Doutrina fortalece, edifica, santifica e torna o cristão sadio espiritualmente

“Propondo estas coisas aos irmãos, serás bom Ministro de Jesus Cristo, criado com as palavras da fé e da boa doutrina que tens seguido” (1 Timóteo 4.6)

A verdadeira doutrina procede da pessoa de Deus: “Jesus respondeu e disse-lhes: A minha doutrina não é minha, mas daquele que me enviou” – João 7.16 – logo, sem doutrina a igreja de Cristo não sobrevive em fortificação e fé, mas perde o rumo do céu, faz naufrágio na fé, torna-se vulnerável às heresias e seitas que surgem todos os dias, com propósitos de confundir os santos que não têm doutrina firmada.

Sem doutrina, o cristão deixa de observar e praticar os ensinamentos de Cristo, deixados em Sua Palavra para nossa edificação. Sem doutrina ele se afasta de Cristo com facilidade: “Todo aquele que prevarica e não persevera na doutrina de Cristo não tem a Deus; quem persevera na doutrina de Cristo, esse tem tanto o Pai como o Filho” – 2 João 9.

Sem doutrina a morte espiritual é certa: “Se alguém ensina alguma outra doutrina e se não conforma com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo e com a doutrina que é segundo a piedade, é soberbo e nada sabe, mas delira acerca de questões e contendas de palavras, das quais nascem invejas, porfias, blasfêmias, ruins suspeitas, contendas de homens corruptos de entendimento e privados da verdade, cuidando que a piedade seja causa de ganho, Aparta-te dos tais” – 1 Tm 6.3-5.

É muito sério, para aqueles que querem morar no céu, rejeitar os cultos de doutrina, onde se aprende a manusear a Palavra da Verdade. Muito me preocupa o fastio de muitos crentes hoje. Quando a igreja não vê a liderança comparecer aos cultos de doutrina, certamente sentir-se-á desestimulada e não comparecer também.

Os conjuntos, os cantores, os solistas, os músicos, enfim, todos, devem se sentir atraídos pelo culto doutrinário, ou seja, o culto de ensinamento da Palavra de Deus. Como ministro do evangelho e líder espiritual, sabedor de que é através desse culto que se aumenta a fé, a edificação e a firmeza em Cristo, conclamo a você meu amigo que tem se afastado do culto de ensinamento e por isso, andas tão vazio e tão morno nestes últimos dias.

A minha exortação é para que você não deixe o fastio espiritual se apoderar de sua vida. Sinta prazer em comer da Palavra de Deus, pois ela é que alimenta a alma e o espírito. Quem não gosta de doutrina torna-se orgulhoso (1 Tm 6.3,4); ignorante e maníaco por contenda (1 Tm 6.4), diz a Bíblia.

Paulo orientou muito bem a seu “filho na fé” Timóteo: “Propondo estas coisas aos irmãos, serás bom Ministro de Jesus Cristo, criado com as palavras da fé e da boa doutrina que tens seguido” (1 Timóteo 4.6).

Compareça aos cultos de doutrina de sua igreja. Participe do ensino, pois é ele que irá lhe proporcionar força e fé para caminhar como bom soldado de Cristo.

Ser fiel em todas as situações, não é coisa tão fácil

“Eis que o nosso Deus, a quem nós servimos é que nos pode livrar; Ele nos livrará da fornalha de fogo ardente, e da tua mão, ó rei” (Dn 3.17).

A palavra fiel e fidelidade derivam de uma raiz hebraica conhecida como: “´áman” que tem o significado de confirmar, sustentar, estabelecer-se, ser fiel, estar certo e crer em. No âmago do sentido da raiz está a idéia de certeza de “fé” de total e irrestrita confiança em Deus. Isto é sustentado pela própria definição de fé no Novo Testamento: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que se não vêem” (Hb 11.1).

A idéia básica da raiz é a de firmeza ou certeza. Há também o conceito de sustento e é usado no sentido de braços fortes que sustentam uma criança necessitada. O salmista canta: Ex 15.16 “Espanto e pavor cairá sobre eles; pela grandeza do teu braço emudecerão como pedra; até que o teu povo haja passado, ó SENHOR, até que passe este povo que adquiriste. “Tu tens um braço poderoso; forte é a tua mão, e elevada, a tua destra” (Sl 89.13).

A palavra “´áman em basicamente o sentido de “Tornar certo, convicto,”, “Ser assegurado”. Neste sentido a palavra é traduzida para “Crer” e mostra que a fé bíblica é algo seguro, uma certeza, em contraste com conceitos modernos de fé que falam de algo possível, que se espera ser verdadeiro, ainda que não seja certo. A fé é o que diz em Hebreus: 11.1 “ Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que se não veem.”

O recado de Deus para todos nós neste dia é que precisamos lutar com todas as forças que temos para sermos fiéis a Deus em tudo e isso não é coisa tão fácil. Só conseguiremos ser fiéis ao Senhor se levarmos uma vida de plena comunhão com o Espírito Santo, não relaxar nas consagrações, na oração, na leitura e meditação da Palavra de Deus e procurar ser assíduo aos trabalhos na igreja.

Daniel e seus amigos, Sadraque, Mesaque e Abednego foram fiéis em seus propósitos e os três últimos foram colocados dentro de uma fornalha de fogo bem ardente e nada aconteceu a eles pois o Senhor os livrou do fogo, porquanto eles foram fiéis e não se dobraram para adorar aos deuses babilônicos e nem se curvaram à estátua do rei Nabucodonosor.

Daniel e seus amigos confiaram em Deus, fizeram propósitos diante do Senhor e os cumpriram, se submeteram a uma prova difícil: “E disse o chefe dos eunucos a Daniel: tenho medo do meu senhor, o rei, que determinou a vossa comida e a vossa bebida; pois por que veria ele os vossos rostos mais tristes do que os dos outros jovens da vossa idade? Assim porias em perigo a minha cabeça para com o rei” (Dn 1.10).

Daniel e seus amigos foram aprovados com distinção. As lições que aprendemos com eles são: uma vida de separação, de santificação é um dos segredos de quem quer vencer na vida; a vitória só é alcançada pelo cristão, se ele for humilde em suas atitudes e for obediente ao Senhor em tudo e por fim, é perfeitamente possível ser um crente fiel sem se contaminar com esse mundo vil. Pense nisso!

Não permita que sua esperança torne-se em desilusão

“Ora o Deus de esperança vos encha de todo o gozo e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo” (Romanos 15.13).

Outro dia li um livro e o autor dizia: “ovos são ovos, mas alguns apodrecem, da mesma forma esperanças são esperanças, mas muitas delas transformam-se em desilusões”.

É a pura realidade. O Diabo é PHD em tornar a vida de paz em intranquilidade geral, a vida de união em desunião, provocando uma tremenda confusão e contendas generalizadas entre as famílias, ele também faz com que as pessoas que relaxam nas buscas por um dia melhor ou em persistir nas realizações de seus sonhos, desvaneçam e percam a esperança, indo direto para o porão dos desiludidos, que não comporta meia dúzia de pessoas, mas uma grande multidão.

