É preciso cuidar da preservação da salvação (continuação)

“E, tirando-os para fora, disse: Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar? E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa.” (Atos 16.30,31).

 

É preciso que a igreja se desperte para expandir o reino de Deus, pregando a tempo e a fora de tempo o Evangelho, para isso, faz-se necessário sair das quatro paredes do templo e se lançar em busca das vidas perdidas, sem paz e sem salvação. Paulo escrevendo aos romanos disse: “Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas.
Mas nem todos têm obedecido ao evangelho; pois Isaías diz: Senhor, quem creu na nossa pregação?” (Romanos 10.1-16).

Que os meus e os seus pés sejam sempre formosos, pois, estaremos imbuídos desse propósito de pregar o Evangelho que, aliás, é também, uma obrigação: “Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho!” (1 Coríntios 9.16).

Enquanto a fé de quem deseja pregar e contribuir para a salvação dos perdidos pecadores não for renovada, o esforço será em vão. A fé precisa ser renovada sempre: “Não que tenhamos domínio sobre a vossa fé, mas porque somos cooperadores de vosso gozo; porque pela fé estais em pé.” (2 Coríntios 1.24). Enquanto tivermos essa convicção de que estamos de pé, firmes com Cristo mediante a fé nEle, então caminharemos em segurança e em paz, sempre abundante no Senhor, nosso Salvador Eterno. Aleluia!.

É preciso cuidar da preservação da salvação

“E, tirando-os para fora, disse: Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar? E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa.” (Atos 16.30,31).

 

O caminho da salvação se abre quando o homem crer em Cristo. Paulo disse com toda convicção: “…crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa”. Este é a trilha que leva a pessoa alcançar vitória nesta vida e no porvir.

Não existe outro nome pelo qual o homem possa se salvar a não ser em Jesus: “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.” (Atos 4.12).

A salvação é por fé, quando se crer em Jesus. A fé é gerada quando se ouve a Palavra de Deus, ou seja, o Evangelho: “De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.” (Romanos 10.17). Não adianta querer alcançar a misericórdia de Deus se não tiver em Seu Filho Unigênito, o salvador Jesus Cristo.

Se você diz que é salvo em Jesus, então preserve a sua salvação, orando, crescendo na fé, mediante a leitura e meditação na Palavra e sendo assíduo aos cultos em sua igreja. Amém

Como é bom participar alegremente do culto de louvor a Deus

“Alegrei-me quando me disseram: vamos à casa do Senhor” (Salmos 122.1).

O culto de louvor a Deus precisa ser de tal maneira que os participantes se sintam felizes, e sejam alcançados pelo poder da Palavra de Deus, além de serem transformados pela palavra pregada e ensinada no púlpito, para isso homens e mulheres que o dirigem precisam ter uma vida de consagração e pratiquem a piedade.

Por que o culto é tão importante para os cristãos? É porque cada crente em Jesus Cristo necessita se aproximar do Senhor e, por conseguinte, ele tem necessidades espirituais. O salmista clama pela presença do Altíssimo: “Não escondas de mim a tua face, não rejeites ao teu servo com ira; tu foste a minha ajuda, não me deixes nem me desampares, ó Deus da minha salvação.” (Salmos 27.9).

O culto é importante para o cristão, porque o Senhor é digno de toda honra e de toda a glória. Todos devem render glória ao santo nome de Cristo e para isso faz-se importante se cultuar, a fim de se agradecer as bênçãos que Ele tem feito pelo seu povo. Ele não somente é o nosso salvador, como também é Senhor de nossas vidas.

Os samaritanos, convencidos pela mulher que lhes pregava o Evangelho, saíram ao encontro do Cristo de Deus e o encontraram à beira do poço de Jacó e disseram a mulher: “… Já não é pelo teu dito que nós cremos; porque nós mesmos o temos ouvido, e sabemos que este é verdadeiramente o Cristo, o Salvador do mundo.” (João 4.42). É muito maravilhoso quando cultuamos a Deus crendo que Ele existe e que está sempre pronto para nos abençoar.

O culto a Deus é importante porque temos a satisfação e a obrigação de render graças ao Senhor por tudo que Ele tem feito por nós e por aquilo que Ele é. Paulo disse certa vez que temos a obrigação de pregarmos o Evangelho de Cristo (1 Co 9.16), e no culto podemos fazer isso.

A importância do culto vai muito mais além do que tudo isso que falei em lide. Ele é importante porque produz gozo, paz e alegria aos corações aflitos e necessitados. O apóstolo Paulo dizia: “Grande é a ousadia da minha fala para convosco, e grande a minha jactância a respeito de vós; estou cheio de consolação; transbordo de gozo em todas as nossas tribulações.” (2 Coríntios 7.4). Durante o culto é preciso transbordar de felicidade, pois, não estamos cultuando ao homem, nem a algum ídolo, mas ao Deus de nossa Salvação, Jesus Cristo.

O culto é importante porque ele promove o crescimento dos que participam ativamente. Além do crescimento espiritual, há também o ligado ao conhecimento da Palavra de Deus. Paulo ficava maravilhado quando as pessoas cresciam no conhecimento de Deus: “Para que possais andar dignamente diante do Senhor, agradando-lhe em tudo, frutificando em toda a boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus.” (Colossenses 1.10).

O culto é importante porque ele habilita o crente para desbravar as tarefas afetas à obra do Senhor, bem como concede oportunidade para um viver plenamente santificação, além de colocar o crente em condição de prosseguir em comunhão, observando a doutrina e dedicando-se a oração e a todos as atividades que o Espírito Santo lhe conceder que faça, realize e implante para Deus.

