão tinha 99 anos e o Senhor fez com ele uma aliança e mudou o seu nome para Abraão. Deus colocou o seu concerto entre Ele a Abraão e a partir dai as portas das bênçãos começaram a se abrir para o patriarca, filho de Tera.

Deus certa vez falou ao profeta Oséias que o Seu povo transgrediram a aliança, da mesma forma que Adão: “Mas eles transgrediram a aliança, como Adão; eles se portaram aleivosamente contra mim.” (Oséias 6.7). É muito comum o homem quebrar a aliança que faz com o Senhor. É preciso muita força de vontade, sacrifício, oração e comunhão com o Espírito Santo para que a aliança seja mantida firme e Deus se agrade de nossos atos.

A palavra aliança está espalhada na Bíblia, tanto no Antigo como no Novo Testamento. Neste último a pessoa de Jesus Cristo é quem garante a nossa aliança com Deus, porquanto, foi Ele que nos uniu ao Pai quando verteu seu precioso sangue na cruz do Calvário, bastando a nós, tão somente confiar nEle, confessar Seu precioso nome diante dos homens e de Deus, e aceitá-lo como Senhor e Salvador de nossas vidas. Quando somos fiéis ao Senhor, então, está mantida a nossa aliança com Ele e, por sua vez, Ele exerce o seu poder e autoridade para nos guardar de todo o mal.

Quando o homem abandona o caminho da salvação, amando mais a este século do que a Deus, fazendo na verdade o naufrágio da fé, então, ele transgride a sua aliança tornando-se infiel à Palavra de Deus e ao seu concerto.

O ano de 2018 é interessante, pois, o número oito forma duas alianças, inseparável, bem unida, sem emenda e real. O número oito pode significar a sua aliança com Deus, com seu cônjuge, com seu filho, sua filha, ou sua igreja.

Manter a aliança é deixar que a autoridade do Espírito Santo seja exercida em nosso homem interior, para isso faz-se necessário a manutenção da aliança com o Pai. A aliança só existe quando há sinceridade, fidelidade e comunhão com Deus. A aliança requer acima de tudo uma vida de santificação. O poder da aliança é que move o coração de Deus para nos abençoar.

Se você não tem sido fiel ao Senhor, ao seu cônjuge, ao seu chefe e superior direto, então é hora de renovar a aliança. O ano está só começando e você precisa fazer um concerto com o seu Deus o mais urgente possível. Quando fazemos uma aliança com Deus, Ele jamais esquecerá: “Deu mantimento aos que o temem; lembrar-se-á sempre da sua aliança.” (Salmos 111.5).

O meu conselho para você é: renove seus votos, renove sua aliança com Deus! Que haja hoje em seu coração o desejo, a vontade e a decisão de obedecer a Deus e a Sua Palavra, ao ponto de cumpri-la em sua vida. Amém!

Creia que grandes coisas boas estão por vir neste ano de 2018

“Portanto, irmãos, procurai fazer cada vez mais firme a vossa vocação e eleição; porque, fazendo isto, nunca jamais tropeçareis.” (2 Pedro 1.10).

Saiba meu amigo e irmão em Cristo, que o Senhor não desistiu de você, e nem tão cedo Ele irá desistir, pois ele sabe que essa fase complicada pela qual você vem atravessando, desde o ano passado, ela tem um fim. Os dias já estão contados por Deus e ela irá se findar, todavia, Deus exige que você faça valer a sua vocação, a sua eleição, e que não deixe de manter firme a sua fé nas promessas divinas.

O Senhor diz em Sua Palavra que, se você mantiver firme a sua vocação e eleição, jamais irás tropeçar, e, ainda que o inimigo coloque obstáculos e barreiras em seu caminho, você irá transpor todos eles porque o Deus de Jacó é o seu refúgio e fortaleza, além de ser socorro bem presente em qualquer circunstância adversa em sua caminhada cristã.

Confie mais em Deus e coloque sobre Ele todas as suas ansiedades e fraquezas também, a fim de que Ele possa lhe conceder vitórias e mais vitórias neste ano que se inicia, garboso e cheio de esperança para todos nós.

Este ano está sendo considerado o ano da eleição e você sabe muito bem que você já foi eleito desde o ventre de sua mãe, então, é hora de valorizar esta eleição, a qual foi realizada na cruz do Calvário com a morte de Jesus Cristo, nosso Salvador Eterno, o qual ao terceiro dia de túmulo ergueu-se para vencer e triunfar sobre os céus e a terra e ser o nosso Eterno rei. Firmado em suas promessas, creia que grandes coisas boas estão por vir neste ano de 2018.

Você tem um libertador que é Cristo Jesus!

“Disse pois: O Senhor é o meu rochedo, e o meu lugar forte, e o meu libertador.” (2 Samuel 22.2).

O povo de Israel atravessava um momento muito difícil, havia fome sobre a terra. Três anos a terra foi castigada pela seca e, a fome, se alastrou por todos os lugares e, ainda por cima enfrentou quatro guerras tremendas contra os filisteus e nessas lutas Davi venceu e derrotou alguns gigantes de Gate.