Sem paciência é a mesma coisa que jogar água fria na fogueira, aos poucos só haverá fumaça, até extinguir-se o fogo totalmente. “E a paciência a experiência, e a experiência a esperança” (Rm 5.4), assim se expressava Paulo ao escrever aos romanos.

O patriarca Jó disse muito bem: “Onde, pois, estaria agora a minha esperança? Sim, a minha esperança, quem a poderá ver? (Jó 17.15). Ninguém poderia ver, nem a sua esposa, nem seus amigos e nem tão pouco os seus acusadores. Somente ele poderia ver o que se passava dentro daquele coração ferido e dorido. Jô guardou a fé, manteve firme a âncora da esperança e quando todos pensavam que ele havia desfalecido de vez, ou seja, entregado os pontos, ele bradou: “Eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará” (Jó 19.25).

Cada um crente em Jesus Cristo em esperança foi salvo: “Porque em esperança fomos salvos. Ora a esperança que se vê não é esperança; porque o que alguém vê como o esperará? (Rm 8.24). Quantos não conseguem mais viver em paz, se sentem inseguros e em profunda desilusão, justamente porque perderam a esperança: “E terás confiança, porque haverá esperança; olharás em volta e repousarás seguro” (Jó 11.18).

Jó é um exemplo de quem passou por grandes dificuldades, fortes dores na alma, mas não se entregou, perseverou em esperança e triunfou no apagar das luzes, porque Deus jamais o desamparou, lhe dando por fim a vitória e fazendo-o triunfar em fé e em esperança.

Saiba que a esperança dos justos é transformada em alegria: “A esperança dos justos é alegria, mas a expectação dos perversos perecerá” (PV 10.28). Não jogue fora a sua esperança, tenha fé em Cristo e espere para seres um vencedor.

Um bom conselho: “Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração” (Rm 12.12).

Jacó, um homem de coragem, um homem diferente

“E levantou-se…tomou as suas duas mulheres, e as suas duas servas, e os seus onze filhos, e passou o vau de Jaboque. E tomou-os e fez passar o ribeiro; e fez passar tudo o que tinha. 24. Jacó, porém, ficou só; e lutou com ele um varão, até que a alva subia” (Gn 32.22,23); “Então, disse Jacó à sua família e a todos os que com ele estavam: tirai os deuses estranhos que há no meio de vós, e purificai-vos, e mudai as vossas vestes. E levantemo-nos e subamos a Betel; e ali farei um altar ao Deus que me respondeu no dia da minha angústia e que foi comigo no caminho que tenho andado”. (Gn 33.1-3).

O “ser diferente”, não está ligado intimamente às características exteriores, mas as interiores, que nascem lá na alma e refletem pelo corpo e no espírito.

Jacó foi um dos patriarcas dos hebreus e que, desde o ventre, levou a marca de “usurpador, enganador”, referente ao seu próprio nome, todavia, pela sua coragem e moral elevada, por ter se aproximado de Deus e sentido a necessidade de ser transformado é que o Senhor lhe trocou o nome de Jacó para Israel, pois viu no coração do filho de Isaque algo diferente a começar pelo seu desejo de pedir perdão ao seu irmão Esaú, cuja amizade estava aranhada desde o dia em que ele comprou a primogenitura de seu irmão por um prato de lentilhas e, juntamente com sua mãe enganaram a Isaque seu pai, roubando a bênção que era para seu irmão Esaú, conforme a tradição do povo judeu.

Jacó teve o seu nome mudado por Deus, numa luta misteriosa no vale de Jaboque, o mais importante rio de Gileade e um tributário do Jordão. Uma luta que traduz muito bem o conflito entre a carne e o espírito. A vida de Jacó foi cheia de altos e baixos; de vitórias e também de muitas derrotas. Sempre que Deus resolve tomar uma vida para usá-la no seu serviço, a primeira coisa que opera é uma transformação, o que nos leva a afirmar que ninguém é capaz neste mundo, de realizar qualquer coisa concreta, no seu reinado, enquanto não for transformado num novo homem, pela operação do Espírito Santo de Deus.

O profeta Isaías era de impuros lábios, tímido e inseguro até que a brasa viva do altar do Senhor tocou-lhe os lábios, transformando-o numa nova criatura para exercer com autoridade o ministério profético. Isaías teve coragem para ir ao templo e se deixar alcançar por Deus para ser um homem diferente dos demais de sua nação.

Os pescadores do mar da Galiléia foram transformados pelo poder das palavras do Mestre e se tornaram pescadores de homens. Eles tiveram coragem para seguir a Cristo, para aceitar o convite para serem pescadores de homens, ou seja, tiveram coragem para serem diferentes dos demais judeus. Paulo foi transformado pelo poder de Deus: de perseguidor a perseguido; de Saulo em Paulo; de fariseu em apóstolo dos gentios, tudo por amor a Cristo, por amor a causa do precioso Evangelho de Jesus Cristo, o Salvador eterno.

A relação dos que foram transformados por Deus para logo se tornarem baluartes da fé e instrumentos do Espírito Santo, tornar-se-ia interminável se tivesse que relacionar tais ungidos e ungidas do Senhor. Hoje, Deus continua fazendo a sua Obra transformadora nas vidas de homens e mulheres a fim de o seu nome ser exaltado e glorificado.

O povo de Deus transformado pelo poder do Seu Espírito Santo deve colocar-se ao serviço dos milhões que ainda vivem a velha vida. Vivem a velha vida porque não têm coragem de se deixarem alcançar por Cristo para serem diferentes. Sem a transformação espiritual, jamais seremos diferentes.

Sem a renovação espiritual, que sempre gera graça para outras áreas da vida, não se consegue obter êxito contínuo, mas somente se nos colocarmos na presença de Cristo, e termos coragem para nos deixarmos ser transformados para realizarmos o trabalho que Deus nos confiará.

Vivamos a vida renovada e abundante que o Senhor Jesus Cristo tem nos concedido. Tenha coragem e seja diferente!

Ele vem!

“Sede vós também pacientes, fortalecei o vosso coração, porque já a vinda do Senhor está próxima” (Tiago 5.8).

O apóstolo Paulo amava a expressão: “Ora vem Senhor Jesus!”. Maranata é uma palavra de etimologia hebraica, “Marân Atâh” cujo significado é “vem Senhor”. Na verdade é uma expressão aramaica e em toda a Bíblia só ocorre pelo menos duas vezes. A primeira na primeira epístola aos coríntios 16.22, e a segunda no livro do apocalipse 22.20 “Aquele que testifica estas coisas diz: certamente, cedo venho. Amém! Ora, vem, Senhor Jesus! Esta última passagem é a mesma expressão utilizada por Paulo, porém, como uma oração ou pedido, e não mais na língua hebraica, mas na grega, e traduzida por: “vem, Senhor”.