Como é bom participar alegremente do culto de louvor a Deus. E você vai aos cultos regularmente?

Faça tudo decentemente e com ordem

“Mas faça-se tudo decentemente e com ordem” (1 Coríntios 14.40).

Tem gente que não suporta ouvir essa palavra: ordem, disciplina, decência, correto e todas outras do mesmo campo semântico. Parece que obedecer, andar na linha e fazer as coisas com zelo e em perfeita ordem não combina muito com seu estilo de vida, mas é assim que o Senhor se agrada dos seus filhos. Ele espera que cada um faça as coisas decentemente e com ordem.

Paulo quando escreveu a Timóteo disse referindo-se a conduta do Bispo: “Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar.” (1 Timóteo 3.2). É isso mesmo, andar corretamente, mantendo a boa conduta diante de Deus, dos homens e da igreja. Não se afastando daquilo que está preconizado na Palavra de Deus, mas andando honestamente, dando bom testemunho de crente salvo.

É preciso que os que se aproximam de Cristo andem sem repreensão, observando os mandamentos: “Existiu, no tempo de Herodes, rei da Judéia, um sacerdote chamado Zacarias, da ordem de Abias, e cuja mulher era das filhas de Arão; e o seu nome era Isabel. E eram ambos justos perante Deus, andando sem repreensão em todos os mandamentos e preceitos do Senhor.” (Lucas 1.5,6). Que exemplo de casal. Aleluia! Foram tremendamente abençoados. A mulher era estéril e Deus lhe abriu a madre e ela teve um filho e colocou o nome de João Batista. Jesus disse que entre os nascidos de mulher, não houve ninguém maior que João.

Todos que fazem parte da Igreja de Cristo precisam, acima de tudo dar bom testemunho, ser na verdade irrepreensíveis: “Para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível.” (Efésios 5.27). Não é tão difícil, mas também não é tão fácil viver em retidão, custa um preço.

Paulo foi mais firme com Tito, pois ele lhe ensinou que se o cristão tiver uma linguagem sã, então, as pessoas em sua volta irão ter uma postura diferente para com ele e não lhe dirá nenhum mal contra: “Linguagem sã e irrepreensível, para que o adversário se envergonhe, não tendo nenhum mal que dizer de nós.” (Tito 2.8).

Faça tudo com decência, pois Deus se agrada desta postura. Paulo disse aos Efésios que Cristo nos elegeu nEle desde a fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor (Efésios 1.4). Tudo isso, para que possamos resplandecer como astros no mundo: “Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo.” (Filipenses 2.15).

 

O rei Davi encontrou motivos para agradar ao Senhor, e você?

“Exaltar-te-ei, ó SENHOR, porque tu me exaltaste; e não fizeste com que meus inimigos se alegrassem sobre mim. Senhor meu Deus, clamei a ti, e tu me saraste.” (Salmos 30.1,2).

Davi foi um rei diferente de todos os que existiram antes e depois dele para Israel. Ele foi um homem segundo o coração de Deus, porquanto, podia encontrar em seu coração um alto desejo de glorificar ao Deus criador de todas as coisas. Ele tinha força de vontade para se chegar diante de Jeová e reconhecer suas falhas, como as que ele relatou no salmo 51.

Nesse salmo trinta, ele encontra várias razões para agradecer a Deus: – por Ele ter sido misericordioso e lhe sarado, talvez de alguma chaga ou enfermidade mortal. Davi foi um autêntico guerreiro e se envolver em inúmeras guerras, batalhas sangrentas e complicadas, e muitas vezes foi ferido grandemente. E o nobre monarca encontra força para agradecer a bondade de Deus para com ele. É possível que o Senhor tenha lhe fechado a sepultura várias vezes, não o deixando morrer; – Talvez, por Deus ter lhe preservado  vida: “Senhor, fizeste subir a minha alma da sepultura conservaste-me a vida para que não descesse ao abismo” (Salmos 30.3).

Davi, também, agradece ao Senhor por ter Ele lhe proporcionado alegrias sem igual, uma vez que o choro, a angústia, e a dor, por várias vezes quiseram tirar-lhe o gozo e a alegria da salvação: “Porque a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida. O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã” (Salmos 30.5).

Davi, o rei de Israel, sabia analisar bem seu estado de saúde espiritual e tinha consciência de quando a mão de Deus estava pesando sobre ele e chamava logo: “Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das  tuas misericórdias; porque eu conheço as minhas transgressões e o meu pecado está sempre diante de mim; … cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto; torna a dar-me a alegria da tua salvação, e sustem-me com um espírito voluntário (Salmos 51.1,3,10 e 12).

Davi foi esse homem temente, que soube agradecer ao Senhor por ter trocado a sua angústia, a sua dor pela alegria completa: “Tornaste o meu pranto em folguedo; tiraste o meu cilício e me cingiste de alegria” (Salmos 30.11).

A esse inesquecível rei, o povo de Israel se lembra até hoje. Foi de sua linhagem que nasceu o Salvador Jesus Cristo, o Messias prometido e vaticinado pelos profetas, principalmente, Isaías. Davi sabia muito bem agradecer a Deus, bem como louvá-lo na beleza da sua santidade: “Para que a minha glória te cante louvores e não se cale; Senhor, Deus meu, eu te louvarei para sempre” (Salmos 30.12).

E você, encontra motivos em sua caminhada de vida cristã para agradecer e adorar ao Senhor?

Tem coisas que são impossíveis a você meu amigo

“E Jesus, olhando para eles, disse-lhes: Aos homens é isso impossível, mas a Deus tudo é possível.” (Mateus 19.26).