Em meio às vitórias alcançadas, o rei Davi canta um lindo cântico de louvor e ações de graças ao Deus de Israel: “E Falou Davi ao SENHOR as palavras deste cântico, no dia em que o SENHOR o livrou das mãos de todos os seus inimigos e das mãos de Saul. Disse pois: O Senhor é o meu rochedo, e o meu lugar forte, e o meu libertador. Deus é o meu rochedo, nele confiarei; o meu escudo, e a força da minha salvação, o meu alto retiro, e o meu refúgio. Ó meu Salvador, da violência me salvas. O Senhor, digno de louvor, invocarei, e de meus inimigos ficarei livre,
Porque me cercaram as ondas de morte; as torrentes dos homens ímpios me assombraram. Cordas do inferno me cingiram; encontraram-me laços de morte. Estando em angústia, invoquei ao Senhor, e a meu Deus clamei; do seu templo ouviu ele a minha voz, e o meu clamor chegou aos seus ouvidos.” (2 Samuel 22.1-7).

Davi canta e afirma que Deus é o seu libertador, o seu rochedo, a sua força e a sua salvação. Como é importante para o homem se colocar diante do seu Deus e lhe dizer com o coração radiante de amor e fé, reconhecendo com sinceridade da alma que o Senhor Deus é o seu libertador. Davi foi um homem abençoado e tido e havido como um homem “segundo o coração de Deus”, porque ele sabia convencer Deus, agradar ao Senhor e dedicar-lhe horas e horas com suas orações e salmos de louvor.

Estamos no segundo dia do ano e Deus espera que eu e você continuemos firmes em sua presença e jamais o negue, em hipótese alguma, mas que o tenha como Salvador e Libertador de nossas vidas. Aleluia!

Aproveite este ano de 2018 para andar mais com Deus

“Quem há entre vós que tema ao Senhor e ouça a voz do seu servo? Quando andar em trevas, e não tiver luz nenhuma, confie no nome do Senhor, e firme-se sobre o seu Deus.” (Isaías 50.10).

O profeta Isaías dá o tom da mensagem: “…firme-se sobre o seu Deus”, ou seja, procure andar mais com Deus neste ano que se inicia. Ele, o Senhor dos Exércitos de Israel quer que você e eu andemos mais com Ele. Ele deseja nos revelar coisas grandes que não sabemos ainda, porém, faz-se necessário aproximar-nos mais do Seu altar, não somente assumindo o propósito de estarmos mais nos cultos da igreja, mas também orando, evangelizando e promovendo a paz entre as pessoas.

Enoque, o filho mais velho de Caim, não andou no caminho de seu pai, o primeiro homicida relatado pela Bíblia, mas procurou andar com Deus. Seu nome em hebraico significa “iniciado”. Ora, estamos iniciando o ano, hoje é o primeiro dia de 2018 e você pode perfeitamente tomar uma posição diante do Senhor e começar, já a partir deste momento a andar segundo o conselho dos justos e não mais segundo o conselho dos ímpios. Deus está esperando a sua decisão, para Ele mobilizar suas bênçãos em seu favor.

Enoque andou com Deus, isto é, em íntima comunhão com Deus: “E andou Enoque com Deus; e não apareceu mais, porquanto Deus para si o tomou.” (Gn 5.24). Estou feliz neste inicio de ano, porque eu sei que você irá atender ao chamado do Espírito Santo. Amém!

Ele chegou! Seja bem vindo Ano Novo, 2018 – o ano da evangelização!

“Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.” (2 Corintios 5.17).

 

O que ficou para trás ficou, não adianta querer recuperar, pois estamos em 2018, ano da evangelização e nós somos os ceifeiros da última hora, então, temos que pensar em coisas novas, que edificam e promovem alegria, paz, união com Deus e união para com seu irmão, e sua irmã.

Não pense nas coisas velhas, elas pertencem a 2017 e, graças ao bom Deus, já estamos em 2018, ano da bênção, ano da evangelização. Pertencer a Cristo é ser um evangelista. Ele, Jesus, mesmo nos chamou para evangelizar e o apóstolo Paulo disse que é uma obrigação para todos nós que somos cristãos: “Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho!” (1 Coríntios 9.16).

Não é um favor que fazemos a Deus evangelizar o mundo. Não é um capricho ou consideração ao Espírito Santo, o grande Consolador, ou mesmo uma espécie de gratidão mesquinha  à pessoa de Jesus Cristo que morreu na cruz para nos salvar, mas uma OBRIGAÇÃO, um dever ímpar, porquanto, somos mais do que gratos a Deus por ter enviado a Jesus Cristo para morrer na cruz e nos conceder vida em abundância e mais que isso, nos abençoou para que por Ele fossemos salvos do pecado.

Precisamos evangelizar urgentemente. Somos os mensageiros da última hora e que bom, que o Senhor Jesus Cristo escolheu a mim e a ti para juntos pregarmos a Sua Palavra a toda a criatura. Quando Jesus falou estas palavras Ele, também garantiu a nossa vitória aqui na terra e no céu: “Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.” (Mateus 28.20). Se nós somos os verdadeiros crentes em Jesus Cristo, então, precisamos evangelizar o mais urgente possível, pois essa dispensação foi confiada a mim e a você que somos a Igreja do Cordeiro: “E por isso, se o faço de boa mente, terei prêmio; mas, se de má vontade, apenas uma dispensação me é confiada.” (1 Coríntios 9.17).