No princípio da igreja não havia a saudação “A paz do Senhor”, muito utilizada pelas igrejas pentecostais de hoje. Quando um judeu encontrava-se com outro judeu havia uma troca de saudação, então, eles diziam um para o outro: “Marân”, todavia, encontrando-se com um judeu convertido a Jesus Cristo, este acrescentava a palavra “Athâ”, que é o pronome pessoa hebraico “tu”, “você”, cujo significado é “o Messias veio, está aqui e voltará novamente” que, com o passar do tempo foi traduzida como “Ora vem, Senhor Jesus!”.

“Ele vem!”, trata-se de uma expressão que denota certeza, fé, convicção de que o Senhor Jesus virá realmente. É muito gratificante quando abrimos as Escrituras e encontramos as expressões: “vem!”, “Ora vem, Senhor Jesus”. São frases assim que nos enchem de alegria e esperança pela vinda do Filho de Deus, que não tardará, mas virá para buscar a Sua igreja amada e que por ele deu a Sua vida na cruz.

No verso escrito por Tiago duas palavras são de suma importância para se entender a urgência de se colocar cada vida no altar, ser vigilante na espera do Cordeiro e não aceitar as ofertas mirabolantes do Diabo para nos tirar do foco, da graça e da presença de Cristo.

As duas palavras acham-se no versículo em lide: Paciência e fortalecimento. A primeira é traduzida na Bíblia por perseverança. A Bíblia mesmo diz: “… melhor é o paciente do que o arrogante” (Ec 7.8). É preciso que aqueles que esperam a vinda de Jesus tenham, pois, paciência, sejam perseverantes em tudo, até mesmo nas tribulações.

A paciência produz experiência e esperança (Rm 5.4). A outra palavra que precisa ser observada por cada crente em Jesus é fortalecimento. É preciso que cada um salvo em Cristo se fortaleça em amor, em perdão, na Palavra e na esperança de um dia encontrar-se com o Rei dos reis e Senhor dos senhores.

Quem espera o Senhor Jesus precisa lutar para não deixar a chama da salvação se apagar, mas manter a lâmpada do testemunho acessa todos os instantes da vida, não desmotivando e nem fazendo naufrágio na fé. Saiba que Ele vem, e não tardará. Ele Vem!

Saístes a ver?

“Sim, que saístes a ver? Um homem vestido de roupas finas? Ora, os que vestem roupas finas assistem nos palácios reais.” (Mateus 11.8).

Não, não saímos a ver um homem vestido de roupas finas, mas um grupo unido, desejoso de Deus, capaz de juntos vencerem as mais árduas batalhas que se levantam no dia a dia. Um grupo onde o pai, a mãe e todos os filhos da casa oram e o Senhor responde. Uma família onde se cumpre o que o salmista bem escreveu: “Bem-aventurado aquele que teme ao Senhor e anda nos seus caminhos! Pois comerás do trabalho das suas mãos, feliz serás e te irá bem. A tua mulher será como a videira frutífera aos lados da tua casa, os teus filhos como plantas de oliveira, à roda da tua mesa. Eis que assim será abençoado o homem que teme ao Senhor! O Senhor te abençoará desde Sião e tu verás o bem de Jerusalém em todos os dias da tua vida. E verás os filhos de teus filhos e a paz sobre Israel” (Salmos 128).

Que bom seria se esse relato emplacasse e se fizesse cumprir no seio de todas as famílias cristãs? Oh, como Deus ficaria satisfeito vendo que as famílias cristãs lutando para um dia morarem no céu, e com Cristo reinarem para todo o sempre!

Quando se quer, se faz e com proficiência. As famílias precisam batalhar mais e sacrificarem um pouco mais em prol de um futuro melhor e de uma tranquilidade constante no lar. É preciso que os valores morais e as responsabilidades de cada um sejam bem definidas e que a felicidade seja evidenciada com frequência em cada membro do grupo.

Saístes a ver o que? Eu sai para ver um pai, uma mãe e seus filhos cheios da graça, felizes e firmes com Cristo. Que bom se Jesus todos os dias saísse a ver a sua família e a minha também e as encontrasse agradecendo, orando, lendo ou meditando em Sua Palavra, fazendo o bem, visitando as viúvas, os aflitos, alimentando os famintos, dando água aos sedentos, visitando os presídios, os órfãos e aos necessitados nos leitos dos hospitais…

Oh! Como é triste não se conseguir realizar a obra que Deus nos deixou com eficácia! Mesmo assim saímos a ver a Igreja de Cristo lutando para cumprir o Ide de seu Senhor, mesmo com todos os obstáculos e dificuldades desta vida. Não desista, sai a ver!

Quantas Maravilhas em Cristo Jesus

“Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo” (Efésios 1.3).

Enquanto o mundo se desespera em contemplar suas desgraças e agonias provocadas pela iniquidade e o afastamento total de Deus, a Igreja do Cordeiro de Deus, se fortalece em Sua Palavra, sendo confortada por uma mensagem de esperança e fé, que enche os que creem em Cristo de pleno gozo e paz, porquanto, há inúmeras maravilhas na pessoa do Salvador Jesus.

Uma dessas maravilhas é saber que o cristão pode desfrutar de todas as bênçãos espirituais, bastando tão somente, estar em Cristo. Como é salutar ter a confiança de que a escolha por Cristo deu direitos a todos quantos o aceitaram, sendo assim por Ele escolhido, eleito e exortado a permanecer santo e irrepreensível diante dEle em amor: “Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor” (Ef 1.4).

Não se pode esconder a alegria do cristão em saber que o próprio Deus adotou a todos quantos creram em Seu Filho unigênito, Jesus. O crente fiel só tem é que agradecer ao Senhor, pois nEle todos os salvos foram agraciados, para louvor da glória de sua graça na pessoa maravilhosa de Jesus Cristo: “Para louvor da glória de sua graça, pela qual nos fez agradáveis a si no Amado” (Ef 1.6).

O mundo não consegue entender os mistérios registrados na Palavra de Deus, nem o cristão consegue, por mais que se esforce, agradecer totalmente ao Senhor por uma tão grande salvação, todavia, foi Jesus quem nos redimiu: “Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça” (Ef 1.7).

Até aqui é o mesmo que nadar nas bênçãos, porém, ainda restam outras maravilhas, as quais nos deixam radiantes de alegria, tais como a certeza de que podemos abundar em sabedoria e prudência, bem como desfrutar da herança celestial, visto que, através da comunhão com Cristo fomos selados e passamos, definitivamente, a desfrutar de todas as maravilhas do céu, sendo de fato o louvor de Sua glória: “Que ele fez abundar para conosco em toda a sabedoria e prudência; Descobrindo-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito, que propusera em si mesmo, Nele, digo, em quem também fomos feitos herança, havendo sido predestinados, conforme o propósito daquele que faz todas as coisas, segundo o conselho da sua vontade; Com o fim de sermos para louvor da sua glória, nós os que primeiro esperamos em Cristo; Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa; O qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão adquirida, para louvor da sua glória” (Ef 1.8,9,11-14).

Crer você nisso? Deixe o Senhor abençoar sua vida!