 

Há muitas coisas que o homem gostaria de fazer, porém, não é possível. Imaginem se ele pudesse obter a salvação, por outro meio que não fosse Jesus Cristo. Isso não pode, a salvação é somente por meio de Jesus: “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.” (Atos 4.12).

Jesus é a única porta por onde o homem deve passar para ser salvo: “Tornou, pois, Jesus a dizer-lhes: Em verdade, em verdade vos digo que eu sou a porta das ovelhas. Todos quantos vieram antes de mim são ladrões e salteadores; mas as ovelhas não os ouviram. Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens.” (João 10.7-9). Ele é a porta estreita e não a largar: “Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela.” (Mateus 7.13).

Para Deus não há nada impossível, mas ao homem sim. Já imaginaram se o homem pudesse ser salvo, sem antes ter de nascer de novo? Seria um caos, um imbróglio no contexto espiritual. Graças a Deus que somente Deus pode salvar e para isso o homem precisa nascer da água e do espírito conforme as palavras de Jesus a Nicodemos: “… aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito.
Não te maravilhes de te ter dito: Necessário vos é nascer de novo.” (João 3.5-7).

Acho que uma das coisas que o homem gostaria de realizar diz respeito a remissão dos pecados. Se ele pudesse fazer algo nesse sentido, ele já teria feito, porém, somente Jesus Cristo, através do Seu precioso sangue é que teve a primazia de remir o homem dos seus pecados: “Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado.” (1 João 1.7).

É muito importante para o homem conhecer a Bíblia, pois ela veda a ele se converter depois da morte. Enquanto houver vida, haverá esperança, depois da morte, segue-se o juízo. Jesus contou uma parábola, a do rico e Lázaro que explica tudo bem direitinho: “E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá passar para cá.” (Lucas 16.26).

Tem coisas que são impossíveis a você meu amigo, principalmente, agradar a Deus sem ter no seu coração a rica e gloriosa fé em Jesus Cristo.

Vamos lutar pela felicidade!

“Então a nossa boca se encheu de riso e a nossa língua de cântico; então se dizia entre os gentios: Grandes coisas fez o Senhor a estes.” (Salmos 126.2).

 

Dá a batalha por vencida, a luta por perdida e os sonhos sem esperança de serem realizados é um coisa que marca muito a nossa cultura Ocidental. Parece que a fé não chegou até nós, que Jesus somente nasceu para o povo judeu, que a esperança não foi dada aos que crêem em Jesus Cristo.

Fico deveras preocupado quando vejo tanta gente desanimada, sem volta de de lutar pela vida, mesmo estando enferma. Preocupa-me saber que alguém aceitou a Jesus como Salvador, mas está acometido da síndrome de Jó: tudo acabou para mim. Ele mesmo disse: “Sobrevieram-me pavores; como vento perseguem a minha honra, e como nuvem passou a minha felicidade.” (Jó 30.15). Não Jó, tua felicidade não passou para sempre, foi somente momentânea.

Jó sofreu como nenhum homem sofreu até hoje. Ele foi exemplo de paciência, de fé e esperança, mesmo tendo alguns altos e baixos em sua vida espiritual, devido a grande luta pela qual passou, pois não foi outro, senão o próprio Satanás que investiu suas armas malignas sobre ele.

O ex-presidente Abraham Lincoln disse: “É difícil tornar infeliz o homem que se sente digno e louva o grande Deus que o criou”. Jó é um exemplo de quem soube valorizar a sua fé. Ele mesmo disse: “Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra.” (Jó 19.25). Ai está o exemplo de quem, mesmo na dor e no pó da cinza, sabia exercer sua fé e evidenciar em seus lábios a esperança de um dia encontrar-se com o seu Redentor. Foi difícil para Satanás tornar infeliz a pessoa de Jó, porque Jó em nenhum momento de sua provação deixou escapar o seu interesse e a sua fé por um Redentor que Vive! Aleluia!

“Lembra-te de que a minha vida é como o vento; os meus olhos não tornarão a ver a alegria.” (Jó 7.7). Conversa fiada Jó, quem crer num Redentor vivo, não pode se expressar assim. A prova de que você tinha a alegria da salvação e jamais a perdeu é que o Senhor Deus saiu em tua defesa e fez você triunfar e ser mais do que vencedor no teu Redentor que vive para todo o sempre, o qual eu creio até hoje, o Senhor Jesus Cristo.

Qual é o cenário de tua vida hoje?

“E ele estava na popa, dormindo sobre uma almofada, e despertaram-no, dizendo-lhe: Mestre, não se te dá que pereçamos?” (Marcos 4.38).

 

Eu não sei qual o cenário da tua vida nesse exato momento, em que você está lendo esta mensagem, porém, o meu desejo é que ele não seja tal como o daqueles discípulos no barco.

Já era tarde quando Jesus resolver dispersar a multidão e atravessar de barco para o outro lado de onde estavam. O mar ficou encapelado e os discípulos passaram por momentos tenebrosos ao ponto de irem quase a pique.

Há situações que se desenham em nossas vidas de modo a nos deixarem em delicada enrascada, sem saída mesmo, de modo que, se o Senhor não nos ajudar, acabamos mergulhados em um mar de lama, ou sendo açoitado por longos dias, meses e até anos sem condições nenhuma de restauração da normalidade, quer seja ela financeira, familiar, social, e até mesmo espiritual.

O que os discípulos contemplaram naquela travessia? Um mar que se levantou de repente, um vento que começou a soprar fortemente as ondas, as ondas que invadiram as embarcações que seguiam o barco de Pedro, um grupo que a cada centímetro de água nos barcos ficava mais apavorado, grupo esse, que navegava com o experiente Pedro a o Senhor Jesus.