O mundo precisa do poder celestial e, o Evangelho de Cristo, é poder de Deus para todo aquele que nEle crer: “Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego.” (Romanos 1.16).

Paulo nos ensina a pregar, ter disposição, ter fé, ser cheio de virtude e fervor na alma para anunciar o Evangelho de Cristo. Ele não tinha tempo ruim para ele pregar a Palavra de Deus. Ele ia por todos os lugares anunciando as Boas Novas de Salvação: “Pelo poder dos sinais e prodígios, e pela virtude do Espírito de Deus; de maneira que desde Jerusalém, e arredores, até ao Ilírico, tenho pregado o evangelho de Jesus Cristo.” (Romanos 15.19). Deus cooperava com ele em muitos prodígios e curas. Aos romanos ele os ensinava a serem cheios de ardor na alma: “Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor.” (Romano 12.11). Acho que precisamos reciclar, recomeçar, criar vontade e ânimo para sairmos às ruas e pregarmos o Evangelho de Cristo a toda a criatura.

Apolo foi um grande companheiro de Paulo. Ele pregava com ousadia e determinação. Veja o que a Bíblia diz sobre ele: “E chegou a Éfeso, certo judeu chamado Apolo, natural de Alexandria, homem eloquente e poderoso nas Escrituras. Este era instruído no caminho do Senhor e, fervoroso de espírito, falava e ensinava diligentemente as coisas do Senhor, conhecendo somente o batismo de João. Ele começou a falar ousadamente na sinagoga; e, quando o ouviram Priscila e Aquila, o levaram consigo e lhe declararam mais precisamente o caminho de Deus.” (Atos 18.24-26).

Não precisa ser você um Paulo ou um Apolo. Seja você mesmo, contando que seja cheio do Espírito Santo e tenha ânimo e disposição para pregar o Evangelho, poder de Deus para a Salvação de todo aquele que crer. Conto com você em 2018. A Igreja ADNB, Novo Milênio conta com você para ganharmos vidas para o Reino de Deus! O nosso lema para 2018 é: É minha obrigação pregar o Evangelho de Cristo! O nosso lema para 2018: É minha obrigação pregar o Evangelho a toda à criatura! Feliz 2018!

Que fazer com meus inimigos?

“Eu, porém, vos digo que não resistais ao mau; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra; E, ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa; E, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas.” (Mateus 5.39-41).

É muito comum hoje em dia as pessoas dizerem: é meu inimigo. Essa frase é complementada no ambiente congressista: “meu inimigo político”. Existem os inimigos declarados e, aqueles não declarados. Estes últimos, a pessoa tem maior preocupação e cuidado, sabendo que a qualquer instante poderá ser alvejado pelo ódio e raiva por parte do seu desafeto, ele em qualquer circunstância poderá ser um inimigo em potencial.

Abrão Lincoln, ex-presidente dos Estados Unidos da América disse certa vez: “Eu destruo meus inimigos quando faço deles meus amigos”. Esta frase é uma realidade, porém, quem se aproxima do seu inimigo para fazer dele um amigo? Somente o Evangelho de Cristo é capaz de transformar nossos inimigos em amigos fiéis. Jesus nos ensina assim: “Ao que te ferir numa face, oferece-lhe também a outra; e ao que te houver tirado a capa, nem a túnica recuses.” (Lucas 6.29).

O salmista aponta como inimigos de Deus todos quantos praticam o pecado: “Pois eis que os teus inimigos, Senhor, eis que os teus inimigos perecerão; serão dispersos todos os que praticam a iniqüidade” (Sl 92.9). No Novo Testamento, Tiago aponta os inimigos de Deus da seguinte maneira: “Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.” (Tg 4.4). Somente a amizade com o mundo, já coloca o homem como inimigo do Senhor Todo Poderoso.

Jesus tem uma postura mais branda, porém voltada para o cumprimento prático do verdadeiro amor cristão: “… qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra; E, ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa; E, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas.”. Quem assim procede, certamente, fará de seu inimigo um amigo, ou seja, destruir o inimigo à base do amor, tornando-o amigo.

Davi em seu cântico de vitória disse: “Persegui os meus inimigos, e os derrotei, e nunca me tornei até que os consumisse.” (2 Sm 22.38). O rei Davi não dava trégua aos seus adversários, visto que eles, não queriam que o jovem monarca vivesse. Quando ele escreve o salmo 143 assim se expressa: “Livra-me, ó Senhor, dos meus inimigos; fujo para ti, para me esconder.” (Sl 143.9). Davi se escondia em Deus.

O que fazer com os meus inimigos? Ore por eles, interceda por eles com amor e aguarde Deus transformá-los em seus inimigos. Jamais os entregue nas mãos de Deus para que Este faça justiça ou pese as Suas mãos. Tenha misericórdia de seus inimigos e lute para que eles um dia sentem-se a sua mesa.