Tropa de Elite de Jesus Cristo

“E nomeou doze para que estivessem com Ele e os mandasse a pregar e para que tivessem o poder de curar as enfermidades e expulsar os demônios: Simão, a quem pôs o nome de Pedro; Tiago, filho de Zebedeu, e João irmão de Tiago, aos quais pôs o nome de Boanerges, que significa: Filhos do trovão; André, e Filipe, e Bartolomeu, e Mateus, e Tomé, e Tiago, filho de Alfeu e Tadeu, e Simão, o Zelote, e Judas Iscariotes, o que o traiu” (Marcos 3.14-19.

Jesus ao começar o seu ministério evangelístico precisou ao seu lado, de homens valorosos, capazes de sacrificarem suas próprias vidas para se tornarem discípulos obedientes e fervorosos no espírito. Eles foram os verdadeiros componentes da primeira “Tropa de Elite”, que desafiou o inferno e livrou muitas pessoas das prisões espirituais efetuadas por Satanás.

Essa “Tropa de Elite”, revestida do poder e da graça do Senhor Jesus não se intimidava com nada nesse mundo: não temeram os anciãos, os líderes religiosos judaicos e nem a soldadesca romana e muito menos o poder do inferno, formado pela Tropa de Choque do Diabo. A “Tropa de Elite” de Jesus foi vitoriosa. Formada de doze homens valorosos, que despojaram-se do velho homem, não tiveram suas vidas como preciosas, antes, até morreram por amor a Jesus a quem consideravam Senhor e Salvador.

Outras e outras “Tropas de Elites” foram sendo formadas ao longo dos séculos. O próprio Jesus Cristo mandou que assim se formassem: “Portanto, Ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo; ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos. Amém!

Eu e você fazemos parte da “Tropa de Elite” que hoje luta pelo Reino de Deus. A “Tropa de Elite” constituída pelo mundo tem objetivos diferentes da “Tropa de Elite” do Senhor Jesus Cristo. A primeira tem a finalidade de combater o submundo da perversidade, enquanto a última a de convencer os formadores desses grupos marginalizados que Jesus tem poder para buscar e salvar o homem perdido em seus pecados e impiedades. Fazer parte da verdadeira “Tropa de Eliete” de Cristo é um grande privilégio.

A Igreja do Senhor Jesus é essa grande “Tropa de Elite”, que destemida e firme na fé avança sem medo do inferno e nem das ameaças de satanás, que é especialista em atemorizar as pessoas, aprisionando-as na esfera espiritual, induzindo-as ao erro e convencendo-as a permanecerem no pecado.

É fácil pertencer a “Tropa de Elite” de Deus. Não é preciso ser intelectual, nem provido de grandes conhecimentos seculares, basta tão somente aceitar a Jesus Cristo como seu único Salvador e Senhor de sua vida. Após esse passo, Ele mesmo o alistará no seu Exército e após escrever seu nome no Livro da Vida o selecionará para a “Tropa de Elite”.

Malhando na academia de Deus

“Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite.” (Salmo 1.1-2).

Mundo moderno, atrativo, criativo, destrutivo e bem aparelhado, capaz de encantar, despertar, privar e acomodar muitos homens e mulheres, tidos e havidos como crentes em Jesus Cristo. Ele é assim mesmo, para cada geração que chega ele tem seus encantos, atrações e, uma estratégia bem peculiar para aprisionar as pessoas, chegando a afastar os crentes da comunhão como o Senhor Jesus Cristo.

Antes de se implantar as academias para se adquirir a higidez do corpo, trabalhou-se muito na conscientização da boa alimentação. Hoje, o comércio de alimentos saudáveis e nutritivos à saúde, sem toxinas e outros “porcaritos” que prejudicam a mesma, tem sido veementemente combatidos nas redes sociais, e com isso, chegam como mandantes do “pedaço”, ou sejam, as vitaminas e os complementos alimentares que fortificam e dão mais energia para a pessoa malhar e ter o seu corpo perfeito, segundo diz as inúmeras propagandas.

A academia de Deus, também proporciona saúde e desenvolvimento. Ela funciona 24 horas por dia e tem o objetivo de edificar a vida do homem, fortalecendo-o e fazendo-o crescer na graça e no conhecimento de Deus e não funciona segundo a carne e nem exalta o corpo, mas a alma e o espírito do homem, onde o verdadeiro alimento não é a base de química e nem outros nutrientes de preços exorbitantes, mas da própria Palavra de Deus, que é pão e mel para o faminto de salvação.

Os produtos nutritivos, que verdadeiramente alimentam o homem para fortalece-lo no seu interior e lhe dá vida, estão contidos na Bíblia, fonte de vida e luz, a qual é o pão vivo que alimenta a alma. “Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus.” (Mateus 4.4). Ela é o puro trigo que desceu do céu, e por isso precisamos comê-la dia após dia e meditá-la de dia e de noite. Jeremias a comeu: “Achadas tuas palavras, logo as comi, tuas palavras me foram gozo e alegria para o coração, pois pelo teu nome sou chamado o Senhor Deus dos Exércitos.” (Jeremias 15.16).

Jesus Cristo é a Palavra. Ele mesmo disse: “Eu Sou o Pao da Vida. Vossos pais comeram o maná no deserto, e morreram. Este é o pão que desce do céu, para que o que dele comer não morra. Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo.” (João 6.48-51).

A Palavra de Deus é também água. Água que alimenta, que purifica, que lava os pecados. O próprio Jesus disse certa vez que Ele era a água da vida. A água é vital para a sobrevivência do homem. A Palavra de Deus é quem dá vida a alma: “A minha alma está pegada ao pó; vivifica-me segundo a tua palavra.” (119.25). Ela é essa água purificadora, santificadora que salva a alma do homem: “Então aspergirei água pura sobre vós, e ficareis purificados; de todas as vossas imundícias e de todos os vossos ídolos vos purificarei. E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne. E porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis os meus juízos, e os observeis. E habitareis na terra que eu dei a vossos pais e vós sereis o meu povo, e eu serei o vosso Deus.” (Ezequiel 36.25-28).

Jesus disse aos seus discípulos: “Vós já estais limpos pela palavra que vos tenho falado” (João 15.3). Na academia de Deus, o exercício que vigora é você caminhar na esteira da fé, em vez das elétricas, pedalar na bicicleta da evangelização, deixando de lado as bicicletas horizontais e verticais produzidas pela indústria; aperfeiçoar a leitura e meditação das Escrituras Sagradas, que é mais salutar para a alma do que os supinos retos e inclinados, bem como os aparelhos de movimentos elípticos tão frequentes nas academias modernas espalhadas pelos nossos bairros e cidades satélites.

A academia de Deus é antiga. Adão e Eva já se utilizava dela, pois ela proporciona comunhão com Deus, porquanto, buscar o que é espiritual, vale muito mais do outras coisas que são passageiras e terrenas. Que o Senhor faça você buscar mais a academia de Deus, do que a dos homens. Que você possa ser mordomo do seu tempo, de modo que edifique mais o espirito, a alma, do que o corpo. Amém!

Maldição sem causa não atingirá você, pois você está em Cristo 2

“Como ao pássaro o vaguear, como à andorinha o voar, assim a maldição sem causa não virá.” (Provérbios 26.2).