O grupo contemplava Jesus dormindo e não tinha coragem para acordá-lo, mesmo sabendo que a tempestade estava fora de seu controle e que o barco era açoitado fortemente pelas ondas e o vento.

Na vida vemos muito disso. A crise se instala, a deixamos assumir o controle de nossas vidas, permitimos que se instale o stresse, o nervosismo, as contendas, as murmurações e também os descontentamentos e não tomamos uma atitude que seja do agrado de Deus e Ele, por sua vez, possa sair em nosso socorro.

Os discípulos deixaram que o problema se agravasse de tal maneira que já estavam indo a pique. Só tomaram uma posição quando viram que não tinha mais jeito nenhum, ai chamaram Jesus Cristo, acordando-o em meio àquela noite fria.

“Por que sois tão tímidos? Ainda não tendes fé? E sentiram um grande temor e diziam uns aos outros: Mas quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem? (Marcos 5.40,41). É muito comum o crente, as famílias de cristãos fiéis e abençoados passarem por crises que lhes fogem do controle, porém, não procuram Jesus no início da dor, da dificuldade, mas somente quando a situação já não tem como ser resolvida à luz dos recursos humanos, mas somente por Deus.

Como você chegou até Cristo?

“E, chegando eles junto de Jesus, rogaram-lhe muito, dizendo: É digno de que lhe concedas isto.” (Lucas 7.4).

É muito comum as pessoas não saberem ao certo como chegaram a um determinado lugar, à frente de uma pessoa importante, ou a um destino que lhe causou surpresas na vida.
A passagem em lide retrata parte da vida terrena de Cristo, quando ele entrou certa vez na cidade de Cafarnaum e foi surpreendido por um grupo de anciãos, amigos daquele centurião que buscaram ajuda para seu servo que estava gravemente enfermo.
Eles chegaram até a pessoa de Jesus porque o homem que pediu ajuda para seu criado, não se achava digno de ir até o Mestre de Nazaré, muito menos recebê-lo em sua casa. Era um homem cheio de fé: “E, por isso, nem ainda me julguei digno de ir ter contigo. Dize, porém, uma palavra, e o meu criado sarará” (Lucas 7.7).
Jesus achou aquela atitude exemplar e disse: “E, ouvindo isso, Jesus maravilhou-se dele e, voltando-se, disse à multidão que o seguia: Digo-vos que nem ainda em Israel tenho achado tanta fé” (Lucas 7.9).
E você como chegou até Cristo? Há alguns que se chegam a Cristo, pelo menos dizem que estão em Cristo, mas não o experimentaram como seu Senhor e seu Salvador. Não gozam da plena paz advinda do Evangelho, não são vitoriosos na vida cotidiana, não são usados na Palavra, nem na autoridade do Espírito Santo, não sabem o que é a unção do Senhor em suas vidas, muito menos foram usado algum dia em algum Dom espiritual.
Essas pessoas estão por ai, misturadas aos crentes fieis, aos servos, tidos e havidos como prontos para subirem no arrebatamento, no rapto da igreja, a qualquer instante. Esse grupo que na verdade ainda não chegaram a Cristo, mas o seguem de longe, com certeza estão negando o nome do Senhor a todos os instantes, tal como o discípulo Pedro o negou: “Pedro o seguiu de longe até dentro do pátio do sumo sacerdote, e estava assentado com os servidores, aquentando-se ao lume.” (Marcos 14.54).
É preciso que cada um cristão, não só se aproxime de Cristo, mas saiba como desfrutar em potencial de tudo aquilo que Ele deixou para os que nEle crêem e o adoram em espírito e me verdade. Glória a Deus!

Não se autodestrua, valorize mais a sua vida, vigie!

“E orou Eliseu, e disse: Senhor, peço-te que lhe abras os olhos, para que veja. E o Senhor abriu os olhos do moço, e viu; e eis que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor de Eliseu.” (2 Reis 6.17).

Desde quando aceitei a Cristo como meu Senhor e Salvador que tenho me preocupado muito com a vigilância. Esta é uma questão de autodisciplina. Não se consegue ser um vitorioso na caminhada cristã se não for disciplinado por natureza. A disciplina para consigo mesmo evita o envolvimento em situações embaraçosas, principalmente as relacionadas com a vida moral, sexual e espiritual.
A vigilância bem feita e que agrada ao Senhor nosso Deus é aquela que pelo menos abrange três importantes áreas de nossa vida: – a observância à Palavra de Deus, para fazer a Sua vontade; – total precaução na hora das tomadas de decisões e manter sempre alerta a visão correta, real, de modo que não se deve deixar de usar o colírio determinado por Jesus: “Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas.” (Apocalipse 3.18).
Jesus disse que são bem aventurados os que ouvem a Palavra de Deus e as guarda (Lucas 11.28). Esses, serão vitoriosos em tudo, pois, quem assim procede Deus garante a vitória, porquanto, a fé é uma marca em sua vida: “Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé.” (1 João 5.4).
Outra fonte da vigilância é a precaução com as decisões. Não podemos ser precipitados nas tomadas de decisões. Deus quer que participemos a Ele as nossas intenções, nossos propósito e alvos de vida. Ele sabe tudo, não necessitaria de falarmos nada, mas Ele abençoa quando a Ele somos submissos. Por isso, é importante colocar diante do altar as nossas decisões. Quem procede de maneira diferente encontrará algum obstáculo ou dificuldades no caminho.
E por fim, a vigilância é completada com a visão espiritual correta. O moço do profeta Eliseu não conhecia a visão celestial, somente a visão natural e por isso ele se apavorou quando viu o exército inimigo pronto para ir invadir Samaria.
Graças a Deus que o profeta Eliseu tinha desenvolvido a visão celestial, à base de oração, fé e comunhão com Deus. Quando essas três fontes auxiliadoras da vigilância são evidenciadas na vida do homem crente, as áreas espinhosas como a sexual, a moral e a espiritual serão protegidas e preservadas pelo Senhor, pois quando o cristão se autodisciplina para fazer valer a vigilância em sua vida, tudo se torna mais brando e o fardo mais leve de se levar. Aleluia!

O que tem se tornado velho em sua vida?

“Dizendo Nova aliança, envelheceu a primeira. Ora, o que foi tornado velho, e se envelhece, perto está de acabar.” (Hebreus 8.13).

Observei outro dia alguém mostrando como é fácil substituir as roupas usadas e fora de moda por outras novas e na estação certa, onde as pessoas correm para as lojas para logo comprar e consumir com gosto e prazer.
A vida espiritual é semelhante, se não cuidarmos do nosso corpo, que armazena as boas qualidades, virtudes, dons e a alma, então, estamos mais que propensos ao naufrágio espiritual. A fé precisa ser renovada, o ânimo deve está sempre de boa, as armas espirituais, orientadas por Paulo aos Efésios em seu capítulo seis, precisam ser utilizadas, principalmente, a espada do espírito, o escudo da fé e o capacete da salvação.
Paulo sempre orientou as igrejas a permanecerem em novidade de vida, pois não se deve deixar nada envelhecer em nós: “De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida.” (Romanos 6.4).
O que tem ficado velho em sua vida? Saiba que o nosso concerto, a nossa regra de fé é com base na Graça e não na Lei de Moisés. Saiba que o que nos espera no porvir é uma nova cidade, um novo céu, e uma nova maneira de adorar ao Senhor, porém, é preciso que hoje, você tenha uma nova alegria, uma nova paz, uma nova unção, um novo poder, um novo amor, um novo brilho, uma nova autoridade, e uma salvação pronta para fazer a diferença diante dos homens e do mundo.
Não permita que as coisas velhas, e aqui vai a vida de iniquidade e pecado, tome conta de seus atos e envolva a sua vida nos imbróglios preparados por Satanás.
Se você viver em novidade de vida, não permitindo que as coisas velhas, que estão prestes a acabar, dominarem a sua vida, certamente, você será uma pessoa abençoada por Deus. Valorize sua fé, sua salvação, a igreja onde você congrega, sua família, seu pastor e a todas as pessoas que te amam. Amém!

Apenas um caco de telha como amigo!

“Sentando-se em cinzas, Jó pegou um caco para se raspar. Então, sua mulher lhe disse: Tu ainda te manténs íntegro? Amaldiçoa a Deus e morre.” (Jó 2.8,9).

O patriarca Jó foi um adorador irrepreensível, um homem temente a Deus, o qual não despertava o interesse de Satanás, porquanto, ele estava em constante oração e sacrificando por seus dez filhos, mas, um dia Deus perguntou se Satanás tinha visto seu servo Jó.

A partir daquele momento os interesses de Satanás por Jó foi grande e investiu pesado contra ele. Num só dia destruiu suas fazendas, robou-lhe seus bens, camelos e ovelhas, bem como destruiu seus dez filhos. E para completar a maldade, colocou nele uma chaga mortal, onde ele passava horas e horas à beira de uma fogueira, tirando cinzas para por em cima de suas feridas e as raspando com um caco de telha, seu melhor amigo.

Quando temos um caco de telha como melhor amigo é porque ele nos proporciona alento, e era o que acontecei com Jó, pois seus verdadeiros amigos, que chegaram a sua casa para consolá-lo, só lhe deram dor de cabeça, aumentando ainda mais o seu sofrimento, diferentemente, do caco de telha, que aliviava as suas dores.

Eu creio que a esposa de Jó foi para ele uma fiel companheira e o que ela queria realmente era amenizar o sofrimento de seu marido, Jó. Ela não teve nenhuma intenção de jogar Jó contra Deus. Ele sofria junto com Jó as dores de tudo que Satanás lhe havia aprontado, principalmente, a morte dos dez filhos.

A piedade de Jó lhe resultou na perda repentina de seus filhos e filhas, da perda de suas riquezas, e até mesmo da subsistência, porquanto, nada lhe restou para saciar a sua fome, os inimigos levaram tudo. Jó é um exemplo de paciência e superação sem igual, pois depois de algum tempo, como ele não negou o nome de Deus e como não deixou de crer no Redentor que se levantaria um dia, então, Satanás se retirou dele e o Senhor Deus de Israel o abençoou grandemente. A sua vitória depois da prova, foi muito maior do que antes. Então, a lição que fica é que vale a pena confiarmos em Deus, nosso Salvador Eterno.

Às vezes um caco de telha, tem sido o melhor amigo para muitos!

“MAIS TEM O SENHOR QUE TE DAR DO QUE ISSO”

“Mais tem o Senhor que te dar do que isso” (II Cr 25:9b)

O capítulo 25 do segundo livro das Crônicas narra uma história muito peculiar, vivida por Amazias, Rei de Judá. No texto, Amazias enfrenta um forte oponente, os Edomitas. Para ir à guerra, Amazias contrata 100.000 homens de guerra em Israel, contratando-os por 100 talentos de prata para que eles o ajudem no combate. Quando aqueles homens chegam para guerrear ao lado do exército de Judá, um profeta vai ao encontro do Rei Amazias e o adverte de que se ele for à batalha junto com aquele exército, ele perderia a guerra. Mas se ele fosse sozinho, somente com o seu exército, Deus lhe daria a vitória. Ou seja, Deus não aprovava aquela união.