Não tenha medo das maldições lançadas por outros contra você, porquanto, você tem um escudo, chamado fé: “Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça; E calçados os pés na preparação do evangelho da paz; Tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno.” (Efésios 6.14-16).

A passagem de Mateus 5.23-26 é bem clara quanto ao encolerizar-se contra o seu irmão. Jesus não diz que se fizermos algo contra nosso irmão, mas diz: “Se lembrares que teu irmão tem algo contra ti!” – por que precisamos nos preocupar se meu irmão tem algo contra mim? Porque ele está nos prendendo e nos amaldiçoando em seu coração.

Tais coisas nos traz cadeias e prisões espirituais para nossas vidas. A discórdia, o ressentimento, a amargura e o ódio que meu irmão possa ter, certamente, poderão ser a brecha que Satanás precisa para nos atingir. Até mesmo as palavras e maldições proferidas pelo meu irmão ofendido, poderão ser a verbalização das setas diabólicas para atingir minha vida. E, a não ser que esteja eu protegido pela Palavra de Deus e pelo sangue de Jesus Cristo, e minha vida esteja íntegra na presença do Espírito Santo, assim sendo, essas maldições não me atingirão jamais. Caso contrário, se a minha vida estiver toda bagunçada espiritualmente falando, então, Deus permitindo, serei tremendamente atingido, porquanto, dei brecha e o diabo se aproveitará disso.

Quanto mais uma pessoa está próxima do reino das trevas, mais suas palavras serão usadas pelo inimigo para materializar o mal em outras pessoas.

Existe um princípio no mundo espiritual que se chama verbalização. Este princípio é verdadeiro para Deus e seu reino como para Satanás e seu reino. Tudo o que Deus faz é por meio da palavra que proferimos e o inimigo se aproveita desse mesmo princípio. Foi a palavra, o elemento criativo de todas as coisas por Deus. Da mesma forma, o reino das trevas usa a palavra para atingir seus fins. Assim como Deus precisa da oração da igreja e de nossa permissão emitida por nossas palavras, o nimigo também, ele necessita do consentimento de alguém para que coloque suas forças em operação, e através de nossas palavras nós fechamos ou abrimos as brechas para ele, nosso inimigo maior.

Quando proferimos palavras de maldição, então, damos oportunidade para Satanás trabalhar em nossas vidas. Vigie, confie em Deus e antes de descarregar seu ódio, ira ou aborrecimentos contra alguém, lembre-se de que você é servo do Deus Altíssimo e estamos no mundo para abençoar e não amaldiçoar. Aleluia!

Jocmeão: Será que o povo vem junto?

“E Jocmeão e os seus arrabaldes, Bete-Horom e os seus arrabaldes.” (1 Crônicas 6.68).

Jocmeão? Sim Jocmeão, tratava-se de uma cidade de Efraim dada aos levitas da família de Coate. Jocmeão significa em hebraico “o povo vem junto”. É esse o significado e é isso que todos os pastores de igrejas evangélicas precisam: que o povo chegue junto, que se mobilize e de maneira unida e motivada façam juntos a obra que Deus determinou que se fizesse no mundo.

Jocmeão, “O povo vem junto”. Há se isso fosse realmente algo bem concreto! Que bom se o Espírito Santo tocasse de maneira convincente em cada membro da igreja e todos se desprendessem das coisas materiais e abraçassem as espirituais. Como Jesus Cristo iria ficar deveras maravilhado e quem sabe, abreviaria logo os dias e partiria da glória para buscar esse povo que vem junto, que trabalha junto, que ora junto, que se reúne no templo de maneira harmoniosa e junto glorificam e exaltam o Nome que é sobre todo o nome, o nome de Jesus.

Jocmeão aponta para a união, para a cooperação de todos. Jocmeão, nos exorta a não mais realizar a Obra do Senhor sozinhos, mas em conjunto, onde “um será por todos e todos serão por um”. A Bíblia não traz detalhes sobre os moradores de Jocmeão, mas se sabe apenas que os primeiros habitantes foram levitas da família de Coate. Coate significa “Assembleia” e tratava-se do segundo filho de Levi, filho de Jacó (Gn 46.11). Vamos chegar junto e realizarmos uma grande obra para Deus!

 

Confusão na casa do Rei!

“E aconteceu que, estando eles ainda no caminho, veio a nova a Davi, de que se dizia: Absalão feriu todos os filhos do rei, e nenhum deles ficou” (2 Samuel 13.30).

Algumas notícias que chegam de primeira mão podem se tornar fatal. Algumas pessoas não estão preparadas para receberem uma notícia ruim sem antes haver uma amaciada no âmago. Existem crentes especialistas em passar alguma coisa a outro, principalmente, se for relacionada à doença, acidente ou morte. Parece-me que esses sentem prazer em informar antes de todo o mundo.

Quando alguém viu Amnom tombar ferido e depois vir a óbito, correu logo ao palácio do rei Davi e informou que todos os seus filhos de Davi, que foram a tosa das ovelhas, ao banquete de Absalão, foram mortos por este. Não se tratava de uma mensagem verdadeira, e a mesma deixou a todos em pavorosa. As mães dos rapazes e moças, o próprio rei e pessoas ligadas à família muito se angustiaram com o boato.

A sorte é que Jonadabe, sobrinho de Davi mandou anunciar de imediato ao rei a mensagem correta, e amenizou a dor e o sofrimento que já se instalara nas dependências reais: “Mas Jonadabe, filho de Siméia, irmão de Davi, respondeu e disse: Não diga o meu senhor que mataram a todos os jovens filhos do rei, porque só morreu Amnom, porque assim o tinha resolvido fazer Absalão, desde o dia em que ele forçou a Tamar, sua irmã” (2 Sm 13.32).

Quantas confusões não acontecem no meio evangélico? Quantas informações são divulgadas sem fundamento nenhum? Quantas pessoas pedem oração a outro, apenas para repassar, informar, ou noticiar o problema ou problemas de outros irmãos? Como é triste receber uma notícia ruim sem está preparado ou sem que antes se console o coração ansioso. Muitos cristãos gostam de passar uma mensagem imediatista e não são preparados para isso e acabam promovendo confusão.

Lembro-me quando estava embarcado, em alto mar, e ao recebermos uma mensagem sobre a morte de algum familiar da tripulação ou acidente grave, o comandante do navio mandava chamar o capelão para transmitir a informação. Nem sempre o comandante ou qualquer outro oficial era a pessoa mais certa para repassar a informação, pois geralmente a mensagem iria comover, mexer, ou abalar grandemente a pessoa interessada.

O cristão é pessoa da paz. É alguém amoroso, virtuoso, bondoso, acolhedor e não deve se precipitar em informar algo que ainda está no estágio embrionário, mas deve aguardar o esclarecimento e a veracidade dos fatos, a fim de não provocar confusão e até mesmo morte física ou espiritual. Amém!

Quando o porão é melhor que o convés

“Então temeram os marinheiros, e clamavam cada um ao seu deus, e lançaram ao mar as cargas, que estavam no navio, para o aliviarem do seu peso; Jonas, porém, desceu ao porão do navio, e, tendo-se deitado, dormia um profundo sono.” (Jonas 1.5).

O porão jamais será melhor que as acomodações de um convés para a pessoa viajar e fazer excelente travessia a bordo de um navio qualquer, todavia, para o profeta Jonas não tinha na embarcação melhor lugar que o porão, escolhido por ele para a viagem.

Esconder-se de Deus, fugindo de sua presença revela a situação decaída do fujão. Sempre que alguém evita Deus e deste se afasta é porque a vida espiritual não está cem por cento e o pecado, se não consumou, está bem perto disso.

Para Jonas o porão era como se fosse à primeira classe no convés. Naquele lugar sombrio ele chegou até mesmo a dormir profundo e agradável sono, enquanto a tripulação em peso estava apavorada e com muito medo de naufrágio devido a intensa tempestade e as fortes e altas ondas que açoitavam o flutuante.

O porão eu o comparo como sendo o estado em que o homem se encontra. Como quem diz: “o fundo do poço”. Estado lastimável, deprimente, dificultoso e embaraçoso. A região mais baixa da embarcação. O lugar em que o “dormente” escolheu para descansar durante a derrota. E nessa igual travessia meu amigo e irmão em Cristo, que sua situação se assemelha a de Jonas: no porão, em grande apuro, em meio a um grande vendaval espiritual, porém, saiba que Deus te ama e quer te ajudar.

Jonas conheceu ainda um lugar mais profundo do que o porão, talvez mais escuro e perigoso: o ventre do grande peixe, que empolgado pela façanha, o levou para o fundo do mar, para agonia e assombro do profeta desobediente.

Por que Jonas escolheu o porão? Por que muitos escolhem o lugar mais sombrio quando estão fugindo de Deus? Por que ele resolveu o problema dos marinheiros e da embarcação de maneira tão rápida? Por que ele resolveu se suicidar? Por que Jonas era o problema a bordo?

São perguntas como essas que requerem respostas imediatas. Jonas era o grande causador de todos os males. Ele havia desobedecido à ordem do Senhor e por isso todos estavam padecendo.

Será que você é a causa de alguma tormenta espiritual em sua própria vida, no seio de sua família, no seu trabalho ou na igreja onde você congrega? Certa vez um homem foi para a beira da praia e clamava: “Senhor, Senhor! Pega os meus problemas e lança-os no mar!” – então Deus lhe disse, depois de muito insistir: “Jogue-se no mar, pois você é o problema em pessoa!”. Às vezes nós somos o próprio problema, mas não admitimos, não enxergamos a solução e nem nos movemos para solucionar os imbróglios de nossa própria vida.

Os meninos estão pedindo pão!

“A língua do que mama fica pegada pela sede ao seu paladar; os meninos pedem pão, e ninguém lhe dá” (Lamentações 4.4).

Não é somente os meninos que necessitam de pão, mas os adultos também. Em pleno século XXI, a fome ainda é uma ameaça a muitas nações.

O mundo na verdade produz muita comida, porém, muitas pessoas ainda morrem de fome. O que podemos fazer para erradicar a fome no mundo? É uma resposta que líderes de inúmeros países fazem, mas não agem.

Este ano, no primeiro quadrimestre a ONU para Agricultura e alimentação (FAO) mostrou que a produção mundial de alimentos é suficiente para suprir a demanda das 7,3 bilhões de pessoas que habitam o planeta. Mesmo assim, aproximadamente uma em cada nove dessas pessoas ainda vive a realidade da fome. Fome é assunto antigo, bom seria se ninguém morresse dela, mas que todas as pessoas deste mundo pudessem se alimentar bem.

Os meninos estão pedindo pão. Em qualquer lugar do mundo, onde a pobreza ainda está viva e latente, muitas crianças estão pedindo pão. Jesus quando foi tentado no deserto, teve fome e Satanás ao contemplar algumas pedras calcárias às proximidades de Cristo lhe disse: “Transforme essas pedras em pão!” – E Jesus prontamente lhe respondeu, “Não só de pão viverá o homem, mas de toda a Palavra que sai da boca de Deus”. É esse pão que gostaria de apresentar aos meninos que estão com fome. Meninos, porque ainda não cresceram na obra de Deus. Já faz é anos que aceitaram a Cristo como Salvador e até hoje levam uma vida raquítica na igreja, não crescem e não se fortificam na Palavra, porque não querem comer do verdadeiro pão da vida, Cristo, mas se contentam com o simples leite: “Porque qualquer que ainda se alimenta de leite não está experimentado na palavra da justiça, porque é menino.” (Hb 5.13).

Na Igreja de Corínto havia mestres e intelectuais que se converteram ao Evangelho de Cristo, porém, não se deixaram dominar pelo poder do Evangelho, nem tão pouco aceitaram de bom grado o ensino proposto por Paulo, e este falou: “Com leite vos criei, e não com carne, porque ainda não podíeis, nem tampouco ainda agora podeis.” (1 Co 3.2).

O escritor aos Hebreus enfrentou o mesmo problema que Paulo: “Porque, devendo já ser mestres pelo tempo, ainda necessitais de que se vos torne a ensinar quais sejam os primeiros rudimentos das palavras de Deus; e vos haveis feito tais que necessitais de leite, e não de sólido mantimento.” (Hb 5.12).

Os meninos estão pedindo pão, vamos alimentá-los com amor e dedicação!

Não permita que a azeitona caia da tua oliveira!

“Em todos os termos terás oliveiras; porém não te ungirás com azeite; porque a azeitona cairá da tua oliveira.” (Deuteronômio 28.40).

O capítulo vinte e oito de Deuteronômio, a partir do versículo quinze traz uma série de juízos e castigos contra o pecado de desobediência. Tais castigos diz respeito a desobediência do povo de Israel. Esse capítulo serve de alerta a todos quantos amam e aguardam a vinda de Cristo. A desobediência do homem, deixa Deus muito triste e o Seu Espírito Santo não resistindo esta tristeza, também se afasta da pessoa faltosa.

O Senhor tem o máximo prazer em abençoa a pessoa, por conseguinte faz-se necessário que aqueles que se aproximam dEle, o façam em espírito e em verdade, não duvidando do que Ele é capaz de fazer e operar. Se o crente se aproxima do seu Senhor, então é preciso que o faça com temor e reverência, pois Ele é o Deus que de sara e te abençoa.

Israel chegou ao ponto de ter em seus campos a maior produção de oliveiras do mundo. Campos super lotados de plantações que poderiam alavancar a economia do povo judeu, porém, pela desobediência deles, quando as azeitonas estavam bem desenvolvidas elas caiam no chão, não vingavam e não ficavam no ponto para a colheita, pois, o Senhor Deus, Ele mesmo, fazia com que todo o plantio se perdesse: “O Senhor mandará sobre ti a maldição, a turbação e a perdição em tudo que puseres a tua mão para fazer, até que sejas destruído e até que repentinamente pereças, por causa da maldade das tuas obras, com que me deixaste” (Dt 28.20).