Podemos observar que Deus, através do profeta, faz uma advertência, mas também faz uma promessa. Ele daria a vitória ao exército de Amazias, bastando que ele confiasse em tal promessa. Diante da fala do profeta, Amazias pronuncia uma frase que ecoa até hoje sem encontrar qualquer justificativa ou explicação. Disse o rei ao profeta: “Que se fará, pois, dos cem talentos de prata que dei às tropas de Israel?” (II Cr 25:9a). Impressionante!!! Deus acabara de lhe fazer uma promessa de vitória, de que o acompanharia, de que o conduziria, de que o orientaria, e o rei,  nesse momento, manifestou profunda preocupação com 100 talentos de prata que ele pagara às tropas de Israel. Um talento de prata equivale a 34,27 quilos. Portanto, Amazias remunerara o exército de Israel com 3.427 quilos de prata. Em valores de hoje, isso equivaleria a mais ou menos R$ 6.771.752,00, já que um quilo de prata é negociado, em média, por R$ 1.976,00.

Ou seja, diante de uma promessa de vitória, o Rei Amazias manifestou sua profunda mesquinhez, ao se preocupar com um valor tão irrisório, já que estamos falando de um Rei. Diante da bobagem que Amazias perguntara, o profeta dá uma resposta que é um bálsamo em nossas vidas até hoje. Ele disse: “Mais tem o Senhor que te dar do que isso” (II Cr 25:9b). Para sua felicidade, Amazias considera a palavra do profeta, dispensa o exército de Israel e vai sozinho à batalha. Ele perdeu 100 talentos de prata, mas venceu a guerra!!!!

Esta história serve para nos orientar quanto às nossas decisões em nosso dia a dia. Sempre somos afrontados a fazer escolhas e, sejamos sinceros, nem sempre fazemos as escolhas corretas. Quantas vezes as “vantagens“ que nos são apresentadas são tão tentadoras, que titubeamos ante a possibilidade de ganhar algo do ponto de vista financeiro, sem considerar que estamos perdendo do ponto de vista espiritual. Nem sempre um ganho ou vantagem financeira, social, material, etc, representa um passo em direção ao Senhor. E às vezes, assim como o Rei Amazias, ficamos cegos diante das questões de caráter financeiro que nos esquecemos das ponderações de cunho espiritual.

Que cada um de nós saiba admitir perdas materiais e financeiras, mas jamais perdas espirituais. Temos visto constantemente nos noticiários, homens poderosos e absurdamente ricos sendo presos e envergonhados, porque um dia fizeram escolhas erradas. Assim como o Rei Amazias, consideraram mais as questões financeiras e momentâneas que as questões morais e espirituais, que nos conservam dignos de ser aceitos por Deus. Adquiriram bens e riquezas, mas de fontes que não eram santas e seguras. Nesse caso, o fim é sempre trágico. Tais escolhas sempre conduzem as um final vergonhoso e distante de Deus. Amazias, apesar de relutar, ainda fez a escolha certa. E você amigo? Que escolhas tem feito? De onde vem a sua prosperidade e seu patrimônio?

Sempre que se encontrar diante de uma necessidade de decisão, como a que teve o Rei Amazias, lembre-se: “Mais tem o Senhor a te dar do que isso”. Grande abraço e fique na Paz do Senhor.

Pastor Aparício Duarte

Por que Jesus é a água da vida?

“Mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna. Disse-lhe a mulher: Senhor, dá-me dessa água, para que não mais tenha sede, e não venha aqui tirá-la.” (João 4.14,15).

Uma das passagens mais linda da Bíblia é essa que trata da salvação da mulher samaritana. Ali Jesus trocou o cântaro da água que não mata a sede, pela fonte que salta para a vida Eterna. Ali Jesus trocou a tristeza da mulher, pela alegria da salvação; E mais, Jesus fez da mulher solitária e angustiada pela vida, uma evangelista, a qual, de tanta satisfação e gozo na alma, saiu pela cidade falando do Mestre Jesus Cristo, o Messias prometido a Israel.

Jesus é a água da vida porque o homem é um sedento mortal. O profeta Isaías diz: “Ó vós, todos os que tendes sede, vinde às águas, e os que não tendes dinheiro, vinde, comprai, e comei; sim, vinde, comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite.” (Isaías 55.1). O salmista também expressa a sua imensa alegria em ter o Senhor Deus como aquele que o sacia a sua sede espiritual: “Assim como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus! A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando entrarei e me apresentarei ante a face de Deus?” (Salmos 42.1,2).

Davi no salmo 63 anela em Deus matar a sede de sua alma: ““O Deus, tu és o meu Deus, de madrugada te buscarei; a minha alma tem sede de ti; a minha carne te deseja muito em uma terra seca e cansada, onde não há água.” (Salmos 63.1). É muito prazeroso quando em Deus encontramos a solução para o problema da alma, e saciamos essa sede que surge com a ansiedade e o pecado.

Por que Jesus é a água da vida? Porque o mundo não se satisfaz, ele precisa de uma fonte que salte para a vida Eterna, que o coloque novamente diante da presença do Deus vivo, capaz de lhe aliviar da secura do pecado.  Jesus mesmo disse: “Vinde a mim, todos vós que estais cansados e oprimidos, pois Eu os aliviarei”. Isaías complementa: “Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos.” (Isaías 53.6).

Jesus é o manancial de águas vivas, em pleno deserto (o mundo): “Porque o meu povo fez duas maldades: a mim me deixaram, o manancial de águas vivas, e cavaram cisternas, cisternas rotas, que não retêm águas.” (Jeremias 2.13).

Jesus Cristo é a água da vida, porque ele realiza tudo em todos. Paulo ao escrever aos Colossenses diz: “Onde não há grego, nem judeu, circuncisão, nem incircuncisão, bárbaro, cita, servo ou livre; mas Cristo é tudo, e em todos.” (Colossenses 3.11). Jesus é capaz de transformar o mais vil pecado num homem cheio do Espírito Santo, isso porque Ele é o manancial de águas vivas. Águas que purificam do pecado, e tira a sede da alma, satisfazendo-a plenamente em Cristo, a água viva.

Arrependimento, uma arma contra Satanás

Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que 
por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento.” (Lucas 15.7).  
O Senhor Jesus Cisto deixou para todos nós uma arma capaz de atrapalhar todos os 
planos de Satanás, o arrependimento dos pecados. Quando o homem humildemente se arrepende de 
seus pecados, automaticamente, recebe o perdão de Deus pelos seus pecados e sua alma fica 
aliviada e cheia de disposição para servir e adorar ao Senhor, Criador dos Céus e da terra. 
É muito gratificante quando o homem sente-se perdoado por Deus e também pelo seu 
semelhante, é um gozo inexplicável, porquanto ele resgata a vida Eterna novamente e a alegria da 
Salvação anteriormente sem nenhum vigor.  
Davi quando pecou contra Deus, e se encontrava numa situação de grande tristeza ele 
disse ao se arrepender: Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que é mal à tua vista, para que 
sejas justificado quando falares, e puro quando julgares. (Salmos 51.4). Esse arrependimento foi 
sincero e ele encontrou a misericórdia de Deus que lhe proporcionou o perdão para com seus erros 
e iniquidades cometidas. 
O que Deus quer de nós, responde a Bíblia: Produzi, pois, frutos dignos de 
arrependimento.” (Mateus 3.8). Deus quer que cada um produza frutos dignos de arrependimento, 
tal como fez o filho pródigo que disse: “Levantar-me-ei e irei ter com meu pai e lhe direi, pai, 
pequei contra o céu e contra ti,  não sou digno de ser chamado teu filho”. O pai o recebeu gostoso 
e lhe conduziu novamente ao seio da família, dando-lhe ainda, roupas novas, anel, sandália e 
mandando matar o bezerro cevado para oferecer aos convidados uma grande festa, pois tamanha era 
sua satisfação por ter de volta o seu filho mais novo. Ele até disse: “Esse meu filho estava morto e 
reviveu”. 
O arrependimento segundo as Escrituras é o reconhecimento sincero da culpa, tal como 
fez Davi, na passagem em lide. É na verdade a mudança de atitude: Porque éreis como ovelhas 
desgarradas; mas agora tendes voltado ao Pastor e Bispo das vossas almas. (1 Pedro 2.25).  
Se você acha-se em falta com Deus, então, aproveite a oportunidade para se reconciliar 
com Ele e obter de volta a sua saúde espiritual, a paz e a felicidade da alma. Quando você assim 
procede, o inimigo de nossas vidas, Satanás, fica é furioso, pois você passa a ter acesso novamente 
aos mistérios de Deus. 

Ai vem o esposo! (continuação)

“Mas, à meia noite, ouviu-se um clamor: Ai vem o esposo! Saí-lhe ao encontro!” (Mateus 25.6).

 

Amigo e amiga, meu irmão e minha irmão em Cristo, se você encontra-se desanimado, desanimada, faça um esforço, tire forças de onde você não têm, ou seja, procure ajuda de seu pastor e não permita que o desânimo, a fraca fé e o desinteresse pelas coisas celestiais venham a se tornar mais críticos, ao ponto de fazer você um prisioneiro, uma prisioneira, novamente do inimigo e do pecado. Erga-se e o Senhor irá te dá vitória. Lembre-se que o arrebatamento da igreja poderá acontecer a qualquer momento e você não poderá deixar de participar desse maravilhoso evento, até porque você conhece a verdade e já teve experiências marcantes com Cristo.

Não perca essa oportunidade. Muitos têm buscado a Deus de maneira errada e acabam fracassando na fé. As cinco loucas não tiveram êxito porque não souberam aproveitar o restinho de azeite que tinham em suas lamparinas, mas optaram em ir comprá-lo em hora errada e em lugares incertos: “E tendo elas ido comprá-lo, chegou o esposo, e as que estavam preparadas entraram com Ele para as bodas e fechou-se a porta.” (Mateus 25.10). Não existe uma sensação mais triste de que uma porta ser fechada em sua cara! Têm?

Jesus já expiou os seus pecados, já pagou caro na cruz do Calvário, já riscou a  cédula que era contra nós, então, não existe motivo para você abandonar a esse Jesus: “Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz.” (Colossenses 2.14).

Oportunidade desperdiçada é como a oração feita fora da porta: “E depois, chegaram também as outras virgens, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos a porta.! (Mateus 25.11). Agora, já é tarde demais. “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! Entrará no Reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele Dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E, em teu nome, não expulsamos demônios? E, em teu nome, não fizemos muitas maravilhas? (Mateus 7.21-23). Deus não ouvirá, a oração feita depois que a porta se fechar.

O que a Bíblia orienta? “Assim, são as veredas de todos quantos se esquecem de Deus, e a esperança do hipócrita perecerá. A sua esperança fica frustrada, e a sua confiança será como a teia de aranha” (Jó 8.13,14). Cuidado! Em breve se ouvirá o clamor: Ai vem o esposo!

Ai vem o esposo! (continuação)

“Mas, à meia noite, ouviu-se um clamor: Ai vem o esposo! Saí-lhe ao encontro!” (Mateus 25.6).