Será que as bênçãos de Deus estão realmente sobre você, meu amigo e meu irmão em Cristo? Será que você e toda a tua casa não estão recebendo as benesses do Senhor pela metade? Ou não estão recebendo nada? Quando as coisas estão dando erradas na vida do crente, e tudo está ficando no vermelho e nada dá certo no que fazes, então, é hora de reavaliar os conceitos, a própria vida e examinar a si mesmo, conforme orientação paulina.

Não adianta querer tocar a vida da maneira que ela se encontra hoje. Caso estejas em dificuldades e em grande amargura de alma, é melhor parar, dá um “stop”, correr para os pés de Cristo, se arrepender, se concertar, e só então, recomeçar uma nova fase da caminhada cristã. Não permita que a azeitona (a benção) caia de tua oliveira (tua vida).

O caminho é difícil?

“Em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações, para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo, se ache em louvor, e honra, e glória, na revelação de Jesus Cristo.” (1 Pedro 1.6,7).

Durante a caminhada do cristão, muitas coisas acontecem que o deixam deveras feliz, mas também, há situações em que tudo se torna difícil e extremamente complicado, porquanto, parece que nada dá certo e a sensação de que Deus se ausentou dele é grande e real, se ele não tiver uma fé robusta acabará se afastando completamente do Senhor da glória.

As dificuldades que surgem no caminho da salvação é coisa comum e natural, pois tem o objetivo único de fortalecer a fé cristã e dá ao crente experiência necessária para as batalhas espirituais que surgirão na sua vida. Pedro manda o crente se alegrar na hora em que estiver contristado. Já Tiago diz: “Meus irmãos, tende grande gozo e alegria quando cairdes em várias tentações, sabendo que a obra da vossa fé obra a paciência”. O apóstolo Paulo afirma: “Não sobrevém tentação senão humana, mas fiel é Deus que não vos deixará tentar acima do que podeis”. Tudo está perfeitamente no controle de Deus, por isso, você não poderá se apavorar e perder a esperança em Deus.

Pedro diz: “Amados, não estranheis a ardente prova que vem sobre vós, para vos tentar, como se coisa estranha vos acontecesse; mas alegrai-vos no fato de serdes participantes das aflições de Cristo, para que também na revelação da sua glória vos regozijeis e alegreis” (1 Pe 4.12,13).

O caminho da salvação é realmente difícil, porém, quanto mais difícil, maior a vitória e a conquista que o o Espírito Santo te dará. O anjo diz: “Ao que vencer…”. Logo, você não pode jamais ser um derrotado, mas lutar para ser um autêntico vencedor em Cristo Jesus.

O caminho da salvação tem alguns obstáculos e estes são fundamentais para que o cristão não venha a se acomodar e perder a coroa. Saiba que você é feitura de Suas mãos e Ele morreu na cruz para te salvar e para que você ande realizando boas obras (Ef 2.10).

Se o caminho fosse fácil o inimigo só vivia nele dando cambalhota de felicidade, porém, ele é difícil e por ser assim, o cristão vive em novidade de vida, orando, jejuando, lendo a Bíblia, meditando na santa Palavra de Deus, e pregando e ensinando o evangelho a toda a criatura sem Deus.

O caminho é de intensas lutas e o cristão não pode desanimar. “Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.” (Ef 6.12). A luta é contra todo o inferno, porém, somos mais do que vencedores em Cristo Jesus, nosso eterno Salvador.

O caminho da salvação é um caminho de desafios. Se você desanimar ou se mostrar frouxo na hora da batalha, o Senhor não terá prazer em você, todavia, é preciso ser forte e pedir sempre a ajuda do Altíssimo. Deus conta com você!

Bons hábitos, grandes realizações

“E um certo Ananias, homem piedoso conforme a lei, que tinha bom testemunho de todos os judeus que ali moravam, vindo ter comigo, e apresentando-se, disse-me: Saulo, irmão, recobra a vista. E naquela mesma hora o vi. E ele disse: O Deus de nossos pais de antemão te designou para que conheças a sua vontade, e vejas aquele Justo e ouças a voz da sua boca. Porque hás de ser sua testemunha para com todos os homens do que tens visto e ouvido.” (Atos 22.12-15).

Ananias tinha o bom hábito de orar a Deus. Certo dia ele orava e o Senhor lhe revelou a vida de um homem chamado Saulo, que estava autorizado pelas autoridades judaicas para prender e dissuadir qualquer grupo da “seita dos nazarenos”, como eram chamados os cristãos da época de Paulo.

O bom hábito de Ananias, de está sempre orando ao Senhor, fez com que lhe fosse revelado por Cristo ressurreto o estado de cegueira física e espiritual do jovem Saulo em Damasco, capital da Síria.

Teólogo do Século XIX, Henry Parry Liddon disse certa feita: “O que nós fazemos em grandes ocasiões dependerá do que somos, e o que somos é o resultado de nãos de autodisciplina”. Que verdade, que sabedoria! Se não houver em nós autodisciplina, não realizaremos bons hábitos, e se não tivermos bons hábitos, certamente, não faremos grandes realizações para o Senhor Deus e também para a nossa própria vida nesta terra.

Uma das coisas que muito motiva a pessoa para realizar algo é o fato de saber se comunicar. Quem se comunica bem, não encontrará grandes dificuldades para descobrir o caminho da vitória. Este caminho, aliado com fé e com a motivação, erguerá o homem para atingir os mais preciosos ideais e objetivos de vida. Portanto, é preciso desenvolver bons hábitos, para poder realizar grandes ações.

Um bom hábito é a luta pela preservação da união. O salmista diz: “Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união.” (Salmos 133.1). Se você e eu tivermos o hábito de fazer boas amizades e de conservar a união fraternal mediante o amor cristão, então, juntos iremos realizar grandes obras para Deus.

Considero o bom hábito como um excelente e nobre tesouro que o homem guarda às sete chaves para usá-lo no momento oportuno. O homem de bons hábitos tira boas coisas do bom tesouro do seu coração: “O homem bom tira boas coisas do bom tesouro do seu coração, e o homem mau do mau tesouro tira coisas más.” (Mateus 12.35).

Bons hábitos, bons desempenhos em tudo que realiza debaixo do sol.

Você precisa ter algum tipo de critério…

“De que serviria o preço na mão do tolo para comprar sabedoria, visto que não tem entendimento?” (Provérbios 17.16).

Como vou pedir sabedoria ao Senhor e usá-la para abençoar minha vida se não há em mim entendimento nenhum das coisas? É como você colocar uma valiosa jóia no focinho de uma porca, certamente, ela a enfiará na lama.

Você pode fazer o que gostaria de fazer? Você está satisfeito com seu casamento? Com o seu trabalho? Você está cursando o que realmente gostaria para o seu futuro? Você namora a pessoa certa, a qual você sempre sonhou para se casar e com ela constituir família? Você está feliz em sua igreja? Faz lá o que gostaria, realmente de realizar para Deus? Na vida é preciso, mais que tudo, de ter critério, a fim de saber se o seu desejo combina com as habilidades que possui. Não adianta fazer alguma coisa nesta vida se não está cem por cento (100%) feliz ou realizado.

Aquele que se lança numa tarefa ou trabalho específico, precisa ter habilidades que o impulsione a realizar bem a sua empreitada e com isso ter satisfação e gozo pelo que faz. Às vezes, seria melhor não fazer, do que realizar com má vontade ou mesmo com negligência. É preciso que se encontre algo mais concreto e prazeroso para se fazer, alguma coisa que traga satisfação para a alma.

Certa vez, disse para um porteiro do templo: Você gosta do que faz? Ele me disse: “tire-me daqui e eu morro!”. Ele amava o que fazia para o Senhor. Quantas pessoas não são felizes porque não têm nenhum critério para saber se o seu desejo combina com as habilidades que possui.

Lembro-me certa vez que um marinheiro me procurou e queria um serviço na secretaria, a fim de ter mais tranquilidade para tocar os seus estudos. Fizemos alguns testes e o moço não sabia nem colocar o papel na máquina de escrever, quanto mais fazê-la funcionar a contento, então, teve que ficar trabalhando no convés.

Disse certo escritor: “Há uma grande diferença entre ter um sonho que o impulsione a realizar algo, e tirar uma ideia do nada, que não tem conexão com o que você é e o que pode fazer”. Na vida é preciso ter critérios. Não se pode subir uma montanha íngreme e acidentada sem a devida experiência. Não basta ter os equipamentos de montanhismos e excelentes mosquetões, é preciso ter prática e gostar do que realiza.

Quando for realizar algo para Deus ou para sua própria vida, tenha algum tipo de critério.

Achei novo vigor!

“Na tua comprida viagem te cansaste; porém não disseste: Não há esperança; achaste novo vigor na tua mão; por isso não adoeceste.” (Isaías 57.10)

Que Bom! É gratificante quando a pessoa vem de uma maratona de decepções, dúvidas e incertezas, enfermidades e dificuldades da vida e de repente recebe de Deus uma nova chance, um novo vigor, uma nova vivificação, novo ânimo, isto é bom demais.

“O Senhor é quem dá força ao cansado e multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor”, diz o profeta Isaías (Is 40.29). Se você está necessitado de uma nova oportunidade na vida, então é bom se chegar a Cristo, pois Ele está sempre pronto para abençoar e conceder o perdão a todos quantos a Ele se chegam.

Há ocasiões na caminhada da vida que é preciso novo vigor, nava vitalidade, não só para o corpo físico, mas muito mais para a alma aflita e abatida, bem como para um espírito amargurado e triste.

É comum a pessoa desanimar ou desistir de algum objetivo de vida, porém, enquanto há vida, há esperança. É preciso lutar, não desanimar, mas crer que o amanhã pertence ao Senhor e que nós devemos batalhar com todas as forças que temos, para vencermos toda e qualquer situação adversa nesta vida, para isso será preciso uma renovação espiritual e tudo começa quando a pessoa acha nova disposição.

É como diz o texto em lide: “Na tua comprida viagem te cansaste…”. A trilha existente no caminho cristão não é para qualquer um, mas para aqueles que têm a fé armazenada no coração, a unção sobre a cabeça, a esperança como âncora da alma e o amor crescente por Cristo e também pelo seu semelhante.

Não são fáceis vencer as barreiras diárias e nem as dificuldades encontradas no caminho da salvação. O inimigo de nossas almas tudo faz para tirar do crente o desejo de louvar e buscar a Cristo, bem como a energia de uma vida espiritual próspera e sadia. Ache força nas tribulações, se agarre a essa nova vivacidade que Deus está te oferecendo. Não desista, como aconselha a Palavra a cima, mas tenha novo vigor e para isso terás saúde e não irás adoecer, nem física e nem espiritualmente. Achaste novo vigor!

No apogeu da crise!

“A luz se escurecerá nas suas tendas, e a sua lâmpada sobre ele se apagará.” (Jó 18.6).

Em pleno século XXI, ainda existem crentes que estão mergulhados nas águas revoltas deste mar da vida: o mundo. Este não oferece luz, porque não tem, ele é o que a Bíblia diz: “Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno.” (1 João 5.19).

O mar está realmente revoltado contigo meu amigo, e irmão em Cristo! Parece que tudo está rodando em sua volta, Seus alvos, seus objetivos e sonhos, estão sendo levados por um grande tornado. Desde a área financeira até a sentimental, tudo parece nocauteado. O “deus deste século”, Satanás, fez “uma reviravolta” em seu ser, de modo que é preciso Jesus Cristo entrar, urgentemente, em ação, porém, Ele nada fará se você não permitir, ou seja, não deixar que o Espírito Santo lhe dê orientação e sabedoria para sair desta crise tão terrível.

Ela atingiu de fato o seu apogeu. A começar pelo seu lar. Parece que tudo está contribuindo para o desmoronamento total ali. No trabalho está um caos também. Na área sentimental tudo está por um fio, não há mais o amor como o grande “para raio”, logo, as contendas têm sido constantes e, com isso, o seu coração está cheio de ressentimentos e angústias. A vida espiritual, nem vou comentar, pois deu um nó, e o afastamento de Deus e da igreja é fato…

O patriarca Jó era um dos homens mais ricos de sua época, e nada lhe faltava. As bênçãos de Deus eram constantes e sua família vivia uma vida regalada, comiam e bebiam do bem e do melhor e Jó sacrificava ao SENHOR pelos seus dez filhos e sua casa. Porém, num só dia ele perdeu tudo, porquanto, Satanás investiu contra seu lar e matou de uma só vez seus filhos e destruiu seus bens e ele ficou pobre, pobre, pobre, e se não, bastasse, toucou em seu corpo e ele foi acometido de uma enfermidade terrível.

A crise na vida de Jó, também, chegou no auge de uma imensa crise, e quando ele pensou que não ia suportar, lembrou-se do Redentor, e mediante a sua fé e paciência, o SENHOR lhe deu vitória e lhe restituiu tudo novamente. Não é somente você que está atravessando essa barra toda, há muita gente neste mundo passando por situação semelhante a sua. Tenha fé, tenha paciência, confie mais no SENHOR, se chegue a Ele e não abandone a igreja e nem seu lar. Permita ao Espírito Santo se aproximar de você, confesse seus pecados e os deixe. Arrependa-se e se humilhe diante dEle, e, certamente, que a vitória estará garantida.

Essa crise é tal como uma virose. Ela tem feito um estrago muito grande na vida de muitos crentes. Tem alguns que aliviam a dor e o sofrimento, tirando a própria vida, e isto não é correto, porquanto, a vida pertence única e exclusivamente ao SENHOR. As Escrituras dizem: “Não veio sobre vós tentação, senão humana, mas fiel é Deus que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes, com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar. ” (1 Co 10.13).

Nem tudo está perdido, pois, ainda há esperança: Jesus é a única esperança. O único capaz de te tirar deste atoleiro, desta crise material e espiritual. Somente Ele poderá te ajudar. Confia nEle e no mais Ele tudo fará, diz o salmista.