O clamor da meia-noite já é notório. O mundo está mergulhado em trevas e a mídia não pede licença para entrar em sua casa, em sala de aula e nas demais localidades públicas. Os cineastas, os roteiristas de novelas, os que fazem propagandas de algum produto e aqueles que usam o homem e a mulher para a perdição, para a pornografia e a vida de orgia, não têm piedade de ninguém, mas seu interesse está voltado para a ganância de angariar mais e mais dinheiro, não se importando com a moral, a ética e a religião de ninguém.

O clamor da meia-noite irá pegar a todos de surpresa, tal como aconteceu com aquelas cinco noivas que foram comprar azeite a meia-noite, quando tudo estava devidamente escuro e sem nenhum estabelecimento aberto ou alguém disposto a atendê-las, como diz as Escrituras: “Não vos maravilheis disso, porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz” (Mateus 25.6). Muitos estão na verdade mortos em seus pecados e por isso não ouvirão o clamor da voz de Arcanjo e trombeta de Deus, consequentemente, não participará do arrebatamento da igreja, é uma pena!

João 5.28 registra: “E aconteceu, à meia-noite, que o Senhor feriu todos os primogênitos na terra do Egito, desde o primogênito de Faraó, que se sentava em seu trono, até o primogênito do cativo que estava no cárcere e todos os primogênitos dos animais” (João 5.28). Fuja da meia-noite e venha para a luz, que é Cristo.

É preciso que cada um se mantenha firme na fé, guardando o bom depósito que recebeu de Cristo: “Guarda o bom depósito pelo Espírito Santo que habita em vós” (1 Timóteo 1.14). Aleluia! Não se desligue, pois em breve ouviremos o clamor: Ai vem o esposo!

Ai vem o esposo! (continuação)

“Mas, à meia noite, ouviu-se um clamor: Ai vem o esposo! Saí-lhe ao encontro!” (Mateus 25.6).

 

Quem ama a vinda de Cristo precisa manter a sua esperança renovada. Não poderá jamais desanimar, mas esperá-lo com fé e perseverança. É preciso que cada um crente em Jesus esteja na verdade preparado para esse grande evento, o rapto da igreja do Cordeiro, tal como uma virgem pura: “Porque estou zeloso de vós com zelo de Deus; porque vos tenho preparado de Deus, possais alcançar a promessa” (Hb 10.36).

Em Mateus 25.5, registra a parábola das dez virgens, onde Jesus diz que elas, todas elas tosquenejaram, e só despertaram quando ouviram o clamor: Ai vem o esposo! E quando elas todas despertaram, somente cinco delas tinham azeite suficiente para irem até o local onde estava o noivo, e com ele ir para as bodas.

Tal passagem revela que é preciso que cada um de nós, que crer em Jesus Cristo como Salvador e Senhor de sua vida, que ama a Sua vinda e tem a esperança de vida Eterna, não poderá dormir, nem adormecer, mas permanecer firme, vigilante a fim de não perder a oportunidade de participar de tão esperado momento, o arrebatamento da igreja.

Paulo alerta a todos quanto estão aguardando esse momento: “Não durmamos, pois, como os demais, mas vigiemos e sejamos sóbrios” (1 Tessalonicenses 5.6). Amém”. Ai vem o esposo! Clamor esse que só ouvirá quem estiver firme na fé.

Ai vem o esposo! (continuação)

“Mas, à meia noite, ouviu-se um clamor: Ai vem o esposo! Saí-lhe ao encontro!” (Mateus 25.6).

Como noiva de Cristo, eu e você precisamos nos manter firmes, vivos espiritualmente falando e prontos para o combate diário, contínuo e insistente do inimigo de nossas almas. Ele veio senão, matar, roubar e destruir. Ele tudo fará para que percamos a nossa coroa e nos desliguemos desse grande evento, o arrebatamento da igreja.

No dia do rapto da igreja, não adianta dizer: “Comíamos e bebíamos na Sua presença e ensinavas nas nossas ruas” (Lucas 13.26). O Senhor conhece os que lhe pertencem e quem de fato está aguardando a sua vinda por fé e esperança renovada. A Ele ninguém engana, pois Ele conhece tudo sobre cada um de nós.

Aparte-se, pois, da injustiça todo aquele que professa o nome do Senhor e o aguarda pacientemente por sua vinda (2 Timóteo 2.19). A Bíblia ainda diz: “Ora, se é com dificuldades que o justo é salvo, então, onde vai comparecer o ímpio, sim, o pecador? (1 Pedro 4.19).

É preciso que cada crente que ama a Cristo o espera ansiosamente, tenha uma esperança gloriosa, porquanto, a volta do noivo foi prometida e a Palavra será cumprida: “E, se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez e vos levarei para mim mesmo, para que, onde eu estiver, estejais vós também” (João 14.3). Que promessa edificante.

Quando ouvires: Ai vem o esposo, então, tenha a certeza de que, só subirão aqueles que estiverem firmes na fé, ligados nas coisas espirituais e que amam a vinda de Jesus Cristo, ou seja, que guardaram bem a sua coroa: “Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.” (Apocalipse 3.11).

Notícia: Confraternização com toda a igreja dia 19/02/2017

O Ministério de Família informa que no dia 19/02, haverá um lanche comunitário após o culto às 20h em nossa igreja.

Solicitamos que os irmãos procurem o Presbítero Robemar e a irmã Monalisa para informar o que podem trazer.
O objetivo deste lanche comunitário é para que possamos conversar um pouco mais e nos conhecermos um pouco mais.

Venha e traga alguém com você.

Pastor Eliezer Guedes